Seguidores

Mostrando postagens com marcador exército. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador exército. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 25 de março de 2013

Governo federal inicia Exercício de Mobilização Nacional


Assessoria de Comunicação Social (Ascom) Ministério da Defesa


Brasília, 25/03/2013 – Com o objetivo de preparar os pontos 
estratégicos do país diante de um possível ataque às suas 
infraestruturas, o governo federal promoveu hoje 
o 1º Exercício de Mobilização Nacional. Concentrado no 
Ministério da Defesa, representantes de diversos 
ministérios, empresas estatais e agências reguladoras 
tomaram contato com as diretrizes de logística e preparação 
doutrinária com vistas à elaboração do planejamento das 
próximas etapas que culminarão, entre os dias 12 e 21 de 
novembro, na Operação Charrua, que reunirá cerca de 
10 mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica
na região Sul. Continue lendo no Blog Notícias Militares
clique no link amarelo >>>Postado por 

segunda-feira, 11 de março de 2013

Tenente Coronel é condenado há 4 anos de reclusão, por desvio de mantimentos


Desvio de 16 toneladas de carne. Coronel condenado a 4 anos de reclusão

Brasília, 5 de março de 2013 – O Superior Tribunal Militar (STM) condenou um tenente-coronel do Exército e um empresário por estelionato. Os dois forjaram notas fiscais e desviaram de um quartel do Exercito cerca de 16 toneladas de carne e outros gêneros alimentícios, que somaram prejuízos aos cofres público na ordem de 200 mil reais.

De acordo com denúncia do Ministério Público Militar (MPM), o Tenente Coronel O.S, entre 1999 e 2001, exercia a função de chefe do centro de operações de suprimento e era subcomandante do 3º Batalhão de Suprimento (3º B Sup), sediado na cidade de Nova Santa Rita (RS).

Ele centralizava a gerência das aquisições de suprimentos  adquiridos pelo quartel  e segundo os promotores, auxiliado por outros militares, tinham por hábito fazer liquidação de despesa sem que as mercadorias fossem entregues pelo civil M.S,  empresário que fornecia os gêneros ao Batalhão. Passava pelas mãos do oficial todo o recebimento de gêneros  recebidos pelo Exército de empresas vencedora das licitações, a exemplo de milhares de quilos de carne bovina e suína, creme vegetal, café torrado, arroz, feijão, farinha de mandioca e leite em pó, que seriam distribuídos a outros quartéis do Exército na região.

Ainda segundo a denúncia, a conduta do militar, em conluio com o dono da empresa,  possibilitou que as mercadorias, embora pagas, não fossem efetivamente recebidas pela unidade militar, acarretando a apropriação da diferença dos valores em favor dos acusados. A denúncia foi ofertada em setembro de 2003 contra os acusados e outros quatro militares.

No julgamento de primeira instância, na Auditoria de Porto Alegre, o tenente-coronel e o empresário foram absolvidos dos crimes de peculato e estelionato. Os juízes entenderam que o tenente-coronel O.S teria apenas cometido o crime de falsidade ideológica e o condenou à pena de um ano e três meses de prisão. Já o empresário e os demais militares foram absolvidos de todos os crimes. O MPM recorreu e pediu a condenação do tenente-coronel e do empresário pelos crimes de estelionato e peculato.

A analisar o recurso, a ministra Maria Elizabeth explicou que os acusados lançavam declarações falsas de recebimento de gêneros alimentícios de forma a possibilitar o indevido pagamento de valores, por liquidação antecipada, referentes a produtos não entregues, com a consequente apropriação do montante pecuniário. Em outra prática, atestavam e entregavam mercadorias em quantidade e qualidade inferiores à contratada pela Organização Militar.

“Incontestável o conluio dos corréus que, sistematicamente, causavam à Administração Militar um proposital descontrole fiscal. Valeu-se, o oficial, da desorganização da Unidade Militar onde servia, concentrando em suas mãos o efetivo controle do pagamento e do recebimento dos gêneros alimentícios, tendo, inclusive, destruído documentos para não deixar vestígios.”

Quanto ao civil, segundo a magistrada, não há dúvidas quanto ao seu envolvimento na fraude. “Atuou de má-fé, praticando atos ardilosos e enganosos, com o intuito de lesar o patrimônio público e ludibriar pessoas. Fraudou os contratos com a Administração no momento em que deixou de cumprir deveres e obrigações pactuadas”, afirmou a magistrada.

Em seu voto, a ministra acatou parcialmente o pedido do MPM e condenou o tenente-coronel à pena de cinco anos, dez meses e 16 dezesseis dias de reclusão, por incursão no art. 251 (estelionato) e o civil à pena de quatro anos e um mês de reclusão, também por estelionato. A condenação do oficial por falsidade ideológica na primeira instância foi mantida pelo Plenário do STM.

De Stm.jus

quinta-feira, 7 de março de 2013

Militares são presos suspeitos de negociar armas com quadrilhas de SP


Dois militares de Campinas (SP) foram presos, nesta quarta-feira (6), suspeitos de desviar armas e munição do Exército e vender o material de uso restrito a traficantes e quadrilhas de roubos a caixas eletrônicos. De acordo com o Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic) de São Paulo, o sargento e o soldado abasteciam bandos que atuavam em todo o interior do estado.
Segundo a polícia da capital, a polícia do Exército deu voz de prisão aos dois quando eles chegavam para trabalhar no 28º Batalhão de Infantaria Leve de Campinas. Na casa do sargento, os policiais encontraram grande quantidade de munição.
Durante as investigações, agentes do Deic acompanharam por um mês a ação dos militares junto aos criminosos. Em uma das transações, os suspeitos teriam vendido mil balas de fuzil para traficantes de Campinas.
Militares de Campinas são presos suspeitos de abastecer quadrilhas com armas (Foto: Reprodução / EPTV)
Militares receberam voz de prisão da polícia do
Exército em Campinas (Foto: Reprodução / EPTV)
Segundo a polícia, coma autorização da Justiça, foram interceptadas mensagens de texto do celular de um dos suspeitos. Em uma delas, ele oferece uma pistola nove milímetros e, em seguida, dá o preço: R$ 4,3 mil. “Só não se vendeu porque eles acabaram sendo presos antes dessa compra acontecer”, disse o delegado do Deic Antônio de Olim.
O general Tomás Miguel Ribeiro Paiva, comandante da 11ª brigada de infantaria leve, informou que o Exército abriu um processo interno de investigação para apurar, em paralelo, a suspeita de desvio de armas e munição da corporação.
“Nós vamos investigar se existe desvio de munição militar. Mesmo que seja um cartucho ou dois. É nossa obrigação abrir o inquérito de investigação militar. Houve uma quebra da ética militar, que enseja um julgamento no tribunal de ética e a expulsão dele. Ele não pode permanecer mais como militar, vestir a mesma farda”, disse.
O sargento foi indiciado por formação de quadrilha e porte de munição e vai ficar preso num quartel em Osasco. Já o soldado foi indiciado por formação de quadrilha e a polícia deve pedir a prisão temporária dele nesta quinta. Até que isso ocorra, ele permanecerá recolhido ao quartel.
Do G1 Campinas e Região

terça-feira, 29 de maio de 2012

PESQUISA RELEVA ENDIVIDAMENTO DOS MILITARES DO BRASIL

PESQUISA - MILITARES MUITO ENDIVIDADOS

MILITARES MUITO ENDIVIDADOS - PESQUISA REALIZADA PELO SITE SociedadeMilitar.com - ATIVA E RESERVA - PRINCIPAIS DADOS OBTIDOSPopulação considerada – Aprox. 288.000 Ativa e 290.000 Reserva e reformados.

Amostras:  

Ativa – 0,125% da população./ Reserva/reformados – 0,04% da população (0,0395%)

Obs. 1) As amostras, além de conter participantes de todas as forças em praticamente todos os estados da federação, representam, no caso dos militares da ativa, aproximadamente 0,12% da população total (de Aprox.288.000), um número bem expressivo. Para comparação, em São Paulo, onde a população de eleitores beira os 28.000.000, normalmente o IBOPE entrevista de 1000 a 1500 pessoas, somente cerca de 0,005% da população estudada. Para uma amostra similar a da revista elet. Sociedade Militar o IBOPE teria que entrevistar mais de 30.000 pessoas.

2) Dado o bom nível da amostra podemos acreditar que as conclusões refletem bem e com pouca margem de erro a situação da população em foco.


QUESITO APRESENTADO DADOS OBTIDOS

Escolaridade

30% dos entrevistados da reserva/ref. possuem nível superior.
39,6% dos entrevistados da ativa possuem nível superior.
30% das praças possuem nível superior.

Militares da ATIVA e a Casa própria

57,14% não possuem casa própria.
Militares da RES./REFORMADOS e a casa própria
69% Declararam que não possuem casa própria.
Militares próximos da aposentadoria e a casa própria
50,5% dos militares entrevistados que tem mais de 20 anos de serviço ainda não possuem casa própria.

Principal dívida militares da ATIVA

60% têm como principal dívida empréstimo(s) para quitar dívidas anteriores.

Principal dívida militares da RESERVA E REFORMADOS
73% dos militares da RESERVA OU REFORMADOS têm como principal dívida empréstimo(s) para quitar dívidas anteriores.

Condição de saldar suas dívidas mensais. (Militares da ATIVA)
20,44% dos entrevistados têm condição de quitar normalmente suas dívidas mensais.

73% declararam que mensalmente deixam de quitar alguma conta.

Condição de saldar suas dívidas mensais. (Militares. RES e REF.)

16% declararam que sempre têm condição de quitar normalmente suas dívidas mensais.
Mais de 80% normalmente não tem condições de quitar suas dívidas mensais.

Comprometimento da atividade militar por conta de problemas sociais, econom. e psicológicos decorrentes da condição financeira

81,2% dos entrevistados acham que acontece sempre ou eventualmente.

66,8% declararam que acontece sempre.
2,5% acham pouco provável ou que nunca acontece.

Comprometimento de renda mensal do pessoal da ativa

45,6% dos militares da ATIVA têm dívidas com emp. consignado e/ou cheque especial que ultrapassam 50% da renda mensal.

Comprometimento de renda mensal do pessoal da reserva e reformados.

58,2% dos militares da RESERVA OU REFORMADOS têm dívidas com emp. consignado e/ou cheque especial que ultrapassam 50% da renda mensal.

Tempo de serviço

2,2% dos entrevistados têm menos de 5 anos de serviço ativo.
46% dos entrevistados têm até 15 anos de serviço ativo.
46,6% dos entrevistados têm de 20 a 30 anos de serviço ativo.


a)  73% dos entrevistados da ATIVA e 77% da reserva/ref. deixam mensalmente de quitar pelo menos uma conta - Em pesquisa recente, divulgada pela Fecomercio-RJ recebemos a informação que a parcela de famílias residentes na Região Metropolitana do Rio de Janeiro com alguma conta fixa em atraso em janeiro ficou em 14,8%. Outra organização, a CNC (Confederação Nacional do Comercio de bens, serviços e turismo), apurou que em fevereiro de 2012 a parcela de consumidores com contas em atraso foi de 20,5%. Diante desses números percebe-se claramente que a percentagem de 75% de entrevistados deixando de quitar pelo menos uma conta é um número que destoa. Certamente fruto da perda contínua de poder aquisitivo da categoria em análise. Vide artigo http://montedo.blogspot.com/2012/03/sobre-remuneracao-dos-militares....

b) 45,6% dos entrevistados da ATIVA devem no cheque especial e/ou empréstimo consignado mais de 50% de seus pagamentos – A CNC divulgou dados em fevereiro de 2012 informando que o percentual médio de comprometimento de salário do brasileiro foi de 29,9%. Levando-se em consideração ainda que a CNC considerou em sua pesquisa o endividamento com Cheque pré-datado, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimos pessoal, prestações de carro e seguros mais uma vez percebe-se que a sociedade aqui estudada se encontra em situação economicamente bem pior já que consideramos somente cheque especial e consignado.

c) 60% dos entrevistados da ATIVA e 73% da res./ref. responderam que sua principal dívida é um empréstimo (s) para quitar dívidas anteriores acumuladas. Esse dado é dos mais preocupantes, diante da perda de poder aquisitivo a família militar tenta se recompor apelando para empréstimos, dívidas atrasadas com escola, casa própria e saúde são quitadas geralmente com empréstimos consignados, na esperança de que em um futuro próximo ocorra um reajuste salarial.
d)Mais da metade dos militares da reserva e reformados (69%)Declararam na pesquisa que não possuem casa própria.

e) Observa-se que a defasagem salarial parece ter alcançado primeiro e com mais força os militares da reserva e reformados.
Mais informações por meio do email socmilitar@gmail.comou rasrio@yahoo.com.br

Agradecimentos aos Blogs: montedo.blogspot.com, militar.com.br, aperoladomamore.net e militaresunidos.blogspot.com 

sábado, 12 de maio de 2012

FAB destroi pista clandestina em Roraima

Triângulo vermelho mostra local onde pista clandestina foi ataca por caças da FAB neste sábado (12) (Foto: Divulgação/FAB)

Dois caças Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB) bombardearam uma pista clandestina de pouso e decolagem no meio da selva amazônica, a cerca de 200 quilômetros de Boa Vista, às 12h deste sábado (12). A pista destruída tinha 280 metros de comprimento e 15 metros de largura.

Foram usadas quatro bombas para destruição da pista, que chegou a abrir crateras de aproximadamente 10 metros de diâmetro de largura e três metros de profundidade. O ponto exato do ataque da FAB foi identificado durante um sobrevoo feito em 11 de abril e registrado por imagens em infra-vermelhos.

A ação foi acompanhada em tempo real pelo Comando da Força Aérea na Operação Ágata 4, que está em Manaus. "Esta pista, que era usada pelo garimpo irregular e ajudava a causar danos ambientais naquela região. Agora está interditada. Nenhuma avião consegue pousar ali", disse o brigadeiro-do-ar Marcelo Kanitz Damasceno, comandante da FAB na operação, em nota.Continue lendo no G1

sexta-feira, 2 de março de 2012

Íntegra de novo manifesto de militares da reserva: “ELES QUE VENHAM. POR AQUI NÃO PASSARÃO!”

Este é um alerta à Nação brasileira, assinado por homens cuja existência foi marcada por servir à Pátria, tendo como guia o seu juramento de por ela, se preciso for, dar a própria vida. São homens que representam o Exército das gerações passadas e são os responsáveis pelos fundamentos em que se alicerça o Exército do presente.

 
Em uníssono, reafirmamos a validade do conteúdo do Manifesto publicado no site do Clube Militar, a partir do dia 16 de fevereiro próximo passado, e dele retirado, segundo o publicado em jornais de circulação nacional, por ordem do Ministro da Defesa, a quem não reconhecemos qualquer tipo de autoridade ou legitimidade para fazê-lo.
O Clube Militar é uma associação civil, não subordinada a quem quer que seja, a não ser a sua Diretoria, eleita por seu quadro social, tendo mais de cento e vinte anos de gloriosa existência. Anos de luta, determinação, conquistas, vitórias e de participação efetiva em casos relevantes da História Pátria.
 
A fundação do Clube, em si, constituiu-se em importante fato histórico, produzindo marcas sensíveis no contexto nacional, ação empreendida por homens determinados, gerada entre os episódios sócio-políticos e militares que marcaram o final do século XIX. Ao longo do tempo, foi partícipe de ocorrências importantes como a Abolição da Escravatura, a Proclamação da República, a questão do petróleo e a Contra-revolução de 1964, apenas para citar alguns.
 
O Clube Militar não se intimida e continuará atento e vigilante, propugnando comportamento ético para nossos homens públicos, envolvidos em chocantes escândalos em série, defendendo a dignidade dos militares, hoje ferida e constrangida com salários aviltados e cortes orçamentários, estes últimos impedindo que tenhamos Forças Armadas (FFAA) a altura da necessária Segurança Externa e do perfil político-estratégico que o País já ostenta. FFAA que se mostram, em recente pesquisa, como Instituição da mais alta confiabilidade do Povo brasileiro (pesquisa da Escola de Direito da FGV-SP).
 
O Clube Militar, sem sombra de dúvida, incorpora nossos valores, nossos ideais, e tem como um de seus objetivos defender, sempre, os interesses maiores da Pátria.
 
Assim, esta foi a finalidade precípua do manifesto supracitado que reconhece na aprovação da “Comissão da Verdade” ato inconseqüente de revanchismo explícito e de afronta à lei da Anistia com o beneplácito, inaceitável, do atual governo. 
 
Assinam, abaixo, os Oficiais Generais por ordem de antiguidade e os Oficiais superiores por ordem de adesão.
OFICIAIS GENERAIS 
Gen Gilberto Barbosa de Figueiredo

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

MILITARES REAFIRMAM CRÍTICAS A DILMA E AFRONTAM CELSO AMORIM



Em nota divulgada ontem, 98 militares da reserva reafirmaram recentes ataques feitos por clubes militares à presidente Dilma Rousseff e disseram não reconhecer autoridade no ministro da Defesa, Celso Amorim, para proibi-los de expressar opiniões. 

A nota, intitulada "Eles que Venham. Por Aqui Não Passarão", também ataca a Comissão da Verdade, que apontará, sem poder de punir, responsáveis por mortes, torturas e desaparecimentos na ditadura. Aprovada no ano passado, a comissão espera só a indicação dos membros para começar a funcionar.



"[A comissão é um] ato inconsequente de revanchismo explícito e de afronta à Lei da Anistia com o beneplácito, inaceitável, do atual governo", diz o texto, endossado por, entre outros, 13 generais. 

Apesar de fora da ativa, todos ainda devem, por lei, seguir a hierarquia das Forças, das quais Dilma e Amorim são os chefes máximos. 
O novo texto foi divulgado no site "A Verdade Sufocada", mantido pela mulher de Carlos Alberto Brilhante Ustra, coronel reformado do Exército e um dos que assinam o documento.
Ustra, ex-chefe do DOI-Codi (aparelho da repressão do Exército) em São Paulo, é acusado de torturar presos políticos na ditadura, motivo pelo qual é processado na Justiça. Ele nega os crimes. 
A atual nota reafirma o teor de outra, do último dia 16, na qual os clubes Militar, Naval e de Aeronáutica fizeram críticas a Dilma, dizendo que ela se afastava de seu papel de estadista ao não "expressar desacordo" sobre declarações recentes de auxiliares e do PT contra a ditadura. 

Após mal-estar e intervenção do Planalto, de Amorim e dos comandantes das Forças, os clubes tiveram de retirar o texto da internet. 
CRÍTICA A AMORIM 
"Em uníssono, reafirmamos a validade do conteúdo do manifesto do dia 16", afirma a nota de ontem, que lembra que o texto anterior foi tirado da internet "por ordem do ministro da Defesa, a quem não reconhecemos qualquer tipo de autoridade ou legitimidade para fazê-lo". 
Agora, os militares dizem que o "Clube Militar [da qual a maioria faz parte] não se intimida e continuará atento e vigilante". 

A primeira das três declarações que geraram a nota foi da ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos), para quem a Comissão da Verdade pode levar a punições, apesar da Lei da Anistia. 

Depois, Eleonora Menicucci (Mulheres) fez em discurso "críticas exacerbadas aos governos militares", segundo o texto. Já o PT, em uma resolução, disse que deveria priorizar o resgate de seu papel para o fim da ditadura. 



Fonte: Folha

Blog da Força Tática 

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Construindo a nossa cidadania: PSPC lançará candidato próprio a Presidência, vote 56

Desde de 1988, com a criação da nossa última Carta Magna, que os militares ficaram preteritos, (para não dizer discriminados) em vários aspectos, como na questão política, sem direito a filiação partidária, seja no comportamento, onde a categoria ainda não reconhece o assédio moral como crime (mesmo sendo “seguidora” dos Direitos Humanos), seja na liberadade de expressão, pois indicia os militares que se expressam.
Especialmente as forças armadas, muito mais até do que alguns militares estaduais, sofreram grande corte no orçamento, sendo determinante para a diminuição do contingente, diminiução do horário de funcionamento dos quartéis, e, sucateamento dos equipamentos.
Desde o fim da ditadura não tivemos candidato militar concorrendo, por exemplo, a presidência, o  que seria quase um afronta. Associar a imagem a essa categoria, seria suicídio eleitoral. Contudo, devido as constantes manifestações de policiais e militares, desde de 88, algumas culminando em greves e até morte. Porém a força eleitoral que o segmento chamado segurança pública agrega, com quase 10% do eleitorado, somados aos parentes é um fato. Aliado ao descaso dos sucessivos governos junto a categoria, somado ao despertar da cidadania em geral, e especialmente dos militares, surge a ideia de criação de um partido político, capaz de aglutinar militares, civis e interessados em combater a corrupção e ao velho modelo político brasileiro, eis que surge o PSPC – Partido da Segurança Pública e Cidadania.
Por enquanto estamos na fase de coleta de assinaturas, aumento dos diretórios pelo país. Com certeza, em 2014, estaremos lançando candidatos para os mais diversos cargos, inclusive para Presidência do Brasil. Sem medo ou vergonha de ser feliz. Essa geração de militares e civis que apoiam o projeto, não está associada ao passado, pois, queremos chegar ao poder pelo voto, única arma aceitável numa democracia.
Para os que duvidam, saibam que a única categoria que transita em todos os níveis sociais, do medingo ao médico, do advogado ao sem-terra, do aluno ao professor somos nós policiais militares estaduais. Por isso conhecemos os dois lados da moeda, dos bastidores do estado falacioso, as demandas de uma sociedade ávida por mudanças sociais. Bem vindo a cidadania, façam parte do PSPC, ajude a contruí-lo, ele é nosso: www.pspcbrasil.com.br ou www.pspcmg.com. Então VOTE 56.
Editorial do blog No Q.A.P
Por Marcelo Anastácio

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Militares da reserva criticam Dilma e ministras

Em sinalização de como os militares da reserva estão digerindo a instalação da Comissão da Verdade, presidentes dos três clubes militares publicaram um manifesto censurando a presidente Dilma Rousseff e atacaram as ministras dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, e da Secretaria das Mulheres, Eleonora Menicucci, por supostas críticas dirigidas à caserna. 

A carta, embora assinada por oficiais da reserva, traduz a insatisfação de militares da ativa, que são proibidos de se manifestarem. Eles se queixam de Maria do Rosário por supostamente estar questionando a Lei da Anistia e da titular da pasta das mulheres por "críticas exacerbadas aos governos militares". 

Os militares reclamam que Dilma, como comandante em chefe das Forças Armadas, deveria ter repreendido suas auxiliares, e não ter aplaudido o discurso de posse da nova ministra das mulheres, endossando suas palavras supostamente contra a categoria. "Os Clubes Militares expressam a preocupação com as manifestações de auxiliares da Presidente sem que ela, como a mandatária maior da nação, venha a público expressar desacordo", diz a nota. 

Ao se queixarem da postura da ministra Maria do Rosário, os militares citam que ela deu declarações na qual "mais uma vez asseverava a possibilidade de as partes que se considerassem ofendidas por fatos ocorridos nos governos militares pudessem ingressar com ações na Justiça, buscando a responsabilização criminal de agentes repressores, à semelhança ao que ocorre em países vizinhos". 

Na nota, os presidentes dos clubes Militar, Naval e da Aeronáutica reclamam de Maria do Rosário alegando que "mais uma vez esta autoridade da República sobrepunha sua opinião à recente decisão do STF", que rejeitou a revisão da Lei. "A Presidente não veio a público para contradizer a subordinada", criticaram. 

 

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Até 14 mil homens do Exército podem seguir para o Rio

Horas antes da greve, Estado fechou acordo com a União; tamanho de adesão ao movimento definirá uso de soldados ou Força Nacional
PEDRO DANTAS / RIO - O Estado de S.Paulo

Horas antes de a greve fluminense ser deflagrada, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o comandante do Comando Militar do Leste, general do Exército Adriano Pereira, e o governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB) firmaram no Palácio Guanabara um plano para atuação dos militares em caso de paralisação. No caso de pequena adesão, a Força Nacional de Segurança será mobilizada – 300 homens estão de prontidão. Caso o número de manifestantes seja maior, o governador do Rio planeja solicitar auxílio ao Ministério da Defesa, que poderá coordenar uma operação de Garantia da Lei da Ordem (GLO) - com até 14 mil homens, segundo o secretário de Defesa Civil do Rio, Sérgio Simões.

O Exército colocou à disposição do governo do Rio as tropas de pronto emprego da Brigada de Infantaria Paraquedista, para intervenções imediatas. A Polícia do Exército ficará responsável pelo policiamento ostensivo. "O número de homens depende do cenário. Todos os que forem necessários serão encaminhados pelo governo federal", disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Para a ação na Bahia, foram mobilizados 4.500 homens do Exército.

A 25.ª e a 26.ª Brigadas de Infantaria Paraquedista já realizaram intervenções na segurança pública do Rio diversas vezes, como em uma greve de caminhoneiros, em 1986, ou no patrulhamento do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro, em 2011. As tropas de pronto emprego da Brigada Paraquedista são compostas por militares com larga experiência em operações de Garantia da Lei e da Ordem, incluindo a participação na missão das Nações Unidas para estabilização do Haiti.

O patrulhamento das ruas da cidade é a maior preocupação da cúpula da segurança fluminense. 

Em diversas assembleias e reuniões, os grevistas afirmaram aos colegas que o movimento do Rio seria diferente do deflagrado na Bahia, onde os PMs ocuparam a Assembleia Legislativa. A intenção dos grevistas fluminenses seria fazer uma greve de aquartelamento sem ocupações.
Segundo líderes grevistas, as tropas especializadas, como o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o Batalhão de Choque e os policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), também ficariam nos quartéis e sairiam às ruas apenas em caso de tiroteio em favelas, situações com reféns e distúrbios de rua.

Ontem, o presidente da Associação dos Oficiais Militares, coronel da PM Fernando Belo, afirmou que não apoia a greve, mesmo não concordando com o aumento oferecido pelo governo do Rio.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis, comissário Fernando Bandeira, afirmou que a categoria se comprometeu a manter 30% do efetivo em operação para atender a casos de flagrantes, homicídios e remoção de cadáveres. Comissários, detetives e peritos não contam com a adesão dos

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

"Conheci o Sd Marco Prisco, um líder convicto!"

* José Luiz Barbosa 

Conheci o Sd PM Marco Prisco nos idos de 2002, ou o então ex-soldado, pois já fora demitido dos quadros da Polícia Militar da Bahia, pela sua destacada, corajosa e ousada participação no movimento dos praças da Polícia Militar em 2001, e cuja história deveria ser contada para todos os praças ( soldado, cabo, sargentos, e subtenentes) brasileiros, para que saibam que lutar é a única resposta possível para erradicar os abusos, injustiças, ilegalidades, arbitrariedades,  e humilhações a que são submetidos por não terem minimamente respeitado seus direitos de cidadania e sua dignidade, como profissionais e cidadãos.

Me chamou atenção, tamanho os absurdos sofridos pelo Sd Prisco, após o movimento dos praças bahianos, mas ainda sim não havia se demitido da luta, porque estava estampado em sua face, o sentimento mais profundo de indignação e revolta por haver sentido na pele, na família, e em sua dignidade humana, todo tipo de tortura psicológica,  tratamento desumano, degradante e vexatório, que o poder estatal e político podem inflingir a um cidadão, policial militar e chefe de família, por lutar pelo direito básico e fundamental à dignidade profissional e salarial, e por expressar pelos meios de que dispõe sua insatisfação e descontentamento com sua valorização, já que não há e nem nunca houve nenhum canal de discussão e negociação com o governo nem com o comando da instituição, que vive de joelhos para o governador.

Mas o que quero ressaltar e relembrar, é que testemunhei, que nem passando fome, se valendo da caridade alheia, dormindo de favor, e andando de carona muitas vezes, jamais abandonou ou desanimou de perseguir lutando, e esteve presente em momentos importantes da luta de muitos outros companheiros de outros estados, até os mais longiquos, em que se travavam batalhas pelo mesmo direito, o de exercer a cidadania política e reivindicar melhores salários e condições de trabalho.  

Mas ao que parece, os metódos e estratégias políticas, antes condenadas pelo petista Jacques Wagner, governador da Bahia, e diria até pelo PT, são ressucitadas dos porões do terror com armas que vão desde a criminalização de movimentos e lideranças, até a difusão inverídica de propaganda ideológica e política com o único objetivo de linchar moralmente e aniquilar com a dignidade dos que ousam levantar sua voz para lutar e defender direitos, que são  negados por sucessivos governos com a covarde e muda anuência de parlamentares estaduais e federais, que foram eleitos para representar o cidadão, e entre estes os policiais e bombeiros militares.

Preferem como sempre o uso da força e do poder de repressão para amordarçar e enquadrar os "recalcitrantes", diga-se policiais e bombeiros militares, cidadãos cujos direitos políticos e civis, são limitados e restringidos, com repercussão e efeitos no exercício do direito de expressar sua opinião e pensamentos, que é reconhecimendamente um princípio consagrado para e pelo estado democrático de direito, com fundamento no livre exercício da cidadania, que deveria ser garantido pelo estado.

Devemos neste momento dedicar especial atenção e mobilizar toda rede da blogosfera para dar ampla publicidade e divulgação ao movimento dos policiais e bombeiros militares bahianos, prestando-lhe apoio e solidariedade e encaminhando pedidos aos parlamentares da Baia para que exerçam seu papel de representar os interesses da segurança pública e pressionem o governador para que abra o canal de negociação e dialógo, como o caminho natural e pacifíco de ser resolver controvérsias, ainda mais se a outra parte está apresentando uma justa e legitíma reivindicação.

E para concluir, conheço bem o Sd MARCO PRISCO, e posso afirmar com absoluta certeza, jamais se acovardará ou se intimidará, e se ganhou status de liderança do movimento, o melhor que o governo e o comando devem fazer é dialogar e negociar, porque a legitimidade para exercer a liderança do movimento lhe foi outorgada pelos próprios policiais e bombeiros militares, que com o resultado de negociações de movimentos passados, se viram vendidos, traídos e aviltados por lideranças, e o pior também praças, que diziam representar seus interesses.   

A convicção e a firmeza de propósito, são características inerentes ao Sd Marco Prisco, daí a crença no que defende, e sua fé inabalável na luta pela cidadania que contagia e move os que assim como ele, sabem que não há conquista sem luta . 

Presidente da Associação Mineira de Defesa e Promoção da Cidadania e Dignidade, bacharel em direito, ativista de direitos humanos e garantias fundamentais, Sgt PM / MG.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Homens do Exército e da BM são presos ao fazer segurança irregular

Militares estavam com pistola e arma de brinquedo em um clube de Tramandaí

Correio do Povo

A Brigada Militar (BM) prendeu um soldado do exército e um policial militar que realizavam a segurança, de forma irregular, em clube na praia de Tramandaí, no Litoral Norte. A prisão ocorreu na noite dessa sexta-feira na avenida Fernandes Bastos. Com eles, a BM apreendeu uma pistola com numeração raspada e uma réplica de plástico.Continue lendo no Blog Notícias Militares:>>>>>>>>

sábado, 31 de dezembro de 2011

Militar brasileiro morre em acidente na força de paz no Haiti

Um militar brasileiro que integrava a Missão da ONU para Estabilização do Haiti (Minustah) morreu no final da tarde de sábado (30) em um acidente de carro quando deixava a base do Batalhão 2 do Brasil, localizado na capital do Haiti, Porto Príncipe.

Segundo o tenente-coronel Sérgio Lamelas, relações-públicas do batalhão, o soldado Diego Mendes dos Santos, de 22 anos, fazia a segurança de um jipe militar que deixava a base quando teria se desequilibrado e caído do veículo de uma altura de cerca de 1,5 metro, batendo a cabeça no chão.

Apenas um intérprete haitiano o acompanhava naquele momento, pois ele estava na parte de trás do jipe. Ele não estava usando capacete balístico, diz o oficial, mas portava um fuzil.

“O soldado foi levado para o Hospital Militar da Argentina que integra a missão da ONU, onde foi socorrido. Mas morreu, possivelmente de traumatismo craniano”, afirmou o coronel ao G1.Continue lendo, click aqui:>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Advogado de Nem defende no STF oficial do Exército

Ameaçado de expulsão pela OAB, o advogado de “Nem” Luiz Carlos Cavalcanti Azenha – preso com o traficante na fuga – defende no Supremo um oficial do Exército acusado de ordenar a entrega de três jovens de uma favela do centro do Rio aos traficantes. Morreram, claro.

Coluna do Cláudio Humberto
Jornal do Brasil

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Oficiais do Exército podem ser condenados por desvio de verbas de hospital

Rio - Um grupo de 12 oficiais do Exército poderão pegar de três a 15 anos de prisão caso sejam considerados culpados do desvio de R$ 2 milhões no Hospital Central do Exército, entre os anos de 1994 e 1996. A Procuradoria de Justiça Militar do Rio pediu nesta quinta-feira ao Conselho Especial a condenação de oito coronéis, dois tenente-coronéis e dois capitães.
O inquérito indica que os acusados fraudaram licitações, supostamente para quitar dívidas com fornecedores, superfaturaram os valores de produtos e emitiram notas de empenho referentes a quantidades e tipos de produtos que não entraram no estoque do hospital.
O Inquérito Policial Militar (IPM), instaurado em 1997, confirmou as irregularidades e constatou movimentações suspeitas de dinheiro por parte dos acusados. Um deles teria movimentado mais de R$ 500 mil em dois anos. Em juízo, os oficiais negaram a participação no esquema, mas dez dos 12 admitiram haver irregularidades no HCE.
Blog Militar Legal

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Soldado do Exército morre durante treinamento em Ponta Grossa (PR)

O soldado Rafael Gomes Ferreira, 19, morreu nesta quinta-feira (6) durante treinamento do 13º Batalhão de Infantaria Blindada (BIB), em Ponta Grossa (cidade a 120 km de Curitiba). As circunstâncias da morte ainda precisam ser esclarecidas. Um inquérito militar seria aberto para apurar o que aconteceu.

Rafael participava da travessia de um córrego, junto com outro soldado, em um campo de treinamento do Exército, em Ponta Grossa. O soldado perdeu os sentidos e morreu. Cerca de cem pessoas participavam do exercício militar.
O corpo do rapaz, que estudava para se tornar cabo e havia ingressado na corporação em março deste ano, foi levado ao IML (Instituto Médico Legal) de Ponta Grossa.

Funcionários do IML confirmaram a identidade do soldado, mas disseram ao UOL Notíciasque não podiam prestar informações à imprensa por telefone. O corpo do jovem permanece no instituto.

Familiares providenciavam a documentação para liberar o corpo e não foram encontrados no local.

A reportagem tentou contato com o setor de relações públicas do 13º BIB no começo da noite, mas os soldados de serviço na guarda do quartel informaram que o expediente já havia sido encerrado.
 
Dimitri do Valle

Especial para o UOL Notícias
Em Curitiba
Blog do Lomeu