Seguidores

Mostrando postagens com marcador editorial do blog. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador editorial do blog. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 27 de outubro de 2015

O goleiro e a polícia...voltamos a Idade Média


           Dizem que o local onde o goleiro joga é tão ruim que nem grama nasce. Mas, quando o goleiro falha lhe xingam, os mais corajosos lhe jogam pedras, e se as falhas forem sucessivas o goleiro vai pra reserva. O time perde uns pontos na tabela, mas, todos continuam vivos, sãos e salvos. E o policial? Goleiro e policial tem a mesma missão de defender o todo, garantir que o "time" não sofra com os ataques dos adversários. No caso da polícia o adversário é quase invisível, está no meio de nós, está disfarçado entre os sacrificados trabalhadores brasileiros. Aliás, policial e o goleiro também são trabalhadores, e o goleiro tem até carteira assinada. Dependendo de qual time jogue profissionalmente, este pode ganhar até mil vezes o salário do policial, e se tomar um "frango", no máximo vai mudar de time, ganhar talvez umas quinhentas vezes o salário do tira. E o policial? O frango desse trabalhador ele paga, seja errando o alvo e acertando um inocente, daí aparece um monte de pseudos defensores da sociedade para lhe apontar o dedo, lhe acusar desta ou daquela atitude. Ou, o maior frango que um policial pode cometer é ser alvejado, morto, esquartejado, amarrado numa corda, arrastado, queimado...Este "goleiro" social é praticamente ignorado pelo "resto do time" e com raríssimas exceções, ninguém sabe como é a vida deste trabalhador. As condições insalubres ou perigosas, alguns têm noção apenas pelas cenas dos filmes. Mas, o policial não brinca de mocinho e bandido. Quando o tiro lhe acerta é real e sua família chora muito mais do que o frango do goleiro, ou do que a derrota do time de futebol.

           Num país em que ser corrupto é moda, defender valores significa andar na contramão, lutar contra a correnteza social. E não me venham falar daqueles policiais corruptos, assassinos. Indubitavelmente estes representam menos de 5% do efetivo das polícias. 

        A imprensa, o Ministério Público e por vezes a justiça são o reflexo do time social, que ignora o quão difícil é ser policial num país de terceiro mundo, com leis anacrônicas e uma classe política que adora ganhar eleição em cima dos erros da polícia, ou em cima da ausência desta nas periferias.

        Como seria bom se os "gols" que a cidadania sofre fossem resolvidos como se resolvem os problemas dos goleiros frangueiros...a dor de uma bala sofrida ou perdida é letal e incomparável com qualquer gol da Alemanha...Até quando a torcida vai culpar o goleiro (a polícia), pelo zagueiro, meio de campo ou o gol que o atacante perdeu? Até quando estes trabalhadores do Estados serão os culpados pela inércia dos técnicos, dos políticos, dos governantes populistas? Estamos voltado a Idade Média, onde a barbárie, a violência era banalizada...

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O que o Estado brasileiro está fazendo para proteger os trabalhadores da segurança ameaçados?


    Mais um agente penitenciário foi assassinado quando saía do serviço em Uberlândia. No mês passado foi uma agente feminina que foi alvejada quando chegava ao serviço em Uberaba. Antigamente os vagabundos raramente ameaçavam profissionais da segurança pública. De um tempo pra cá, esta prática virou rotina, e o pior, o que era ameaça está se consumando a dia após dia. Estão ameaçando e concretizando as ameaças. E o Estado, e aqui não falo apenas da administração, E o Estado seja o Ministério Público, o Judiciário? O que está sendo feito para coibir esses crimes? No começo do ano alvejaram um promotor de justiça. Meses atrás um outro promotor recebeu a denúncia de que estaria sendo vigiado, inclusive sua família, e que estaria correndo o risco. Imediatamente fizeram uma força-tarefa para protegê-lo, desmembrando os processos sob sua responsabilidade para os demais promotores, no intuito de enfraquecer o eventual criminoso. E quando aos agentes penitenciários, sócio-educativos, policiais militares, bombeiros? A vida não tem hierarquia, título ou brevês, A vida tem valor por si só. Então a máxima de que todos somos iguais perante a lei, de que todos devemos ter direito ao Direito Humano à vida, deve ser a máxima de qualquer governo. O que estão fazendo pelos agentes ou trabalhadores da segurança pública que estão sendo ameaçados de morte?

 Abaixo vem o comentário do senhor Cap. Leopoldo, reformado da PMMG:

  ESTA SEMANA FOI UMA DAS MAIS TRISTES QUE PASSEI EM MINHA VIDA, POIS NO INICIO DA SEMANA, UM SOLDADO MORTO NO BAIRRO MARIA HELENA/BH, DEPOIS O SGT SEGURANÇA DO VICE GOVERNADOR BALEADO E VEM A FALECER NESTE FINAL DE SEMANA, UM SARGENTO RECÉM FORMADO SE SUICIDA NO DESTACAMENTO, OURO CABO ACABA DE SE SUICIDAR COM UM TIRO NA CABEÇA NO INTERIOR, UM AGENTE PENITENCIÁRIO E ALVEJADO NO INTERIOR, OUTRO É TAMBÉM BALEADO EM LAGOA SANTA E MAIS UM MORTO. UMA TROCA DE TIROS EM BETIM, E MAIS UMA NOTICIA DE ENFRENTAMENTO ME SANTA LUZIA. O QUE ESTÁ ACONTECDENO COM A SOCIEDADE ORDEIRA, E COM OS AGENTES DE SEGURANÇA PÚBLICA QUE EXISTEM PARA GARANTIR O IR E VIR DESTA SOCIEDADE ORDEIRA? VI HOJE UMA CRIANÇA FILHA DO SGT MORTO, CORRENDO NO CEMITÉRIO, SEM TER A NOÇÃO DE QUE NUNCA MAIS IRÁ VER SEU PAI, E IGUAL A ELE SÃO VÁRIOS EM TODO ESTADO E EM TODO PAIS.
ESTIVE PENSANDO NESTA SITUAÇÃO, ESTA NA HORA DE SE REVER ALGUMA COISA EM PROL DA FAMÍLIA DESTE PROFISSIONAIS, E DELES MESMOS. O ESTADO TEM QUE SE MANIFESTAR, O ESTADO TEM QUE SE POSICIONAR, O ESTADO TEM QUE REVER ALGUMAS SITUAÇÕES. TAMBÉM OS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PUBLICA PM, PC, PF, PRF, GM, AG. PENITENCIÁRIOS TEM QUE SE UNIR EM PRO, DESTA SITUAÇÃO, TEMOS QUE PROMOVER UMA REUNIÃO E DISCUTIR UMA SOLUÇÃO E PROPOSTAS PARA SEREM LEVADAS AOS NOSSOS REPRESENTANTES E AO ESTADO. CAPITÃO LEOPOLDO

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

50 tons da morte da paz no Brasil

 
    Entra ano e vira décadas e mais décadas e o Brasil até hoje não encontrou um modelo de policiamento integrado, inteligente, planejado ou definido. Aqui tudo parece improviso, improvável e circo. Arma-se a barraca aqui, desloca e monta outro picadeiro ali enquanto aqueles que trabalham pela segurança pública ficam reféns do proselitismo político, do blá-blá-blá e da hipocrisia da classe política que nada mais é do que o supra sumo da sociedade brasileira. Códigos penais de 1940, presos com direito a indultos sob o argumento pífio de que "estão no bom comportamento", como se bastasse, para justificar o mal comportamento desses que os levaram às prisões. O Rio agora pode ficar acuado, (como senão estivesse há tempos), pelas ameaças virtuais dos "cumpadis" do tráfico que prometem matar cinquenta pms como vingança a morte do seu "herói", o Playboy. Que aliás de playboy não tinha nada. Trabalhava duro, organizava o crime, contabilizava o tráfico, orquestrava ações em bando como a que levou o roubo de dezenas de motos que estavam apreendidas num pátio público, para depois mandar devolvê-las só para fazer escárnio mesmo. Sabe como é...Tirar uma onda com a cara dos Estado dito organizado, mas, que até hoje, continua com a falaciosa propaganda do Rio pacificado. Das comunidades que na verdade são favelas sem os direitos sociais que as genuínas comunidades têm, e que por isso mesmo recebem esse nome. Se a ameaça dos asseclas de Playboy se confirmarem, o Rio poderá viver uma semana de terror, como se não estivesse vivendo e convivendo com esse fantasma há décadas. Assim como convive há décadas com as mentiras do Estado, com as promessas dos candidatos, com a mentira dos seus eleitores, igualmente falaciosos e que não cobram dos seus políticos. No Brasil basta uma roda de samba ou uma nova música sertaneja para anestesiar o povo, "vida de gado, povo feliz"...Então temos a bolsa família, "um crime pra comentar"..."Olha aí, a o meu guri olha aí"...Enquanto playboys sobem o morro e descem ao asfalto, para garantir um qualquer. Enquanto a segurança pública continuará sendo um grande mote de campanha eleitoral, no país do carnaval que se comemora o quê mesmo? A festa da carne, a carnificina nossa de cada dia. Então, podem morrer ou matar cinquenta, que nada altera o que aliena, o que nos anestesia...

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Segurança Pública do Rio em crise financeira, política, moral

   Depois da onda de roubos sucessivos no Rio de Janeiro, estado que vai sediar as Olimpíadas 2016, o governador "Pezão" resolveu dividir a culpa para os altos índices de crimes com a justiça. Segundo ele a polícia está fazendo o seu trabalho apesar das dificuldades. Inclusive irá contratar mais centenas de pms e policiais civis, mas, se a justiça manda soltá-los...Analisando a fala do governador até poderíamos dizer que ela está correta, que seria uma "verdade". Seria! Assim como não é verdade que o desarmamento da população soluciona os crimes.

   O PMDB, partido do governador, está no poder desde 2002, sempre apoiando a política fracassada de segurança do partido dos trabalhadores. Aliás, eles têm a maioria tanto no Senado como na Câmara de Federal. E aí, de que adianta essa maioria governador? Os juízes trabalham com leis. É redundante, mas, todos sabem que a justiça não cria leis. No máximo vota pautas polêmicas e por vezes impopulares, quando a hipocrisia política não quer encarar determinada polêmica. 

   Outra falácia que parte da mídia, muitas financiadas pelos governos não querem admitir, é que o desarmamento dos civis não tem relação nenhuma com os altos índices. Se assim fosse não veríamos ou viveríamos na idade da pedra com criminosos atacando suas vítimas com facas. De que valeu o referendo de 2003 que disse Não ao desarmamento? (Clique e leia mais sobre o referendo). Não é uma democracia? A vontade popular não deveria, em tese, ser respeitada? A voz do povo nesse caso, decididamente não foi a "voz de deus".

   Então governador do Estado do Rio de Janeiro, o senhor deveria era pressionar a bancada do PMDB no Congresso Nacional, especialmente o presidente da Câmara Federal, deputado carioca Eduardo Cunha, do mesmo partido do senhor, para que se mexa e vote as reformas de que tanto o país clama. Fazer teatro, jogo de cena para as emissoras e o povão desinformado já não faz efeito. O povo está sentindo literalmente na pele as consequências da inércia sua e de seu partido. Enquanto isso as verbas de gabinete dos deputados foram aprovadas. Enquanto isso os helicópteros das polícias estão parados por falta de recursos (lei mais...) para pagar as empresas que fazem as respectivas manutenções. Enquanto isso o senhor Secretário de Segurança Pública do mesmo Rio José Mariano Beltrame, está denunciado pelo Ministério Público pela compra de várias viaturas, em tese, com preço superfaturado. 

   Que se faça justiça governador...

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Tráfico de pessoas: direito internacional versus direitos (des)humanos


    As bandeiras que simbolizam posições patrióticas, que demarcam ou delimitam territórios, estão sendo desafiadas pelo direito internacional. Aliás, o que é mesmo esse tal direito internacional? Quando vemos milhares de africanos invadindo a Europa ou outras tantas centenas morrerem em naufrágios de navios repletos de imigrantes ilegais, sendo transportados como ratos e tratados por muitos como feras famintas é que me vem a mesma pergunta: o que é esse tal direito internacional? Deveria ser mais urgente essas preocupações humanitárias que estão muito além de um passaporte ou do que uma bandeira seja lá de que tribo for. A barbárie está no ar, mesmo depois do homem já ter ido à lua e planejando visitar Marte.

    O fato é que crescemos para fora, apenas sob a ótica de mercado, o lucro, mais valia; quando o paradigma deveria ser a educação, a felicidade ou a satisfação. O homem vai se tornando a cada dia refém dele mesmo, e prisioneiro de suas escolhas em torno do ter. Enquanto isso o ser é vendido, contrabandeado, subjugado feito mercadoria de baixo valor.

   Esse tal direito internacional deveria ser, muito mais ser do que um direito a ter. Enquanto as prioridades não forem humanísticas, colocando o lucro, o mercado como esteiras do ser, veremos cenas cada vez mais horripilantes e dantescas. Nenhum país está ou estará imune a fome, a doenças, a chegada de famílias desesperadas por um pedaço de pão. Imaginar que o direito internacional irá frear algo muito além dos direitos humanos, as necessidades humanas, a defesa da prole, o exercício do instinto de defender sua cria, seu estômago. Bolsa nenhuma de valores, exército nenhum, metralhadora nenhuma hão de vencer essas demandas. Ai dos policiais e militares que hão de enfrentar essas demandas pelo mundo na defesa de suas fronteiras...policiais que eventualmente usarão a força para remediar a falta de razão daqueles que governam ou que se dizem governantes, mas, colocam o homem sempre depois da propriedade ou do lucro.


