Seguidores

Mostrando postagens com marcador afastamento comando geral. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador afastamento comando geral. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

COMANDO GERAL DA PM MG ELEVA O MORAL DA TROPA, SOBRE LANCHES "GRATUITOS"


Distinto Policial Militar, 

O jornal Estado de Minas, em sua edição de 16Set2012-Dom, publicou duas extensas matérias denominadas: “PM’s lancham e almoçam de graça em troca de segurança a comerciantes” e “Restaurante tem acordo há 12 anos com policiais que comem sem pagar”. As publicações narram situações em que Guarnições Policiais Militares estariam consumindo alimentos em padarias e restaurantes, localizados na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), sem efetuarem o devido pagamento das despesas e em “troca de uma possível segurança especial para alguns comerciantes”. 

Este Comando tem a convicção de que as questões narradas restringem-se a uma minoria de policiais militares que, infelizmente, geram constrangimentos e dissabores para os profissionais que, orgulhosa e diuturnamente, constroem o nome e a imagem desta instituição bissecular. 

Nos últimos anos, em Minas Gerais, os policiais militares alcançaram um padrão sócio-econômico que lhes permite dignidade, equilíbrio financeiro e tranquilidade na gestão de suas despesas e orçamento. Tenho a firme confiança de que nossos valorosos policiais manterão o compromisso em prover a segurança pública às múltiplas comunidades da RMBH e de Minas Gerais de forma equânime, transparente e imparcial. 

Confio no trabalho e firmeza de propósito de cada um dos nossos talentos e abnegados construtores da paz. Confio na seriedade, no equilíbrio, no culto aos valores éticos e na responsabilidade de cada miliciano. Somente assim, manteremos nossa elevada condição de profissionais idôneos 
e “orgulho do povo mineiro”. 

Cordialmente, 


MÁRCIO MARTINS SANT’ANA, CEL PM 
COMANDANTE-GERAL


sexta-feira, 27 de julho de 2012

Homicídios em São Paulo e a PM vira trampolim eleitoreiro...

Olhem aí, paulistas e brasileiros! A isto foi reduzida uma das polícias mais eficientes do país! Ou: Flagrantes de um linchamento com ares de campanha eleitoral

Baixaria, estupidez, ilegalidade, maluquice, violência retórica, acusações levianas, proselitismo político, campanha eleitoral, agressões gratuitas. Essa é a síntese, como vocês verão, da chamada “audiência pública” realizada ontem no auditório do Ministério Público Federal, em São Paulo, com a participação de outras entidades, notadamente a Defensoria Pública de São Paulo, representada pela buliçosa defensora Daniela Skromov de Albuquerque (post acima).
A estrela do dia foi o procurador Matheus Baraldi, do Ministério Público Federal. Com ampla cobertura da imprensa. Pior do que isso: endosso mesmo, no misto habitual de militância ideológica e ignorância de causa. Ele deu um prazo — sim,vocês entenderam direito! — de três dias para o governador Geraldo Alckmin mudar o comando da PM. Ou… Ou ele promete entrar como uma ação civil pública. “Mas o que o Ministério Púbico Federal tem a ver com essa história?”, poderia se perguntar alguém. Rigorosamente nada! Este senhor exorbita claramente de suas funções. Baraldi, já disse, é imodesto! Ele quer nada menos do que uma intervenção federal em São Paulo porque, segundo ele, o comando da PM perdeu o controle dos soldados. É inacreditável! Ainda que o segundo semestre repita o primeiro em números de homicídios, o Estado fechará o ano com 11,4 homicídios por 100 mil habitantes, o que coloca o estado nas últimas posições — se é que não será a última — no ranking nacional.
Não, senhor Baraldi! Os companheiros terão antes de ganhar as eleições. Se ganharem, levarão!
O procurador deveria estar preocupado em saber como andam as nossas fronteiras, por onde entram armas que não fabricamos e cocaína que não produzimos. Mas não! Ele queria aplauso. E o circo foi montado para isso. Uns pobres desavisados aceitaram participar da audiência para tentar demonstrar que as coisas não eram como se dizia ali. Foram linchados moralmente, chamados de “fascistas”, aos berros! Aquilo não passava de uma chacrinha eleitoral e eleitoreira.
Daniela afirmou que  a PM de mata pelas costas e se comporta como se estivesse numa guerra. Foi aplaudida. Não se contentou com isso, não! A polícia que, por ano, realiza mais de 300 mil resgates de pessoas em situação de perigo, foi acusada de prestar falsos socorros. A moça perdeu para Ivan Seixas, presidente do Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana), que acusou o governo de São Paulo de ter uma política errada e criminosa. Num discurso que poderia ser entendido como incentivo à insubordinação, disse que os oficiais têm privilégios que não são garantidos aos praças (não me diga!) e que — agora vem a coisa muito grave — os policiais dispõem de um kit para incriminar as pessoas, composto de armas e drogas. Daniela e Seixas têm provas ou evidências do que dizem? Pra quê? Era uma sessão de linchamento da PM. Sabiam que teriam ampla cobertura da imprensa.
Um certo Rildo Marques de Oliveira, do Centro de Defesa dos Direitos Humanos, não teve o menor medo de ser feliz. Afirmou que o motivo da audiência pública era, vejam só, o aumento do número de homicídios e raciocinou, como quem relinchasse: se a economia cresceu, por que as pessoas estariam se matando? Uma boa pergunta a ser feita ao governador da Bahia, o petista Jaques Wagner, não é mesmo? Mas ele tem a resposta: é que a PM estaria aplicando pena de morte… Ah, bom! Disse que homens que não aceitam participar de grupos de extermínio são demitidos. Pediu o fim da militarização da corporação e conclamou: “Não podemos ter militares de 1964!” Foi aplaudido de pé!
Calma, que está faltando coisa!
A Sheila, que representa uma entidade de defesa de Direitos Humanos no bairro de Sapopemba, acusou a existência de uma lista de adolescentes marcados para morrer na região — pela PM, é evidente! Mas longe mesmo foi Débora da Silva Maria, da ONG Mães de Maio. Mandou ver: “A Segurança Pública tem de ser extinta”. Segundo ela, jornalistas que falam a verdade sobre a PM são ameaçados. É mesmo? Quem?
Não podia faltar ao evento Ariel de Castro, diretor-presidente da Fundação Criança de São Bernardo. Ele é ligado ao prefeito da cidade, Luiz Marinho, que é do PT, vai se candidatar à reeleição e já foi nomeado por Lula candidato ao governo de São Paulo em 2014. Chamou os policiais de “bandidos de farda”. E a PM e o governo do estado seguiram apanhando, um verdadeiro pelotão de fuzilamento. O coronel Paes de Lira e o deputado estadual Major Olímpio tentaram fazer a defesa da corporação. Pra quê? Foram vaiados, chamados de fascistas, aos berros. Mal conseguiram abrir a boca. Ai vigorava a democracia deles. Ainda bem que a vereadora Juliana Paes, do PT!!!, estava lá para revelar a real natureza do evento. Acusou o governo do estado de “torturas contínuas”.
Fiz uma síntese das delinquências intelectuais e políticas lá ditas. E olhem que falta muita coisa! A PM, segundo o que se disse naquela audiência pública — excitada por uma campanha da imprensa contra a corporação e o governo do Estado como não vejo há anos —,  não passa de um centro de tortura, que está completamente fora do controle, existindo apenas para massacrar cidadãos honestos. Os policiais, segundo aqueles valentes, nunca morrem, só matam; nunca salvam vidas, só as condenam; nunca prendem bandidos, só se acovardam; não protegem a população, só a ameaçam.
São Paulo precisa urgentemente importar tecnologia do Rio — se não a de segurança (acho que não é o caso de dobrar os mortos por 100 mil), que seja ao menos a de marketing. Quando PM do Rio é assassinado, vira mártir e ganha carta de Dilma. Os PMs mortos de São Paulo valem menos do que cães sarnentos. Quando acontece abuso policial no Rio, trata-se a coisa como exceção; quando acontece em São Paulo, tem-se a suposta expressão de uma rotina.
Lá vou eu citar Caetano Veloso, para sua eventual chateação: este estado paga um certo preço por não olhar quem sobe e desce a rampa! Refiro-me à rampa do Planalto, é evidente. Até pensei se não seria o caso de importar, então, Sérgio Cabral. Mas acho que ele não se daria bem neste ambiente sisudo e sem charme de São Paulo. E Geraldo Alckmin não sabe dançar na boquinha da garrafa…

Por Reinaldo Azevedo/Fonte: BLOG DO REINALDO AZEVEDO

Secretário de Segurança vai processar procurador que disse que PM está descontrolada

audiencia-g-20120726

A SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) informou em nota na noite desta quinta-feira (26) que o secretário Antonio Ferreira Pinto vai representar contra o procurador da República Matheus Baraldi na Corregedoria do Ministério Público Federal. Mais cedo Baraldi afirmou que a Polícia Militar de São Paulo está fora de controle e que vai entrar com uma ação na Justiça Federal pedindo a troca do comando da corporação. 

De acordo com a nota da SSP, Baraldi explora casos isolados “para tentar distorcer a percepção da opinião pública” e essa é “a última coisa que o procurador deveria fazer”. “Por conta disso, o secretário vai representar contra o procurador”, afirma a secretaria por meio de sua assessoria de imprensa. Continue lendo no R7

Comandantes Gerais das PMs e BMs defendem comandante da PM de São Paulo

Um encontro para tratar dos assuntos relacionados à segurança pública no País ocorreu do dia 22 a 24 deste mês em São Paulo. Foi a 2ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional dos Comandantes Gerais (CNCG) das Polícias Militares e Corpo de Bombeiros Militares. O comandante geral da Polícia Militar do Espírito Santo, coronel Ronalt Willian de Oliveira, participou do evento.


No encontro, os comandantes gerais da PM e do Corpo de Bombeiros saíram em defesa do comandante geral da PM de São Paulo, coronel Roberval Ferreira França. É que esta semana, o procurador da República Matheus Baraldi defendeu o afastamento do comandante da PM paulista e decidiu entrar com uma ação civil pública solicitando a mudança. Alega o procurador que o comandante perdeu o pulso com  a tropa, por conta de participação de policiais militares em crimes.

Oficiais de todo o Brasil saíram em defesa do coronel Roberval Ferreira França. Na reunião dos comandantes gerais da PM, foi elaborada uma carta intitulada "Carta de São Paulo”, que contesta publicamente as críticas dirigidas à Polícia Militar de São Paulo com relação aos serviços prestados à população, a preocupação com o anteprojeto de reforma de Código Penal apresentado ao Senado Federal, entre outros assuntos.


CARTA DE SÃO PAULO:


“Os Comandantes Gerais das Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil, reunidos no 56º ENCONTRO NACIONAL DE COMANDANTES GERAIS E 2º REUNIÃO ORDINÁRIA DO ANO DE 2012, na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, representando cerca de seiscentos mil militares dos Estados, deliberaram, por unanimidade, e vêm a público declarar e apresentar as questões primordiais que contribuem para o fiel cumprimento das atribuições constitucionais de polícia ostensiva, de preservação da ordem pública e execução das atividades de bombeiros e de defesa civil, com o objetivo de servir cada vez melhor aos cidadãos e proteger a sociedade:

1. Contestar, publicamente, as críticas sem fundamento que têm sido dirigidas Polícia Militar de São Paulo. Uma instituição com mais de 180 anos de existência, com cerca de 100 mil integrantes, que atende anualmente algo em torno de 43 milhões de chamadas e realiza 12 milhões de abordagens em pessoas, não pode ser avaliada e criticada por atos tidos por isolados e episódicos. A Polícia Militar de São Paulo representa para as demais Polícias Militares exemplo de organização e qualidade de serviços prestados, atestados pela vertiginosa queda dos índices de homicídio no Estado de São Paulo, o melhor em quatro décadas, bem como por sua intransigência com a ilegalidade quando praticada por seus integrantes. Críticas, num estado democrático de direito, são um importante instrumento de melhora dos serviços prestados pelo governo, mas, se infundadas e generalizadas, contribuem para o seu descrédito e afetam a qualidade destes serviços.

2. Expressar a preocupação com a forma como estão sendo conduzidos, no anteprojeto de reforma de Código Penal apresentado ao Senado Federal, temas que,l sem a participação dos órgãos encarregados da aplicação da lei, se prosperarem, como ora propostos, dentro de um eventual futuro processo legislativo, certamente impactarão negativamente no controle da criminalidade e da violência, pelo viés da mera descriminalização sem apresentação de políticas públicas que tragam alternativas estruturantes.

3. Declarar que o Conselho Nacional de Comandantes Gerais das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares está mobilizado para que reformas que impactem a segurança pública sejam promovidas com sua efetiva participação, de maneira que não produzam efeito contrário ao desejado pela sociedade brasileira.

4. Por fim, renovar o seu compromisso institucional de colaborar para que as Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares do Brasil, por seus integrantes, possam contribuir cada vez mais para o aperfeiçoamento da segurança pública do país.
São Paulo, 24 de julho de 2012.

NAZARENO MARCINEIRO
Coronel PM Comandante Geral da Polícia Militar de Santa Catarina e
Presidente do CNCG-PM/CBM”


CARTA AO POVO DE SÃO PAULO E DO BRASIL

A POLÍCIA MILITAR DEFENDE E PROTEGE 42 MILHÕES DE PESSOAS QUE RESIDEM NO ESTADO DE SÃO PAULO. PARA QUEM PERGUNTA SE A POPULAÇÃO CONFIA NA POLÍCIA, OS NÚMEROS FALAM POR SI: NO ÚLTIMO ANO ATENDEMOS MAIS DE 43 MILHÕES DE CHAMADOS DE PESSOAS PEDINDO AJUDA, SOCORRO E PROTEÇÃO; REALIZAMOS 35 MILHÕES DE INTERVENÇÕES POLICIAIS, 12 MILHÕES DE ABORDAGENS, 310 MIL RESGATES E REMOÇÕES DE FERIDOS E 128 MIL PRISÕES EM FLAGRANTE (89 MIL ADULTOS E 39 MIL “ADOLESCENTES INFRATORES”); APREENDEMOS 70 TONELADAS DE DROGAS E MAIS DE 12 MIL ARMAS ILEGAIS; RECUPERAMOS 60 MIL VEÍCULOS ROUBADOS E FURTADOS. DE JANEIRO A JUNHO, A POPULAÇÃO CARCERÁRIA DO ESTADO CRESCEU DE 180 MIL PARA 190 MIL PRESOS, O QUE REPRESENTA 40% DE TODOS OS PRESOS DO BRASIL. O ESTADO DE SÃO PAULO OCUPA O 25º LUGAR NO MAPA DA VIOLÊNCIA 2012 PUBLICADO EM MAIO PELO INSTITUTO SANGARI E REGISTRA HOJE UMA TAXA DE 10 HOMICÍDIOS /100 MIL HABITANTES, UMA DAS MAIS BAIXAS DO PAÍS. SÓ PARA ILUSTRAR, O RIO DE JANEIRO REGISTRA A TAXA DE 30 HOMICÍDIOS/100 MIL HABITANTES E ALAGOAS CHEGOU À IMPRESSIONANTE TAXA DE 73 HOMICÍDIOS/100 MIL HABITANTES. TUDO ISSO PARECE INCOMODAR MUITO ALGUMAS PESSOAS, QUE TENTAM POR VÁRIAS MEDIDAS ATACAR E ENFRAQUECER UMA DAS MAIS BEM PREPARADAS E ATIVAS POLÍCIAS DO NOSSO PAÍS. ESSAS PESSOAS IGNORAM MUITOS FATOS E VERDADES. NESTE ANO TIVEMOS MAIS DE 50 POLICIAIS MILITARES ASSASSINADOS COVARDEMENTE E TEMOS HOJE MAIS DE 5 MIL POLICIAIS MILITARES QUE FICARAM INVÁLIDOS NA LUTA CONTRA O CRIME. MESMO ASSIM NÃO IREMOS NOS ACORVARDAR. A POLÍCIA MILITAR DE SÃO PAULO CONTINUARÁ SENDO A FORÇA E A PROTEÇÃO DAS PESSOAS DE BEM QUE VIVEM EM NOSSO ESTADO. COMO POLÍCIAL TENHO ORGULHO DE FAZER PARTE DESSA GRANDE INSTITUIÇÃO E COMO COMANDANTE TENHO ORGULHO DOS 100 MIL PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM COMIGO NA LUTA CONTRA O CRIME. 

PEÇO A TODAS A PESSOAS DE BEM QUE ACREDITAM EM NOSSO TRABALHO QUE DIVULGUEM ESSA CARTA.

MUITO OBRIGADO !!!

ROBERVAL FERREIRA FRANÇA
CORONEL PM
COMANDANTE GERAL 

POLICIAL TAMBÉM É SER HUMANO E MERECE RESPEITO !!!

TODOS OS DIAS, POLICIAIS DEIXAM OS SEUS LARES PARA PROTEGER AS PESSOAS, FAZER CUMPRIR AS LEIS, COMBATER O CRIME E PRESERVAR A ORDEM.

DE JANEIRO A JUNHO MAIS DE 50 POLICIAIS DE SÃO PAULO FORAM MORTOS COVARDEMENTE E TEMOS 5,1 MIL INTEGRANTES INVÁLIDOS EM AÇÕES CONTRA O CRIME.

NOS ESTADOS UNIDOS A MORTE DE UM POLICIAL É CONSIDERADA UMA TRAGÉDIA E CAUSA COMOÇÃO PORQUE SE LAMENTA A PERDA DE UM AGENTE DO ESTADO DEDICADO A PROTEGER SOCIEDADE.

NOSSO PAÍS E A NOSSA SOCIEDADE PRECISAM VALORIZAR A POLÍCIA E PROPORCIONAR MAIS E MELHORES GARANTIAS AO EXERCÍCIO DO TRABALHO POLICIAL.

COMO POLÍCIAL TENHO ORGULHO DE FAZER PARTE DESSA GRANDE INSTITUIÇÃO E COMO COMANDANTE TENHO ORGULHO DOS 100 MIL PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM COMIGO NA LUTA CONTRA O CRIME.

PEÇO A TODOS AQUELES QUE ACREDITAM EM NOSSO TRABALHO QUE DIVULGUEM ESSA MENSAGEM.

MUITO OBRIGADO !!!

ROBERVAL FERREIRA FRANÇA
CORONEL PM
COMANDANTE GERAL

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Ministério Público Federal quer afastamento do comando da PM de SP

A alegação é de que a situação está fora de controle e medida será apresentada em audiência na 5ª; família de publicitário morto foi convidada


O Ministério Público Federal (MPF) quer entrar com uma ação civil pública pedindo o afastamento do comando da Polícia Militar alegando a perda do controle da situação. A medida vai ser apresentada na quinta-feira, 26, em audiência pública organizada pelo órgão, em parceria com a Defensoria Pública do Estado, o Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe) e pelo Movimento Nacional de Direitos Humanos.
Segundo o procurador da República Matheus Baraldi Magnani, a Justiça Federal pode atuar quando tratados e convenções internacionais são desrespeitados, como aqueles assinados pelo Brasil se comprometendo em garantir direitos individuais.
“A ideia é também apresentar uma representação ao Procurador-geral pedindo a intervenção federal no Estado. São medidas que ajudam a retirar a sensação de poder e de corpo que vem garantido a impunidade e permitindo ações violentas por parte da Polícia Militar”, afirmou o procurador Magnani.
Outra medida que a ação pretende cobrar na Justiça para garantir a preservação de direitos humanos está a proibição da prisão em flagrante para casos de “desacato à autoridade”. “Muita arbitrariedade tem sido cometida pelas autoridades por causa de supostos desacatos”, afirma.
Audiência. A proposta da ação vai ser feita na quinta-feira, durante a audiência pública. Segundo a defensora pública Daniela Skromov de Albuquerque, o objetivo do encontro é chegar a ações concretas que sirvam para coibir a violência policial. “O caso do publicitário (Ricardo Prudente de Aquino, de 39 anos, morto na semana passada por Policiais Militares durante abordagem desastrosa em Pinheiros) não foi acidente. Foi resultado de um problema estrutural na Polícia Militar, que levou a essa tragédia”, afirmou a defensora.

A família do publicitário Ricardo Prudente de Aquino e comandantes da Polícia Militar de São Paulo foram convidados para acompanhar a audiência.

Procurado para comentar o caso, o comando da Polícia Militar não havia se manifestado até as 20 horas desta terça-feira, 24.

terça-feira, 10 de abril de 2012

PMDF TEM NOVO COMANDO

O comandante da PM, Sebastião Gouveia, será exonerado. A demissão dele será publicada no Diário Oficial do DF desta terça-feira. 

Quem vai substituí-lo é secretário de segurança adjunto, Suamy Santana. Ele é considerado um coronel linha dura da PM.    
CEL SUAMY, o novo 01 da PMDF.

fonte: correioweb http://www.dzai.com.br/liliantahan/blog/liliantahan?tv_pos_id=101984

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Deputado vai a tribuna e cobra responsabilidade do Comandante Geral da PMMG

Sangento Rodrigues.“Quem diria Coronel Renato, o conheci desde tenente até o posto de coronel, não imaginava nunca que iria cometer tamanha injustiça com seus próprios comandados, com sua própria POLÍCIA.

Será que vai fazer igualzinho ao coronel Gilberto Cabral, depois de chegar ao posto de Coronel e gozar de todas as regalias do cargo, retirar a escada para os demais? SERÁ QUE ENTRARÁ PARA A HISTÓRIA DA PMMG COMO AQUELE QUE ENXERGOU A INJUSTIÇA E CONCORDOU COM A MESMA”?



Deputado defende retirada de militares na política remuneratória.Continue lendo no Blog Notícia da Caserna: >>>>>>>>

sábado, 1 de outubro de 2011

Chefe da PM troca 13 no comando; corregedorias têm reforço para investigar patrimônio


RIO - Após tomar posse sem qualquer solenidade militar , o novo comandante-geral da PM, coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, dedicou seu primeiro dia no posto a trocar a equipe. A primeira providência foi exonerar todos os coronéis da cúpula da corporação. Já houve troca em, pelo menos, 13 comandos. Enquanto isso, as corregedorias das polícias Civil e Militar já receberam reforço de pessoal e gratificações para investigar a evolução patrimonial de policiais suspeitos de corrupção. De acordo com o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, o governo aguarda apenas um parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE), que vai analisar uma forma legal para o processo, pois a lei federal que trata de improbidade só permite investigações de patrimônio de servidores com cargo comissionado. Segundo Beltrame, que na sexta-feira participou da comemoração do primeiro ano da UPP do Morro do Turano, no Rio Comprido, as sindicâncias só serão feitas em caso de condutas suspeitas.

- A sindicância patrimonial nada mais é do que a relação entre o que a pessoa faz, o que o trabalho proporciona e o patrimônio que ela aferiu. E temos que fazer sempre com fundadas razões. As corregedorias poderão analisar situações patrimoniais dos servidores e já receberam reforço para isso, tanto de gratificação quanto de efetivo. Al Capone foi preso não pela polícia, e sim pela Receita Federal - disse, referindo-se ao gângster que dominou o crime organizado em Chicago na década de 30, mas que foi julgado e condenado por sonegação fiscal.

E, na troca da PM, nem mesmo o comando das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) foi poupado: o coronel Rogério Seabra Martins substituirá o coronel Robson Rodrigues da Silva, que vai assumir o Estado-Maior Administrativo. E as mudanças não vão parar por aí.

Já foram afastados o coronel Álvaro Garcia (ex-comandante interino da PM e ex-chefe do Estado-Maior), o coronel Marcus Jardim (do 3º Comando de Policiamento de Área, Baixada), o coronel Paulo Mouzinho (1º CPA, capital menos Zona Oeste), o coronel Ricardo Quemento (Diretoria de Finanças), o coronel Sérgio (do Serviço Reservado), entre outros. Além deles, entregaram os cargos o coronel Carlos Milan (do Estado-Maior Administrativo) e o coronel Carlos Milagres (chefe de Gabinete). Sete coronéis, que estavam na cúpula, sequer vão ganhar novos cargos. Eles vão ser reformados ou, caso ainda não tenham tempo de serviço suficiente, ficarão lotados na Diretoria Geral de Pessoal (DGP), conhecida como "geladeira".

Batalhões especiais sob novo comando

Depois de uma reunião que durou toda a manhã fora do QG da PM e teve continuidade na sala do comandante, alguns nomes para o primeiro escalão da PM foram anunciados. O coronel Luiz Castro vai assumir o comando do 1º CPA). Já o coronel Frederico Caldas será o responsável pelo Setor de Relações Públicas. Para o Departamento de Logística da corporação, foi escolhido o coronel Carlos Mendes. Outros nomes, segundo o comandante do Estado-Maior da PM, coronel Alberto Pinheiro Neto, serão anunciados nos próximos dias.

Também ficou decidida a criação do Comando de Policiamento Especializado, que vai agregar o Bope e os batalhões de Choque, Florestal, de Polícia Rodoviária, de Turismo e o Regimento de Polícia Montada. O coronel Robson Batalha, que está no 4 CPA (Niterói), não teria aceitado a assumir a corregedoria. O coronel Waldir Soares, que estava no Batalhão de Choque, foi o escolhido para o cargo, um dos mais delicados da nova gestão devido ao envolvimento de policiais em crimes.

O Globo (granderio@oglobo.com.br) e Extra

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Coronel Erir Ribeiro Costa Filho é o novo comandante-geral da PM do Rio

Rio - O coronel Erir Ribeiro Costa Filho é o novo comandante-geral da Polícia Militar. O anúncio foi feito na tarde desta quinta-feira pelo secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. Os coronéis Kátia Néri Nunes Boaventura e Alberto Pinheiro Neto foram nomeados subcomandantes administrativa e operacional, respectivamente. A decisão foi tomada em reunião com a cúpula da Secretaria de Segurança. 
Erir estava à frente do Centro de Comando e Controle da Secretaria de Segurança. Em 2003, o coronel foi exonerado após acusar o deputado estadual Chiquinho da Mangueira de pedir uma trégua no combate ao tráfico de drogas na comunidade.
O DIA
foto: OGLOBO

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

PM nega que reabertura da UPA da Maré tenha relação com prisão de ex-comandante


A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Maré, na Zona Norte da cidade, foi reaberta na manhã desta quarta-feira (28) pelo secretário de Estado de Saúde, Sérgio Côrtes, e o comandante geral da Polícia Militar em exercício, coronel Álvaro Garcia. A unidade estava fechada há dois dias, devido a problemas de segurança naquela região. 
Questionado sobre a relação da reabertura da unidade com a prisão do tenente-coronel Claudio Luiz de Oliveira -  já que o oficial foi quem requisitou o fechamento da unidade devido a presença de traficantes fortemente armados naquela região - Garcia negou a relação entre os fatos. Ele afirmou ainda que, se Cláudio Luiz de Oliveira não estivesse preso, a UPA da Maré seria reaberta do mesmo jeito.
Jornal do Brasil

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Comandante dos Bombeiros do Rio é internado com coágulo na perna


O secretário estadual de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, coronel Sérgio Simões, foi internado na noite desta segunda-feira após apresentar fortes dores na perna. 
Segundo a rádio CBN, ele foi levado para o hospital da corporação, no Rio Comprido, na Zona Norte, e depois encaminhado para o Hospital Barra d'Or, na Barra da Tijuca (Zona Oeste). 
Sérgio Simões passou por vários exames, que constataram a existência de um coágulo na panturrilha esquerda. Ele deverá permanecer em observação por 48 horas. 
JB online

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Comissão de Direitos Humanos da ALMG pede afastamento do Comandante Geral da PMMG


Depois de audiencia pública na ALMG comissão de direitos humanos pede afastamento do comandante da PMMG

Corregedoria da PMMG investigara denúncias de perseguição da PM2 a sindicalista.

Representantes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE) e da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), protocolaram nesta segunda-feira (12) um pedido de investigação em relação às denúncias de que representantes do sindicato estariam sendo vigiados por homens em carros da PM descaracterizados.

Na última quarta-feira, a Comissão de Direitos Humanos recebeu a denúncia de que veículos com placas restritas estavam vigiando a movimentação na sede do sindicato. "Queremos uma resposta sobre o que está acontecendo. Isso é uma intimidação", disse o deputado estadual Rogério Correia (PT). Além disso, a comissão pediu à Ouvidoria da Polícia o afastamento do comandante da PM, coronel Renato Vieira de Souza. Segundo o deputado, o comandante teria se negado a enviar uma viatura à sede do sindicato. A assessoria de imprensa do governo informou que irá aguardar o andamento do caso.

De acordo com Beatriz Cerqueira, coordenadora do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE), todas as provas foram anexadas ao pedido.

Greve

 A greve dos professores já dura quase 100 dias. Na próxima quarta-feira (14) a categoria se reúne novamente em assembleia, para decidir os rumos do movimento. Os educadores rejeitaram a proposta de R$ 712,20, para uma jornada de 24 horas semanais, e insistem num piso de R$ 1.597.

O Tempo

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Partidos pedem o afastamento do Comando Geral da PM MG


PT e PC do B vão pedir o afastamento do comandante PMMG Coronel Renato.


A coordenadora do Sind-UTE/MG (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais), Beatriz Cerqueira, e os os deputados estaduais Rogério Correia e Durval Angelo, ambos do PT, denunciaram a perseguição de professores por policiais militares à paisana em Minas Gerais, em razão da greve por melhores salários que já dura mais de 80 dias.
Beatriz Cerqueira já havia feito a denúncia durante a última assembleia da categoria, no dia 1° de setembro. O caso veio a tona na manhã desta terça-feira (6), quando o deputado Rogério Correia esteve na sede do Sindicato, na rua Ipiranga, no bairro Floresta, região leste de Belo Horizonte, averiguar a presença de dois veículos parados na porta da instituição cujas placas eram de acesso restrito, que seriam de uso da P2 (Polícia Militar Velada).

Os motoristas foram abordados, mas não quiseram se identificar. Um deles tentou arrancar o carro e se negava a responder as perguntas de Correia, depois desceu e abandonou o veículo na porta do sindicato.

Após o fato, conforme a assessoria de imprensa do deputado, o comandante geral da Polícia Militar, Renato Vieira de Souza, foi acionado. Ele teria se recusado a enviar uma viatura ao local para registrar a ocorrência, argumentando que não queria criar um "fato político". Diante da recusa, ainda segundo a assessoria, representantes do PT e PC do B vão pedir o afastamento do comandante.




Por outro lado, o tenente-coronel Alberto Luiz, da assessoria de imprensa da Polícia Militar, explicou que as denúncias estão sendo apuradas e que em breve, ainda nesta terça-feira (6), será divulgado um comunicado referente ao caso.

Segundo a coordenadora do Sind-UTE, Beatriz Cerqueira, as intimidações já acontecem há 10 dias.

- O tempo todo tem alguém monitorando o prédio, mas se o Sindicato dissesse sozinho, ninguém acreditaria.

Com relação à segurança dos professores, os deputados Durval Angelo e Rogério Correia solicitaram, junto à ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosario Nunes, que os profissionais de educação envolvidos sejam incluídos no PPDDH (Programa Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos), inclusive com escolta policial.

Na próxima segunda-feira (12), a coordenadora do Sind-UTE vai, juntamente com o deputado Rogério Correia, protocolar uma representação junto à Polícia Civil.

Projeto de Lei

A ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais) recebeu um novo Projeto de Lei que revê a política remuneratória dos servidores da educação. O Projeto foi recebido na Reunião Ordinária de Plenário desta terça-feira (6) e será analisado pelas Comissões de Constituição e Justiça, de Administração Pública e de Fiscalização Financeira e Orçamentária.

FONTE: R7/blog Notícia da Caserna