Seguidores

domingo, 22 de abril de 2012

Policiais também seriam donos de caça-níqueis

Policiais civis e militares são suspeitos de participar do esquema de corrupção envolvendo jogo do bicho e caça-níqueis não apenas recebendo propina, mas também como proprietários de máquinas espalhadas pela cidade. A denúncia deverá ser investigada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) protocolada esta semana na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. A suspeita foi apontada por um militar ouvido durante Inquérito Policial Militar (IPM) aberto pela PM de Juiz de Fora. A venda da escala de serviço de PMs para bicheiros é outra acusação presente no mesmo documento. Os horários das operações contra a contravenção estariam sendo vendidos aos donos dos estabelecimentos ilegais, que pagariam pela informação, com o objetivo de escapar de um flagrante. 
Na cópia do depoimento obtida pela Tribuna, o denunciante afirma que, em conversa com um comandante e capitães sobre o êxito das operações de combate aos jogos de azar, ele teria indagado se o grupo de oficiais sabia onde estava mexendo, uma vez que esta questão de caça-níqueis seria uma máfia, com o envolvimento de policiais militares e civis, de todos os níveis, sendo alguns deles donos destes equipamentos. Segundo o policial, o comandante teria dito que tinha o conhecimento dos fatos e que era para ele continuar com o "excelente trabalho". 
Sobre a venda da escala de serviço de PMs para bicheiros, a suspeita teria surgido em um período de grande número de apreensões de caça-níqueis e dinheiro, com pessoas detidas. O denunciante afirmou ter notado que, quando a equipe comandada por ele entrava em serviço, os endereços a serem fiscalizados eram encontrados fechados. Diante dessa situação, ele entendeu que sua escala estava sendo comercializada. Ele teria comunicado o problema ao capitão a quem era subordinado. Sua equipe passou a trabalhar em horário diferente e, com a mudança, os militares sob seu comando passaram a localizar os pontos de jogos abertos, resultando em diversas apreensões e prisões. 

Comandante geral Continue lendo na TRIBUNA DE MINAS

Nenhum comentário: