Seguidores

Mostrando postagens com marcador violencia urbana. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador violencia urbana. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 29 de abril de 2014

NO BRASIL MENOS DE 10% DOS CRIMES SÃO ESCLARECIDOS

CLIQUE E ASSISTA NO JORNAL DA GLOBO

MAPA DA VIOLÊNCIA - O mapa da violência no Brasil faz uma comparação chocante. Em 2011, último ano com informações disponíveis, foram assassinadas 52.198 pessoas no país. São números de guerra. De 2008 a 2011, foram 206 mil, quase o mesmo número de vítimas dos 62 maiores conflitos do planeta nos últimos quatro anos. A fonte é o Mapa da Violência 2013, elaborado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latinoamericanos. As primeiras horas são as mais importantes para a polícia desvendar um crime. Os investigadores costumam dizer que a cena do crime fala, desde que ninguém destrua as evidências: relatos de testemunhas, a posição do corpo, as cápsulas das balas disparadas, impressões digitais e marcas no chão. Por isso, o local precisa ficar isolado até ser analisado por peritos bem treinados e equipados. Todo mundo já viu isso em filmes policiais. Mas o que acontece nas ruas brasileiras é bem diferente.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

A verdade que a mídia não mostra – Parte II (o que a imprensa esconde...)


Assista o vídeo acima e o de baixo e compare a diferença do enfoque na manifestação acima e na que foi veiculada pela grande mídia. Parece que foram duas manifestações distintas...a reportagem não entrevistou sequer um manifestante...compare:
Clique aqui no Jornal Hoje
Veja o que a imprensa escondeu. A manifestação apoiou os policiais e foi contra o governador Agnelo Queiroz



Pelo menos 800 pessoas se solidarizaram aos familiares do jovem Leonardo Monteiro Almeida e protestaram em frente a residência oficial do governador do DF, Agnelo Queiroz, para cobrar responsabilidade e segurança, depois da morte do jovem assassinado na porta de casa no bairro de Águas Claras.

Os manifestantes gritavam palavras de ordem como"Onde estava a polícia quando o Leonardo morreu?"e outro coro também se formava defendendo os policiais e sua atuação policial, "A polícia também é vítima dos governantes", diziam. Várias faixas de desagravo ao governador Agnelo foram expostas, numa clara demonstração de que a sociedade já não tolera mais as enganações de quem sejam os co-responsáveis pelo caos na segurança pública. 

Vários policiais amigos do jovem também compareceram e muitos até se emocionaram, sem conterem suas lágrimas.

Nos últimos dias a Polícia Militar e policiais foram duramente criticados, execrados á público e “julgados” por parte da imprensa, que utilizando seu poder midiático vem tentado jogar a sociedade contra esses profissionais respeitados e pais de família, afirmando que policiais estavam comemorando em redes sociais os altos índices de criminalidade alcançados em Brasília. Mais uma irresponsabilidade plantada pela mídia. Alguns foram até expostos sem nenhuma autorização atropelando todo um processo legal e sigiloso e com a conivência de colaboradores inescrupulosos e que não querem o bem da sociedade, onde a única coisa que lhes interessa é a sua conveniência, e se for financeira, melhor ainda.  

A manifestação se encerrou por volta de meio-dia e ao contrário do que alguns segmentos da imprensa, que comprados e prostituídos, salvo melhor juízo, tentam impor à sociedade, como formadores de opinião, uma imagem suja dos integrantes da polícia. Porém essa sociedade atual, moderna e atualizada, sabe o quanto os policiais são importantes em suas vidas e no seu dia-a-dia. Não é um ato isolado e irresponsável que será capaz de manchar toda uma estrutura construída há séculos.

Ao término, a PM colocou ônibus à disposição da população que participou da manifestação demonstrando um gesto nobre daqueles que doam suas vidas pela sociedade e que, infelizmente, hoje são massacrados por alguns formadores de opinião que servem ao dinheiro, dinheiro esse sujo, imundo e vindo dos mais fétidos calabouços espalhados pela nossa cidade, alguns,  acompanhando a modernidade, compostos até mesmo de ar condicionado.