Seguidores

Mostrando postagens com marcador Candidato. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Candidato. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

BRASIL PRECISA LANÇAR UM CANDIDATO MILITAR À PRESIDÊNCIA

     Por MARCELO ANASTÁCIO - BLOG NO Q.A.P  

 Há tempos vemos os desmandos na pátria amada, constantemente desonrada. Rimou, mas, foi sem nenhuma pretensão poética. Os civis no poder provaram que não conseguem vencer tanta corrupção, tanta obra  superfaturada, tanto descaso com o povo brasileiro, tanta violência, falta de regras e limites. Na verdade não existe governo perfeito, isso é utópico, mas, será que um governo militar seria mais corrupto que os da atualidade?

  Já vimos muita lama, gente incompetente com poder demais, sem saber o que efetivamente vai fazer, titubeando nas tomadas de decisões, submissos completamente a especulação, por exemplo. Paralelamente, vemos vários segmentos amadurecendo como os militares estaduais e federais, os funcionários públicos federais, professores e que estão a deriva buscando sentido para tanto abandono para suas respectivas carreiras. Neste sentido, usando o discurso clichê do ídolo nacional "Tiririca", por quê não apostarmos num candidato militar à presidência da república? "Pior que tá num fica"... Obviamente alguns torcem o nariz para a ideia, contudo, bem diferente do passado, os militares precisam participar do jogo "democrático", assim como os terroristas e ladrões de banco puderam, alçando o posto máximo da república, por quê temos que ficar com esse complexo da ditadura, nos amordaçando política e moralmente até hoje? A geração que lutou contra a luta armada no Brasil, já está no mínimo aposentada, outros já morreram, e os que estão vivos com certeza não participaram da ditadura militar.

    Por isso temos que lançar ao menos um candidato militar para a presidência do Brasil, seja General Heleno, seja o Bolsonaro, seja algum militar de outra força ou policial militar, o que não podemos é ficar resmungando, reclamando, fazendo protesto, que na maioria das vezes sequer tem a devida cobertura da imprensa, por questões óbvias. Aglutinar os votos da família militar é mais fácil que aturar Dilma e sua cúpula. 

   Os motivos não seriam apenas salariais, mas, as reformas de base que foram tão prometidas por FHC e Lula e que nunca saíram do papel. E para aqueles que disseram sobre a ditadura o argumento é mais fácil ainda: "- Não queremos entrar pela porta dos fundos, queremos entrar pelo voto. Se os políticos civis ignoram nossa categoria, também temos que fazer o mesmo quando formos as urnas".

    Qualquer coisa ou ato fora disso é proselitismo (embromação) política, dissimulação, rodeio e engodo. Pensar na família militar é votar em militar, é apoiar militar, é se candidatar sendo militar. Só conhece a nossa realidade quem vive nela, o resto é teoria, é sofismo e a tentativa de fazer da família militar uma escada eleitoral.

     MARCELO ANASTÁCIO - BLOG NO Q.A.P

sábado, 8 de setembro de 2012

Candidatos militares x financiamento de campanha

     Por Marcelo Anastácio - Blog No Q.A.P

     A chamada democracia brasileira pode ser posta em dúvida já na essência, pois, se o modelo tem como base a participação popular através do sufrágio universal, mais conhecido como voto, a obrigatoriedade deste já começa ruir o argumento de Estado democrático, pois, se sou obrigado, não há democracia no ato. O segundo ponto controverso são os financiamentos de campanha. Como dizer se as igualdades nas chances de candidatos pobres e ricos serem eleitos? Uns declaram mais do que vão receber de salários, se eleitos forem, enquanto a grande maioria vive a benevolência, do voto amigo, da simpatia. E ninguém é tão carismático assim que consiga, por exemplo, 40 mil votos numa campanha para deputado. Num país onde dentadura, caminhão de terra, saco de arroz são moedas de troca pelo voto, temos um quadro bem difícil pela igualdade democrática.  

    Vejam os policiais e militares de todo o Brasil, a maioria amadurecidos, colocando seus nomes visando representação política, como forma, de num segundo momento buscar melhorias que vão desde a regulamentação da carga horária, passando pelo reconhecimento (tão óbvio), de direitos trabalhistas como o pagamento da periculosidade/insalubridade, questão judicial na mudança de leis que podem minorar o desgaste no trabalho. Mas, sinceramente, é possível um candidato sem dinheiro pra fazer campanha ter a mesma chance de ser eleito do que aquele que tem capital?

    Apesar da dificuldade óbvia, a falta de recursos, ainda existe uma luz no fim do túnel, cuja opção parece simples, mas esbarra do ego, daí a torna mais difícil e complexa de ser aceita: colocar os todos os candidatos militares num único partido. Afinal, se os votos não servirem pra um, servirá para o outro e assim sucessivamente. É claro, nesta chapa não poderá haver nenhum candidato muito mais capitalizado do que o outro, nem candidato civil. A chapa deve ser composta só de militares, principalmente aqueles que querem fazer campanha de fato. Os aventureiros, os que pegam apenas os três meses para campanha, estes devem ser banidos.

     Somente com esse nível de organização é que teremos chances reais, de minimizar o impacto pela falta de recursos para o financiamento de campanha, até que surja um avatar  e consiga aprovar o financiamento público de campanha, dando a todos as mesmas possibilidades financeiras de concorrer nas eleições. Caso contrário, um candidato militar vai pra direita, outro pra esquerda, outro nem sabe o que é o centro, e estamos reproduzindo esse sistema injusto, onde até hoje somos cavalos eleitorais, que municiam as urnas para os candidatos civis, que têm recursos, que tem promessas, mas que de longe desconhecem a realidade da caserna nossa de cada dia. Militar que vota em candidato civil, não militar...é qualquer coisa, menos militar...

         Por Marcelo Anastácio - Blog No Q.A.P

     

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

VOTE EM NOVAS LIDERANÇAS CABOS E SOLDADOS, ESQUEÇA QUEM ESQUECEU DE VOCÊS...


Senhor Deputado, não quero levar a crer que com essa fala vossa excelência quer que os CABOS E SOLDADOS esperem mais 229 anos para que seja revisto a situação de promoção dos mesmo. Seria um tanto quanto injusto e surreal.



Ao ler sobre o pronunciamento do Excelentíssimo Dep. Sargento Rodrigues em seu site pessoal, pude ver que o quão inoportuno está a visão deste legislador para com o projeto a ser enviado ao governador em relação a promoção dos Cabos e Soldados de nossa Bicentenária PMMG. Mas não era somente ele, pois estavam com ele os presidentes das entidade de classe, CSCS, ASPRA, AOPM, COPM e UMMG e também o Comandante Geral que elaboraram um projeto para enviar para o nosso Governador Anastasia. O mais incrível é que estavam os Presidentes do CSCS e ASPRA que defendem a classe CB e SD, mas o mais revoltante é o presidente do CSCS que é o SENHOR responsável pela defesa dos interesses dos CABOS E SOLDADOS não ser contra nenhum tipo de reforma no sentido de melhorar a promoção de CB e SD. Quero dissertar sobre alguns pontos da nota de esclarecimento. Vejamos.
A) "É preciso esclarecer que, desde de 2008, estamos trabalhando para fazer a correção do modelo das promoções dessas graduações e postos, em face dos problemas gerados com o advento da Lei Complementar 95/2007". SGT RODRIGUES

Sabemos nós eleitores do célere andamento sobre a elaboração de um projeto de lei para beneficiar uma classe, mas senhor Deputado, levar 4 anos para fazer "correções na lei" é um tempo muito extenso.
B) "Em relação aos questionamentos de alguns cabos e soldados, que alegam não terem sido contemplados nesse projeto, esclareço que não há razão para INSATISFAÇÕES. Não haveria como contemplá-los, uma vez que o objetivo desta proposta é corrigir as distorções existentes nas promoções dos 1º Sargentos e dos Majores."  SGT RODRIGUES CONTINUE LENDO NO BLOG DA RENATA

domingo, 29 de julho de 2012

PM candidato a vereador é assassinado com três tiros

O sargento da Polícia Militar e candidato a vereador Marcelo Rodrigues dos Santos, conhecido como Marcelo Coelho, de 40 anos, foi assassinado, na tarde deste sábado, com três tiros na cabeça, dentro do bar dele, em Magé, interior do Rio.

Segundo policiais do 34º BPM (Magé), Coelho jogava baralho com o irmão e amigos quando foi atingido. Um homem estacionou um Palio vermelho do outro lado da rua, caminhou até o bar e disparou os tiros pelas costas da vítima. O irmão ainda teria tentado ir atrás do criminoso, mas ele conseguiu fugir no veículo.

Marcelo Coelho estava lotado no 22° BPM (Maré) e era candidato a vereador em Magé pelo Partido Social Liberal (PSL). Os policiais de Magé, onde o sargento já trabalhou, não sabem o motivo do crime. O registro do caso foi feito na 66ª DP (Magé).

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Cabo Fernando do Blog reafirma sua candidatura ao Centro Social, ex-centro social de cabos e soldados

ATUAL DIRETORIA DO CSCS ESTÃO ATIRANDO PARA TUDO QUANTO É LADO POIS NÃO QUEREM LARGAR O OSSO, ESTÃO PASSANDO PARA OS ASSOCIADOS NUM TOTAL DESESPERO QUE EU NÃO SOU MAIS CANDIDATO A PRESIDENCIA, MAS É TUDO MENTIRA. SOU CANDIDATO SIM E SOMENTE DEUS FARÁ EU DESISTIR.


Sei que é cansativo, eu também estou cansado, os amigos que me acompanham nesta jornada também estão cansados, mas o assunto das eleições do CSCS/PM/BM/MG que na realidade se chama apenas CS ou seja, Centro Social, é muito importante e principalmente para aqueles que são sócios fundadores como eu e aqueles que chegaram a serem presos para que nós cabos e Soldados pudéssemos um dia ter um clube ou uma associação, eu sou um desses que foram presos. As duas entidades militares mais antigas são, o COPM e a ASPRA e nenhuma das duas trocam suas designações ou nomes, nas duas Cabos e Soldados podem ser sócios mas não podem chegar ao posto máximo que é o cargo de Presidente e Vice-Presidente, no COPM então não podemos nem entrar nas repartições. Em 1985 foi fundado o Clube dos cabos e Soldados da Polícia Militar de Minas Gerais, tendo sido indicado pelo então Cmt Geral para presidir a entidade o Cabo José Pinto. Para que o Clube dos Cabos e Soldados fosse implantado, eu e alguns amigos chegamos até a ser preso por fazer reuniões clandestina no Mercado Novo, pois para nós era inconcebível que apenas os Oficiais e os Sub Ten e Sgt tivessem um clube ou uma associação, enquanto nós Cbs e Sds não tínhamos nada, depois de muitas lutas tivemos a inauguração do então CCS/PM/BM/MG Clube dos Cabos e Soldados da Polícia Militar de Minas Gerais. Em 1986 houve a primeira eleição e a chapa vencedora foi a que tinha como Presidente o Cabo PM José Tarcínio, 1º Vice-Presidente Cabo Meneguin (16º BMP), 2º Vice-Presidente o meu amigo Cabo Pimenta (13º BPM) e eu como Diretor Social. Na eleição seguinte ganhou o Cabo Cabral e ai por diante. Veio então a gestão do falecido Cabo Valadares a qual o atual presidente foi do Conselho Fiscal e seu Vice-Presidente. Assim que o atual Presidente Cabo Coelho assumiu a presidência pelo falecimento do Valadares, as coisas começaram a acontecer na entidade, primeiro foi na eleição de 2005 quando participaram três chapas, dentre elas a do Coelho e a do cabo Morais, num passe de mágica a urna de Governador Valadares onde servia o candidato a Vice na chapa do Morais, simplesmente evaporou-se e foi dada posse a chapa do Coelho, gerou então uma ação judicial por parte da chapa que estaria em segundo lugar que era a do Morais. No inicio de 2008 saiu a sentença mandando caçar a posse da chapa do Coelho até que a referida urna aparecesse, a urna até hoje não apareceu, a diretoria do Coelho foi caçada, mas ele ou qualquer um de sua diretoria apresentou-se aos seus batalhões, continuando na entidade, o que em tese caracteriza deserção. Em julho de 2008 houve eleição e o Coelho concorreu de novo com uma chapa em total desrespeito a ação judicial, ganhou e foi empossado em setembro, isso tudo sem sair da diretoria. Dai para cá o atual presidente e sua diretoria começaram a depenar o CSCS, houve a venda de um terreno da entidade que fica no interior, que na transação entrou um ônibus, us pergunto aos senhores, onde se encontra ele? A diretoria comprou do chefe dos advogados uma Ducato, como se deu essa transação? Em que circunstância se deu essa compra? Quanto custou? Porque a diretoria não comprou uma Ducato nova diretamente da concessionária que vem com garantia de fabrica? A diretoria comprou também um Fiat usado do irmão da namorada do Presidente Cabo Coelho, como se deu essa compra? Quanto custou e em que circunstancia aconteceu a compra? Como se não bastasse tudo isso, teve viatura do CSCS que levou multa em cidade do Espírito Santo, o que esse diretor estava fazendo lá? O Presidente Cabo Coelho assessorado pelo seu fiel advogado Dr. Fábio (advogado do presidente e não dos associados), fez a primeira mudança no estatuto da entidade e retirou do nome a parte "Cabo e Soldado", deixando apenas Centro Social, agora no final do ano passado tornou a fazer mudanças, uma delas escandalosa que foi retirar do estatuto a incumbência da Assembléia Geral (reunião de sócios) de aprovar as contas da diretoria, aprovar a compra e venda de bens móveis e imóveis da entidade e aprovar a solicitação de empréstimos em nome da entidade, passando essa incumbência irrestrita ao Presidente, isso é no mínimo imoral e dentro desse angu tem caroço. Outra mudança foi tirar do soldado o direito de se candidatar a presidente, pois na última mudança ele acrescentou um item que o sócio para se candidatar tem que ter no mínimo 10 anos de caserna e o soldado quando completar os 10 anos é promovido a cabo, e não para por ai, pois na eleição deste ano o 3º Sgt pode se candidatar aos Conselhos Administrativos e Fiscais, em 2016 poderão se candidatar além dos Conselhos, a Presidente e a Vice-Presidente, quem poderá nos garantir que daqui a algum tempo esse Presidente e sua diretoria assessorados pelo Dr. Fábio não mudará o estatuto de novo acrescentando um artigo no qual os Oficiais também poderão se candidatar a Presidente de nossa entidade, pois tudo esta caminhando para isso? Nós cabos e Soldados vamos ficar quietos vendo a nossa associação ser aniquilada e pior, por um Cabo que só tira foto do lado de Oficiais Superiores? Tenho recebido vários e-mails diários, de sócios tanto do interior quanto da capital, dizendo que vários elementos da diretoria estão usando os carros da associação para fazerem campanha e passando para os associados que eu não sou mais candidato, esses diretores são tão burros que os próprios associados me contam. Quero deixar bem claro que sou candidato sim, primeiramente como cabeça de chapa e na hipótese da justiça indeferir minha candidatura como cabeça de chapa, eu sairei como membro do C.A, posteriormente depois de empossado no caso de uma vitória, ai nós veremos como a coisa fica, mas tanto como cabeça de chapa ou como membro do C.A, será procedida uma auditoria dentro da entidade e aqueles que deverem vão pagar doe a quem doer.   

Fonte: Blog do Cabo Fernando

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Ídolo rubro-negro candidato

Andrade, ex-jogador e ex-técnico do Flamengo, está sendo disputado por PSDB e PSB. Como não consegue emprego em um clube de ponta, cogita se candidatar a vereador no ano que vem no Rio de Janeiro.


Por Lauro Jardim
Veja/Radar online

domingo, 25 de setembro de 2011

Construindo a cidadania: PSPC lançará candidato próprio à Presidência do Brasil

               
                Editorial do blog No Q.A.P
                Por Marcelo Anastácio
              
            Desde de 1988, com a criação da nossa última Carta Magna, que os militares ficaram preteritos, (para não dizer discriminados) em vários aspectos, como na questão política, sem direito a filiação partidária, seja no comportamento, onde a categoria ainda não reconhece o assédio moral como crime (mesmo sendo "seguidora" dos Direitos Humanos), seja na liberadade de expressão, pois indicia os militares que se expressam.             

           Especialmente as forças armadas, muito mais até do que alguns militares estaduais, sofreram grande corte no orçamento, sendo determinante para a diminuição do contingente, diminiução do horário de funcionamento dos quartéis, e, sucateamento dos equipamentos.

            Desde o fim da ditadura não tivemos candidato militar concorrendo, por exemplo, a presidência, o  que seria quase um afronta. Associar a imagem a essa categoria, seria suicídio eleitoral. Contudo, devido as constantes manifestações de policiais e militares, desde de 88, algumas culminando em greves e até morte. Porém a força eleitoral que o segmento chamado segurança pública agrega, com quase 10% do eleitorado, somados aos parentes é um fato. Aliado ao descaso dos sucessivos governos junto a categoria, somado ao despertar da cidadania em geral, e especialmente dos militares, surge a ideia de criação de um partido político, capaz de aglutinar militares, civis e interessados em combater a corrupção e ao velho modelo político brasileiro, eis que surge o PSPC - Partido da Segurança Pública e Cidadania.

          Por enquanto estamos na fase de coleta de assinaturas, aumento dos diretórios pelo país. Com certeza, em 2014, estaremos lançando candidatos para os mais diversos cargos, inclusive para Presidência do Brasil. Sem medo ou vergonha de ser feliz. Essa geração de militares e civis que apoiam o projeto, não está associada ao passado, pois, queremos chegar ao poder pelo voto, única arma aceitável numa democracia.

             Para os que duvidam, saibam que a única categoria que transita em todos os níveis sociais, do medingo ao médico, do advogado ao sem-terra, do aluno ao professor somos nós policiais militares estaduais. Por isso conhecemos os dois lados da moeda, dos bastidores do estado falacioso, as demandas de uma sociedade ávida por mudanças sociais. Bem vindo a cidadania, façam parte do PSPC, ajude a contruí-lo, ele é nosso: www.pspcbrasil.com.br ou www.pspcmg.com

                Marcelo Anastácio

domingo, 4 de setembro de 2011

Pré-candidato em S. Bernardo do Campo é assassinado

O empresário Jorge Peres, pré-candidato à Prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, foi morto na tarde de ontem dentro de um restaurante da cidade. Segundo a Polícia Militar (PM), dois homens armados entraram no restaurante, na Rua João Basso, em Ferrazópolis, e dispararam contra o empresário, por volta das 17h50. Um amigo de Peres também foi atingido. Ele foi encaminhado ao pronto-socorro central da cidade. A PM não informou se o restaurante ou as vítimas foram assaltadas. O caso foi registrado no 1º Distrito Policial de São Bernardo do Campo. Até as 11h30, nenhum dos bandidos havia sido preso.

AE - Agência Estado