Seguidores

Mostrando postagens com marcador fronteira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fronteira. Mostrar todas as postagens

domingo, 11 de maio de 2014

Forças Armadas iniciam operação com 30 mil militares para patrulhar fronteiras

As Forças Armadas brasileiras iniciaram hoje (10) a Operação Ágata 8, com o objetivo de combater crimes e irregularidades na fronteira brasileira. Este ano, em função da Copa do Mundo, a ação vai abranger toda a extensão da fronteira, que tem 16,8 mil quilômetros. O mesmo aconteceu em 2013, em função da visita do papa Francisco e da realização da Copa das Confederações. Nas seis primeiras edições, nos anos de 2011 e 2012, a operação patrulhou somente pontos estratégicos.
Para dar conta do patrulhamento, cerca de 30 mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica foram destacados. Além desse contingente, participarão agentes da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar dos estados envolvidos. Também vão colaborar profissionais da Receita Federal e de agências governamentais como a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Eles estarão atentos aos principais crimes fronteiriços, como tráfico de drogas e armas, contrabando, crimes ambientais e imigração, além de garimpo ilegais, por exemplo.
De acordo com a assessoria de comunicação do Ministério da Defesa, o posicionamento das tropas para início da Ágata 8 começou na última semana e a ação foi oficialmente deflagrada às 8h de hoje. Ainda segundo a assessoria, não há prazo para o fim da movimentação, já que isso dependerá dos desdobramentos da fiscalização. No entanto, ao fim será divulgado um balanço.
A Operação Ágata 8 é parte do Plano Estratégico de Fronteiras, criado pela presidenta Dilma Roussseff em 2011. Antes da deflagração, o governo brasileiro manteve contato com os dez países vizinhos para repasse de informações sobre o emprego do aparato militar. A operação está sob comando do ministro da Defesa, Celso Amorim, e do general José Carlos De Nardi, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Fronteira escancarada: o crime em seu 'direito' de ir e vir!


Novamente noticiários estão a mostrar ataques de facções criminosas e outros bandidos no Estado de Santa Catarina, em face de agentes do Estado e cidadãos comuns, bens e serviços públicos e privados.
Os ataques promovidos por facções e criminosos em São Paulo são recorrentes.
Ações de milícias e traficantes no Rio de Janeiro servem de cenários inclusive de novelas e filmes.
A droga e seus males estão a aniquilar milhares de lares, famílias e vidas, direta ou indiretamente (como em assaltos, estupros, etc, com o criminoso sobre efeito de drogas), em todo território nacional.
Ocorre que, não adianta essa conversa de desarmamento da população, muito menos a demagogia de que tem que ‘prender o grande traficante’, se incontável número de armas e munições, bem como toneladas de drogas, entram livremente - dia e noite - em nosso país de extensão continental!

A política de segurança voltada para os milhares de quilômetros de fronteira do Brasil com países como Paraguai, Bolívia, Colômbia, Peru, Venezuela e Guianas (para se citar os mais conhecidos pela ‘entrada de armas e drogas’), sem pessoal e estrutura eficientes, é praticamente zero.

Sim, pois não adianta mostrar sempre a famosa ‘ponte da amizade’ (entre Paraguai e Brasil, que liga Foz do Iguaçu-PR a Ciudad del Este-PY), como se todo acesso do Brasil a seus vizinhos (e vice-versa) fosse realizado mediante ponte e, o mais fora do comum, mediante barreiras de fiscalização.

Postarei os seguintes vídeos para mostrar como, por exemplo, é constituída a maior parte da fronteira nacional, colocando como exemplo, um trecho entre Brasil com o Paraguai, entre as cidades de Ponta Pora-MS e Pedro Juan Caballero-PY (quem é da região poderá até achar que não há novidade alguma…mas tenha certeza que boa parte da população nacional não tem a minima idéia de como seja, acreditando que hajam cancelas, postos da polícia e forças armadas, cercas, etc).

No primeiro video, há uma pequena amostra de como se pode inclusive confundir onde é Brasil e onde é Paraguai.

Verá que do lado direito do video, está a cidade de Ponta Porã-MS…e o video caminha para a esquerda…chegando a uma rotatória.

Pois é…essa rua que no video aparece quase na vertical e cruza a rotatória divide Brasil e Paraguai.

Assim, tudo que está a esquerda da rotatória no video é Paraguai.

Veja video 01:





Viu como parece apenas uma filmagem de um trecho de um centro de uma cidade qualquer do país?

E reparou como há carros, motos e pedestres a passar de um lado para outro, tranquilamente?

Olhe esse outro vídeo (vídeo 02):




É assim!

Agora colocarei o video 03, em que ao lado esquerdo da estrada é Paraguai e da estrada para direita é Brasil!

Repare que, quase ao final do video há um ‘marco’ de cor branca, que parece uma coluna isolada de concreto, pintado de cor branca, ao lado esquerdo da estrada: é um marco a dizer que do lado esquerdo daquele sinal é Paraguai!

É assim!

(não vou nem falar para passar o video mais devagar para ver o motociclista a esquerda passando sem capacete na estrada no lado paraguaio e um casal com um filhinho sem capacete tuchado no meio aos braços da mulher, na area brasileira…)

Veja video 03:




Agora, com essa bagunça toda, alguém acha que armas e drogas entram no Brasil como?

E os carros roubados vão para onde?

Depois vem à mente aqueles ditados do caboclo de ‘estamos a enxugar gelo’ ou ‘estamos a secar o chão sem fechar a torneira’ e especialistas da segurança, politicos e juristas acham ruim!

Acorda Brasil!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Militar na fronteira vive com comida racionada e luz por apenas 9 horas


exercito_infografico_versao13agosto_300 (Foto: Editoria de Arte/G1)
A vida em um destacamento militar nas fronteiras do país não é fácil: horas de luz são cronometradas, e a comida é racionada quando o avião que leva mantimentos uma vez por mês não pousa no dia marcado. Apesar do adicional de 20% sobre o soldo base, quem aceita trabalhar nessas regiões enfrenta dificuldades de transporte e de comunicação, tendo que suportar a incômoda distância da “civilização” e dos familiares.

G1 publica, ao longo da semana, uma série de reportagens sobre a situação do Exército brasileiro quatro anos após o lançamento da Estratégia Nacional de Defesa (END), decreto assinado pelo ex-presidente Lula que prevê o reequipamento das Forças Armadas. Foram ouvidos oficiais e praças das mais diversas patentes - da ativa e da reserva -, além de historiadores, professores e especialistas em segurança e defesa. O balanço mostra o que está previsto e o que já foi feito em relação a fronteiras, defesa cibernética, artilharia antiaérea, proteção da Amazônia, defesa de estruturas estratégicas, ações de segurança pública, desenvolvimento de mísseis, atuação em missões de paz, ações antiterrorismo, entre outros pontos considerados fundamentais pelos militares.

Ao contrário dos soldados que se alistam para uma missão de paz, como no caso do Haiti, onde o Brasil construiu uma base com academia, ar-condicionado e rede de internet sem fio, os pelotões de fronteira são carentes de infraestrutura básica, como redes de esgoto, água e energia. Carros e barcos usados no dia a dia estão defasados. Os militares criam porcos para comer em caso de necessidade.

“A maior dificuldade aqui é termos apenas nove horas de energia. O material que precisamos é trazido uma vez por mês, em avião da FAB. Sabemos quando deve vir porque nos perguntam, uma semana antes, o que precisamos. Daí ficamos esperando. Não tem data prevista. Um vez o avião atrasou dois meses e tivemos que fazer racionamento”, conta o tenente Renzo Silva, de 23 anos, subcomandante do Pelotão Especial de Fronteira (PEF) de Bomfim - na fronteira de Roraima com a Guiana -, que comandou, por um ano, o PEF na unidade indígena de Auaris - na divisa de Roraima com a Venezuela.CONTINUE LENDO NO G1

sábado, 12 de maio de 2012

FAB destroi pista clandestina em Roraima

Triângulo vermelho mostra local onde pista clandestina foi ataca por caças da FAB neste sábado (12) (Foto: Divulgação/FAB)

Dois caças Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB) bombardearam uma pista clandestina de pouso e decolagem no meio da selva amazônica, a cerca de 200 quilômetros de Boa Vista, às 12h deste sábado (12). A pista destruída tinha 280 metros de comprimento e 15 metros de largura.

Foram usadas quatro bombas para destruição da pista, que chegou a abrir crateras de aproximadamente 10 metros de diâmetro de largura e três metros de profundidade. O ponto exato do ataque da FAB foi identificado durante um sobrevoo feito em 11 de abril e registrado por imagens em infra-vermelhos.

A ação foi acompanhada em tempo real pelo Comando da Força Aérea na Operação Ágata 4, que está em Manaus. "Esta pista, que era usada pelo garimpo irregular e ajudava a causar danos ambientais naquela região. Agora está interditada. Nenhuma avião consegue pousar ali", disse o brigadeiro-do-ar Marcelo Kanitz Damasceno, comandante da FAB na operação, em nota.Continue lendo no G1

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Bandidos assaltam carro forte em Fronteira

Um carro forte foi assaltado na tarde desta segunda-feira (26) em Fronteira. Segundo a Polícia Militar, os bandidos levaram aproximadamente R$100 mil em dinheiro. Ainda de acordo com a PM, durante a ação os sete ladrões atiraram no motorista do veículo, que foi levado para um hospital de São José do Rio Preto. A polícia faz bloqueio na região para localizar os assaltantes.