Seguidores

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Tropa do Bope canta grito de guerra que faz apologia à violência

Uma tropa do Batalhão de Operações Especiais, o Bope, foi flagrada cantando um grito de guerra que faz apologia à violência durante um exercício de corrida nas ruas do Rio. O vídeo foi gravado na semana passada, no parque Eduardo Guinle, que fica logo abaixo da sede do Bope, ao lado do Palácio Laranjeiras, a residência oficial do governador, na Zona Sul da cidade.
Os soldados aparecem correndo sem camisa e gritam respondendo a um líder, que entoa os seguintes versos: ‘É o Bope preparando a incursão / E na incursão / Não tem negociação / O tiro é na cabeça / E o agressor no chão. / E volta pro quartel / pra comemoração’.
O parque possui brinquedos e é muito frequentado por crianças. Uma moradora, que pede para não ser identificada, costuma brincar com as filhas no local e discorda do repertório do Bope. “Eu acho errado que uma corporação do estado, que está aí para prover a segurança para o cidadão, espalhe uma cultura extremamente violenta, pesada, de guerra. Acorda as pessoas às 7h, falando que a missão é entrar pela favela e deixar corpo no chão”, reclama. Outros moradores, porém, apoiam os soldados: “Acho até bacana. É um incentivo. Sinceramente, não me afeta em nada. Acho tranquilo. Para mim, não tem o menor problema”.Continue lendo no G1
Comento: É mais uma grande hipocrisia querer exigir do BOPE, a tropa de elite da PM, que deixem de cantar suas músicas de incentivo, para cantar músicas de ninar, ou com letras do tipo: "Eu vou respeitar o direito do mano, se ele atirar eu não vou revidar". Pára de palhaçada, visitem os quartéis e saberão como eles são tratados. Participem de incursões junto com eles, e verão como eles são recebidos. Esses homens e mulheres vivem numa situação de guerra faz tempo...e só essas corolas é que não sabem disso? Não assistiram aos filmes Tropa de Elite 1 e 2? Enquanto não vivemos os Direitos Humanos na caserna, nunca seremos agentes dele, no trato com o cidadão.

Nenhum comentário: