Seguidores

Mostrando postagens com marcador eduardo cardoso. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador eduardo cardoso. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Quem é pior: ministro da justiça ou o ditador que patrocinou a Beija - Flor?

      O Brasil e seu patriotismo pirata com sua cultura sui generis, onde há décadas governos dos mais diversos vieses político ideológicos. Se é que podemos dizer que nesse país alguém é movido por essa ou aquela corrente doutrinária. Somos decididamente uma nação de acasos. Vários exemplos podem demonstrar essa maneira paradoxal de gerir o Estado ou do cidadão cobrar dos governantes posturas éticas ou constitucionais. O último carnaval do Rio de Janeiro é o modelo clássico de como somos casualistas. A escola de samba que sagrou-se campeã do carnaval 2015, foi patrocinada por um ditador da Guiné Equatorial; governo reconhecidamente corrupto. Porém qual das escolas de samba conseguem colocar o "bloco na rua" sem a ajuda da contravenção oriunda do jogo do bicho, dos jogos de azar, máquinas caça-níquel e cassinos clandestinos?

     Parte da imprensa e as redes sociais se manifestam ferozes contra a origem do mecenas da escola de samba Beija - Flor, mas, será que já se esqueceram dos grandes banqueiros de bicho? Será que se esqueceram das disputas por pontos com execuções sumárias e cinematográficas nas ruas do Rio de Janeiro? Qual a diferença da origem desse patrocínio ao dinheiro oferecido por um ditador africano, ou se fosse o Osama Bin Laden ou algum mafioso russo?

     Longe de defender tais ou quais exemplos de contravenção ou crime organizado. Mas, a polêmica não deveria nascer no enredo das escolas de samba, mas, sim no paradoxo que é ver um juiz ou a justiça ser pressionada por políticos, como no caso da operação lava jato, onde alguns advogados teriam se reunido com o ministro da justiça Eduardo Cardoso, visando frear as investigações ou no mínimo causar constrangimento para aqueles que participam daquela investigação. 

     Qual o país que nós queremos, o da contravenção mecenas das escolas de samba, onde todo mundo sabe mas, finge não saber, ou o Brasil que vive a maior crise de corrupção da sua história e muitos fingem que o ministro da justiça queria apenas tomar um cafezinho com os advogados dos réus na operação lava jato? Temos Estados dentro de Estados, submundos dentro de culturas ditas artísticas, mas, que na verdade servem para lavar dinheiro tanto como no mega esquema de corrupção da Petrobras, também batizado de "petrolão".

     Será que ninguém sabe que o Estado não garante saúde, educação e segurança? Então porque acreditar que o governo iria bancar o carnaval? Será que ninguém sabia que os jogo do bicho é que banca a maior festa brasileira?O que é mais grave, um ditador corrupto patrocinando escolas de samba ou o ministro da justiça tentando constranger a justiça para que os corruptos escapem impunes?