Seguidores

segunda-feira, 18 de março de 2013

Ex-Capitão, comandante da UPP, envolvido com tráfico, é condenado a seis anos de prisão


Carolina Heringer/Jornal Extra

O ex-comandante da Unidade de Polícia Pacificadora do Morro do São Carlos, Adjaldo Luiz Piedade Júnior, preso por receber propina do tráfico de drogas da comunidade, foi condenado a seis anos de prisão, em regime fechado, por associação para o tráfico de drogas.

De acordo com as investigações, entre novembro de 2011 e janeiro de 2012, Adjaldo recebia R$ 15 mil por semana do traficante Sandro Luís de Paula, o Peixe, para não coibir a venda de drogas no São Carlos, época em que era comandante da UPP. Ele foi preso pela Polícia Federal e pela Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança, em fevereiro de 2012.

Na sentença, do último dia 13, o juiz Alcides da Fonseca Neto, da 11ª Vara Criminal da Capital, decretou ainda a perda do cargo do PM. Segundo o magistrado, Adjaldo Luiz funcionava como um verdadeiro "escudo protetor" que possibilitava que o negócio pudesse ser realizado de modo discreto, porém de maneira extremamente eficiente. Ele impedia ou dificultava a atuação de seus subordinados na repressão ao tráfico de drogas na região. "Em troca, recebia o pagamento da quantia de R$ 15 mil por semana, isto é, ele percebia, por sua atuação no grupo, a quantia de R$ 60 mil por mês", afirmou o juiz.

Outros réus

O ex-PM foi denunciado junto com outros 10 réus e, além dele, foram condenados Alex Moura de Matos, gerente das "bocas de fumo" da Cidade Nova, a quatro anos de reclusão, em regime semiaberto, com a substituição da pena privativa de liberdade à prestação de serviços à comunidade e ao pagamento de multa; Douglas Moura de Matos, braço direito de Alex Moura, a três anos e três meses de reclusão, em regime semiaberto, tendo a pena também substituída pelo pagamento de multa e serviços à instituição pública; Anni Fabiana de Souza Barata, Shirlei da Silva Nascimento e Jeovânio Beserra Santos a três anos de prisão, em regime aberto, pena substituía pelo serviço à comunidade e o pagamento de multa.

Foram absolvidos Vera Lúcia da Silva Rodrigues, Ronaldo Cruz dos Santos e o PM Alexandre Duarte, por falta de prova. Os outros dois réus, Anderson Rosa Mendonça, o Coelho; e Sandro Luiz de Paula Amorim, o Peixe, que controlavam o tráfico de drogas no Complexo de Favelas de São Carlos, tiveram o processo julgado extinto, uma vez que foram denunciados pelo mesmo crime em outro processo na 17ª Vara Criminal da Capital.


Nenhum comentário: