Seguidores

quarta-feira, 14 de março de 2012

Onde está a ministra Maria do Rosário, aquela que odeia os militares?

Dezessete dias depois do incêndio que destruiu a base brasileira na Antártica, as famílias do sargento da Marinha Roberto Lopes dos Santos, de 45 anos, e do suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo, de 47 anos, mortos tentando combater o fogo na Estação Comandante Ferraz, ainda sofrem para enterrá-los. Os corpos chegaram em 28 de fevereiro à Base Aérea do Galeão, vindos de Punta Arenas, no Chile, e só foram liberados pelo Instituto Médico-Legal (IML) do Rio na última sexta-feira, depois de feitos os exames de DNA. Os corpos, no entanto, continuam no IML. Revoltados com a demora, os parentes reclamam que as informações sobre o caso são desencontradas. Até a noite de ontem, eles não tinham qualquer previsão oficial sobre quando serão realizados os sepultamentos. Na Bahia, familiares ainda aguardavam o translado do corpo de Carlos Alberto para Salvador.

Nenhum comentário: