Seguidores

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Falta de médicos e hospitais conveniados para os militares de Governador Valadares - MG




Comentário: Depois de assistir aos dois vídeos vocês poderão comparar e tirar as suas próprias conclusões sobre quem está mentindo, quem está falando a verdade...atores representam....policiais não, nossos parentes não fazem teatro quando reclamam. O governo "investiu" tanto, que aprovou a redução no repasse de verbas para o IPSM, ou seja, ao invés de aumentar, reduziu a verba para o sistema de previdência e saúde de policiais e bombeiros. Isso sem falar nos índices de homicídio, na falta de efetivo, delegacias caindo aos pedaços...mas, segundo a propaganda do governo "Minas, aqui tem compromisso com as pessoas"...ou com os políticos, ou com a eleição em 2014...


Falta de médicos e hospitais conveniados ao IPSM é discutida pela Comissão de Saúde em Governador Valadares


A requerimento do deputado Sargento Rodrigues, a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais realizou nesta quarta-feira, na cidade de Governador Valadares, audiência pública para discutir as condições da prestação do serviço de saúde aos policiais e bombeiros, através do convênio com o Instituto de Previdência dos Servidores Militares do Estado de Minas Gerais (IPSM).

Na audiência, foi confirmada, a partir do depoimento de policiais e bombeiros militares presentes, a falta de profissionais de várias especialidades da área de saúde, bem como a defasagem no atendimento aos segurados do IPSM. 

Segundo o policial militar, Sargento Varnei, os segurados pelo IPSM em Teófilo Otoni estão abandonados, afirmando se sentir como se estivesse em um terceiro mundo inclusive em relação a Governador Valadares. 

Para o Tenente reformado Amilton, é necessário mais atenção e respeito por parte do IPSM. O militar relatou a demora e toda a dificuldade em conseguir agendamento de consulta, bem como a dificuldade na locomoção de Teófilo Otoni para outras cidades.

Já o Sargento Geremias, ressaltou a precariedade relativa ao transporte dos pacientes de uma cidade a outra. Segundo ele, seu filho, portador de necessidades especiais, quando necessitou fazer uma cirurgia fora de Teófilo Otoni, não conseguiu carro para levá-los, tendo, à época, que utilizar uma viatura do corpo de bombeiros.

Outro relato importante foi do militar reformado há 26 anos, Eduardo da Cunha Ramos, que questionou a falta de médicos para atendimento aos segurados mais velhos, que necessitam, por exemplo de geriatras e psiquiatras. “Há treze anos dou assistência médica psiquiátrica a minha esposa. Há treze anos pago consultas particulares, hoje a R$ 290”, disse.

Destaque também para o testemunho do Sargento Gilson, que apesar de falar da conquista do convênio com o Hospital São Lucas, ressaltou os problemas no atendimento infantil com a falta de pediatras conveniados. O Policial militar disse, ainda, que seu irmão, bombeiro militar, paga para seus filhos, o plano de saúde da Unimed. 

De acordo com o deputado Sargento Rodrigues, a assistência deficitária do IPSM se arrasta há pelo menos seis anos, data de maior incidência de reclamações recebidas em seu Gabinete parlamentar. “Desde 2007 venho recebendo reclamações sérias com relação ao convênio. Ora falta pediatra, cardiologista, oncologista, ou seja, médicos de todas as especialidades têm faltado com o convênio”, afirmou. 

Após ouvir dos segurados reclamações do atendimento médico em Governador Valadares, que muitas vezes são obrigados a sair de Teófilo Otoni em busca de consultas e tratamentos, Rodrigues é taxativo: “a situação não pode continuar como está. Se em Governador Valadares, uma cidade polo, está desse jeito, imagine em outros municípios?”.

O gerente regional de Saúde do IPSM em Governador Valadares, Coronel Sebastião Pereira de Siqueira, durante seu depoimento, afirmou que o atendimento em Teófilo Otoni é péssimo e que não tem condições de assistir a contento os segurados. 

Por fim o deputado pediu que os representantes do IPSM, busquem soluções imediatas para os problemas levantados e não respostas evasivas, como as que obteve no encaminhamento dos ofícios. 

Também participaram da reunião o assessor de Assistência à Saúde, Coronel Vinícius Silveira Fulgêncio, o chefe da divisão de assistência à saúde do IPSM, Coronel Dagoberto Rocha Gandra, o diretor institucional da Associação de Servidores do Corpo de Bombeiros e Policiais Militares de Minas Gerais(ASCOBOM), subtenente Raimundo Nonato, o presidente do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia e Bombeiro militar de Minas Gerais, Cabo Coelho, o representante da Aspra, Subtenente Luiz Gonzaga, o Comandante geral da 8ª região PM, Tenente Coronel Marcelo Fernandes e o gerente regional de saúde do IPSM, Coronel Sebastião Pereira de Siqueira.

Fonte: facebook.com/deputado sargento rodrigues

Nenhum comentário: