Seguidores

Mostrando postagens com marcador PMGO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador PMGO. Mostrar todas as postagens

domingo, 27 de abril de 2014

Policiais e Bombeiros de Goiás buscam piso de 6 mil para soldado


A Seção de ontem da Assembléia Legislativa de Goiás, dia 24, foi adiada para o dia 28, segunda-feira, em caráter extraordinário devido a morte do pai do deputado Valcenôr Braz.


Após quinze dias de muitas negociações junto aos deputados estaduais e ao governo do Estado foi aprovado nesta quarta-feira, 23/04, na Comissão Mista e no plenário da Assembleia Legislativa, em primeira votação, o projeto de aumento aos ativos, inativos e pensionistas da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Estado de Goiás. E graças a um intenso trabalho da Associação dos Cabos e Soldados e dos Subtenentes e Sargentos o aumento não estará vinculado à receita líquida do Estado, como foi sugerido pelo governo.

De acordo com o presidente da Associação dos Cabos e Soldados, sargento Gilberto Cândido de Lima, a desvinculação foi possível graças a uma emenda do líder do governo, deputado Fábio de Souza (PSDB) que o tempo todo defendeu o aumento e as mudanças no projeto do Executivo. Dessa forma os reajustes aos militares e bombeiros vão ser pagos durante os próximos quatro anos. Agora no final de 2014 o aumento será de 18,5% e em 2015, 2016 e 2017 serão pagos 12,33%, a cada ano. Nesta quinta-feira, 24/04, o projeto volta a ser apreciado em plenário e tudo indica que será aprovado e encaminhado para sansão pelo governador Marconi Perillo.

sexta-feira, 28 de março de 2014

POLÍCIA DE GOIÁS ADERE A OPERAÇÃO TARTARUGA


Mesmo com a grande pressão realizada pelo governo na tentativa de minar o movimento de policiais e bombeiros do DF que buscavam as suas justas reivindicações, promessas de campanha do governador Agnelo ainda em 2010 quando candidato, parece que a trajetória desses nobres policiais acabou por incentivar outros estados a lutarem por seus direitos.

Essa semana a Polícia Militar do Estado de Goiás, através de seu representante, o Deputado Estadual e Presidente da Comissão de Segurança da Assembléia Legislativa Major Araújo, convocou a categoria para a adesão a “Operação Tartaruga”, nos mesmos moldes executados no Distrito Federal.

A medida chegou ao limite do extremo em Goiás, em resposta a política de Segurança Publica do governo Marconi Perillo (PSDB), que ainda não apresentou nenhuma resposta aos pedidos da categoria, no sentido de estruturação do Plano de Carreira dos policiais e equiparação salarial.

Faca de dois gumes

Para o deputado Major Araújo, exímio conhecedor da Segurança Pública em Goiás, instituição que o mesmo é oficial de carreira, muitos colegas policiais e oficiais não adere ao movimento por temer represália, conforme descrito no convite para a Operação Tartaruga, com a seguinte frase:

“O maior inimigo para a realização desta operação não é o Comando, não é o governo, muito menos o regulamento: o maior inimigo é o medo que nutre cada militar. “enfrente o medo e participe”!”.

Embora não declarem, muitos oficiais e comandantes sabem da dificuldade que enfrenta os policiais com respeito à falta de incentivo do governo de Goiás com a segurança e seus servidores, porém, é como uma “faca de dois gumes”, já que muitos praças e oficiais estão concorrendo promoção de patente, o que seria um tiro no pé, caso declarasse apoio ao movimento proposto pelo deputado.

Veja na íntegra a proposta da paralisação encaminhada aos policiais

INSTRUÇÕES:

Durante esta operação iremos suprimir alguns procedimentos conforme normativa abaixo:

1 – Fica expressamente vedado a utilização de sirenes tanto no CBM como na PM em deslocamentos, mesmo os de urgência;

2 – Não será realizada em hipótese alguma abordagens voluntárias a suspeitos;

3 – Não serão recapturados foragidos em abordagens;

4 – Não será feito, no patrulhamento, abordagens a veículos suspeitos constantes na relação de “caráter geral” (relação de veículos furtados e roubados). Este trabalho é função da Polícia Civil;

5 – Não será realizado patrulhamento no sentido de flagrar pessoas envolvidas em ocorrências policiais, ou recuperar objetos. Esta também é função da Polícia Civil. Neste caso e no anterior oriente a vítima a procurar o DP;

6 – Os deslocamentos para ocorrências serão realizados a 40 KM/H e patrulhamento a 20 KM/H. isto serve para PM e BM;

7 – Viaturas como motos (GIRO) não deverão abrir caminho subindo nas calçadas ou usando faixa exclusiva do ônibus, furo do semáforo, assim como todas as demais viaturas. Isto serve para PM e BM;

8 – Evite qualquer empenho pessoal no sentido de encontrar e aprender armas e drogas. Perseguição nem pensar;

9 – Nas ocorrências realizadas evite levantar dados (indícios) alem do básico, que deve constar em todas as ocorrências. Em hipótese nenhuma realize levantamentos que indiquem a autoria e materialidade. Você estará contribuindo para engordar como uma bonificação o salário dos delegados;

10 – Cumpra rigorosamente o POP. Por exemplo, em ocorrências de roubo envolvendo arma de fogo só faça abordagens em numero superior ao dos bandidos. A sua segurança em primeiro lugar;

11 – Batalhão Rodoviário só deverá atender a ocorrência de acidentes em rodovias evitando a fiscalização de pista.

LEMBRE-SE: A CONCRETIZAÇÃO DOS NOSSOS ANSEIOS DEPENDE DA ADESÃO DE CADA UM DOS MILITARES DO ESTADO DE GOIÁS, DEPENDE DE VOCÊ.

MAJOR ARAÚJO
DEPUTADO ESTADUAL

sábado, 16 de novembro de 2013

"PM de Goiás pode parar" - Deputado Major Araújo



Major Araújo rasga o verbo e avisa aos comandantes de batalhões que a qualquer momento a paralisação da Polícia Militar vai acontecer.

sábado, 6 de abril de 2013

PM GO: NOTA DE REPÚDIO AO DELEGADO DO 8° DISTRITO DE GOIÂNIA


NOTA DE REPÚDIO

O Comando da Polícia Militar do Estado de Goiás vem a público externar sua indignação e total repúdio ao comportamento abusivo apresentado pelo delegado Waldir Soares, do 8º Distrito Policial de Goiânia, quando por volta da 01h00, do dia 06 de abril de 2013, atentou contra os princípios básicos de urbanidade e respeito no trato com o cidadão, desconsiderando um agente público, um Policial Militar, o Tenente EDSON LINS DE SIQUEIRA FILHO, que teve seus direitos e prerrogativas individuais e profissionais ignorados de forma inaceitável, ao arrepio da lei, sofrendo constrangimento e desgastes desnecessários.

O Policial Militar ofendido estará buscando a reparação dos danos e abusos sofridos nas esferas administrativa, penal e civil, iniciando o processo com a representação em desfavor do delegado Waldir Soares perante a Corregedoria Geral da Secretaria de Segurança Pública e Justiça e a Corregedoria da Polícia Civil.

Por fim, o Comando da Polícia Militar considera este lamentável episódio um fato isolado e reafirma sua consideração e apreço institucional pela Polícia Civil, reconhecendo a importância, o trabalho, o compromisso e os esforços despendidos em prol da segurança pública por todos Delegados, Agentes, Escrivães e demais servidores que compõem esta laboriosa coirmã, garantindo a continuidade de todas as parcerias e do processo de integração
entre as forças policiais goianas.
--
Fale com a Assessoria de Comunicação da Polícia Militar - PM5 através do:

- Talk: noticiaspmgo@gmail.com

- Fax/fone:3201-1460 / 3201-1461 / 3201-1453 (Clipping Imprensa)

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Policial Militar reage a assalto e mata três assaltantes em Goiânia


Um major da Polícia Militar reagiu a um assalto e matou três assaltantes que tentaram rendê-lo enquanto ele chegava na casa da namorada em uma caminhonete no Setor Moinho dos Ventos, em Goiânia, na noite de quarta-feira (31).
Segundo informações da polícia, o major entregou a carteira e a chave do veículo, mas quando os criminosos se dirigiram até o veículo, o policial levantou e matou os dois primeiros. O terceiro chegou a ser socorrido, mas não resistiu.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Carta aberta aos Militares Goianos


No último dia, 22/08/12, conforme decidido na assembleia anterior, novamente nos reunimos na Praça do Trabalhador para avaliar os resultados das mobilizações anteriores e decidir sobre novos passos a serem trilhados em busca de melhorias salariais, carreira e condições de trabalho, além de realizar o buzinaço pela Av. Goiás culminando em mobilização em frente ao Palácio das Esmeraldas com objetivo de sensibilizar o governador Marconi Perillo.

Nesse ato, computamos a presença de cerca sessenta valorosos militares comprometidos em lutar por essas conquistas. Sem maiores pesquisas podemos estimar que o efetivo ativo da PM e do BM somam aproximadamente quinze mil militares, além de uns sete mil militares inativos, perfazendo por baixo vinte e dois mil militares. Ora meus amigos, entendemos que nossa luta é em prol da categoria, jamais guerra de um, dois, ou meia dúzia.

Todos sabem que congregados e irmanados somos a maior força do Estado que priorizará nosso atendimento, já que a sociedade bem sabe da essencialidade de nossa presença e de nossa importância no combate diuturno aos criminosos. Entretanto, notamos a indiferença ou a pouca adesão dos militares na busca dessas conquistas em clara demonstração de que estão satisfeitos com as políticas adotadas pelo governo.

Importante salientar que o movimento organizado com participação total dos policiais civis rendeu-lhes proposta do governo de promoção imediata para todos os policiais civis, bônus de produtividade entre 5% e 20% e a redução pela metade dos interstícios para promoções, proposta não aceita pelos PCs que exigem garantia de proposta de piso salarial no pacote de negociações, lembramos também que os Delegados já conquistaram carreira jurídica, promoção automática, redução de interstício de quatro para dois anos e bônus de 5% a 20%, bônus alcançados, principalmente, através dos serviços dos Militares.

O objetivo de nossa mobilização é para que o governo estenda esses benefícios, também, para os militares, ou seja, que haja uma promoção automática a todos os militares, redução nos interstícios, bônus e manutenção da paridade existente atualmente entre militares e policiais civis.

Ao contrário nossa mobilização, mais uma vez foi classificada como um grupo minoritário, que não representa a maioria da Corporação. Apesar de termos realizado grandes movimentos e alcançado relevantes conquistas nossa participação atual denota satisfação e aceitação do distanciamento dos policiais civis dos militares, quebrando uma paridade alcançada através de muitas lutasdesde 2006.

Estamos muito preocupados com esse desprestígio aos militares, pois, se.se efetivar essa discriminação, dificilmente reconquistaremos as paridades dos Oficiais aos Delegados e das Praças aos Agentes de Polícia, hoje em vigor. As demais associações militares estão inertes e aliadas ao Comando e ao Governo.

O que está ao nosso alcance temos feito, apresentando projetos de promoção automática, aposentadoria aos vinte e cinco anos de serviço, limitação da jornada de trabalho, instituição de horas extras, ingresso anualmente de novos militares, dentre vários outros em tramitação e aprovados.

Contudo, nossa previsão é de que, se não unirmos urgentemente seremos seriamente prejudicados. Por isso a União dos Militares de Goiás - UNIMIL convoca mais uma mobilização no dia 05/09/12, às 15 horas, na Praça do Trabalhador, para decidirmos, definitivamente, sobre as estratégias a adotar, inclusive uma possível paralisação. Caso não haja a participação efetiva dos militares, para evitar maiores desgastes e gastos desnecessários a Unimil considerará cumprida sua missão de representar os militares goianos com relação a essas reivindicações, voltando a convocar quando julgar oportuno ou perante a manifestação de interesse da categoria.

Deputado Major Araújo
Presidente da União dos Militares de Goiás

domingo, 12 de agosto de 2012

PMs protestam contra mudança na escala de trabalho, em Goiânia

Eles dizem que estão sendo obrigados a estender a jornada de trabalho. Comando da PM nega que tenha obrigado os PMs a cumprirem o horário.


Policiais do Comando de Operações de Recobrimento da Polícia Militar (Core) fizeram um protesto na porta do 1º Batalhão, em Goiânia, na noite de sexta-feira (10). Os militares dizem que estão sendo obrigados a estender a jornada de trabalho.
Os 120 PMs que integram o grupo e 60 viaturas ficaram parados. Os militares alegam que receberam do comando a ordem para estender o expediente por mais três horas e que não foram avisados com antecedência sobre a mudança na escala de trabalho.
“Trouxeram para nós de maneira imposta a escala de 12 por 36 horas, que seria trabalhar em um dia e no outro não. Fora isso, ainda há a obrigatoriedade de trabalhar além do nosso horário”, reclama o sargento Santos.
“Perdi minha faculdade e meu direito de estudar. Essa situação está insustentável na polícia de Goiás. Toda a tropa está cansada e ninguém é voluntário para trabalhar nesse serviço. Trabalhamos com esmero e afinco e não temos nenhum reconhecimento”, destaca o soldado Vilas Boas.Continue lendo no G1 e assista o vídeo no G1

sábado, 7 de julho de 2012

APROVADO APOSENTADORIA ESPECIAL AOS 25 ANOS PARA AS POLICIAIS MILITARES DE GOIÁS

O Plenário aprovou, em segundo turno, nesta quarta-feira, 4, a Proposta de Emenda Constitucional nº 5.323/11, que dá nova redação ao inciso I, do § 12, do art. 100 da Constituição Estadual. Trata-se da aposentadoria aos 25 anos de tempo de serviço para as policiais e bombeiros militares femininas. A PEC foi aprovada por unanimidade, com 27 votos favoráveis.

A alteração tem por objetivo deixar expresso na Constituição o tempo de serviço necessário para a promoção a posto ou graduação imediatamente superior das militares estaduais goianas, quando da transferência delas para a reserva remunerada, garantindo-se a diferenciação entre elas e os homens, nos moldes da Constituição Federal.

Leia a seguir as palavras do Deputado Estadual Major Araújo:
"Em um processo cheio de momentos tensos, finalmente um desfecho feliz. Agora as nossas mulheres militares podem comemorar o fim do tratamento preconceituoso e degradante. A nossa sensação é de alívio e acima de tudo, dignidade. Gostaríamos de agradecer aos parlamentares que se sacrificaram para comparecer na sessão de hoje para esta votação, em pleno recesso , em sessão extra não remunerada. Com um quórum apertado, de 27 deputados presentes, a emenda foi aprovada unanimemente".