    Mas, o que é mesmo direito internacional?

sábado, 16 de maio de 2015

"Sempre alerta": para que não mexam na previdência militar



        Imaginem o trabalhador que se aposenta cedo, (não tanto quanto deveria, pois é uma categoria que tem garantido na Constituição o direito ao pagamento da periculosidade/insalubridade, porém este direito é propositalmente esquecido pelos governos). Então imaginemos um cidadão que entra na PM com 18 anos e se aposenta com 48 anos, (quando deveria se aposentar com 43 se os 25 anos de serviços fossem respeitados). Então o Estado se valendo da experiência do militar que se aposentou "precocemente", lhe propõe 30% de abono permanência. Ou seja, o policial trabalharia para ganhar 30% do valor do que alguém da ativa, que na maioria  das vezes não tem, é claro, a experiência dos reconvocados. Nesse aspecto o Estado além de não precisar contratar, ainda paga um salario 70% mais baixo para o reformado. 


       Com o tempo será óbvio que o reformado reconvocado estará acostumando mal os governos, que logicamente tenderão a mexer na previdência, não para garantir os 25 anos reconhecidos pelo STF; mas, para estender o tempo de contribuição dos policiais. O fato é que ser policial não é tão simples como ser político por exemplo. Associações fiquem atentas!!! O lema escoteiro nos cabe muito bem nesta hora: "sempre alerta"!

 O mesmo poderíamos dizer do infeliz projeto que sugere ao policial que venda suas folgas. Com o tempo, mesmo o policial sendo voluntarioso, o Estado planejaria aumento salarial porquê? Basta o policial vender suas folgas, abdicar do tempo com seus parentes e amigos e enfim, vender sua paz, para suprir em dobro, a falta de efetivo, a falta de recursos do Estado para conceder aumento. Sinceramente, são projetos que nada trazem de evolução. Muito pelo contrário...Associações: "sempre alerta!".

sábado, 25 de abril de 2015

Aonde se esconde a honra?


 O que é honra? Poderíamos dizer que são comportamentos relacionados a virtudes, respeito, dignidade, honestidade. Mas, como esses valores são vistos ou encarados na sociedade hoje em dia? Com tantas notícias de escândalos de corrupção "ensinados" pela classe política ou governos não é surpresa nenhuma que aqueles representantes eleitos, de fato representam, ao menos em parte, o sentimento de muitos que compõe a base social, no sentido ruim é claro. 

 A cultura da malandragem sempre esteve na moda. O jeitinho, a vantagem sempre foram venerados. Diria que é uma deformação cultural nossa, inclusive reconhecida internacionalmente, quando Walt Disney criou o famoso personagem Zé Carioca, sujeito malandro, etc e tal. No Brasil se critica o ladrão, mas, se compra celular roubado. Se critica o traficante, mas, a cada dia o número de usuários aumenta. Se critica o corrupto, mas, sempre tem alguém esquentando recibos, para comprovar gastos que não existiram, burlando assim o fisco.

 Se a honra é um valor desbotado, desvalorado até, eu diria, o que pensar no termo honra militar? Aí é que esbranquecimento acontece com muito mais evidência. Primeiro no sentido composto do termo honra militar. A honra é e sempre será um atributo inerente ao ser. Essa dissociação é discriminatória e excludente em si. É como se houvessem duas sociedades, quando na verdade não há.  O que existe é uma única classe social com virtudes ou qualidades, defeitos ou distorções. Ao colocar o militar fora da realidade já o torna vulnerável. Porque sob qualquer aspecto que se enxergue, ou o veremos como alguém que só reprime, ou alguém que eventualmente deve ser reprimido por ser tido como algo acima de quem genuinamente é o seu chefe; o cidadão.

A dicotomia fica mais clara se olharmos no presente a realidade sem honra nas mortes inglórias das balas perdidas, ou de policiais executados durante o serviço ou fora deles; enquanto os políticos, (que deveriam ser igualmente os mantenedores da honra), fazem nada ou muito pouco para mudarem o "status quo". Mas, repito, de fato eles nos representam, no que de pior produzimos e somos.

 Onde fica a honra militar quando um secretário de segurança compra viaturas superfaturadas? Onde está a honra quando o crime desorganizadamente organizado enfrenta o Estado organizadamente desorganizado e no meio estão os alvos móveis das futuras balas perdidas, ou encontradas? Onde está a honra militar quando o Estado é confessadamente assaltado e esvaziado nas propinas e nas instituições atingidas pela ferrugem da corrupção? Aonde está a honra, sem militares? Aonde está a honra com fardas? Para que serve a honra, senão mero conceito abstrato e até aqui humanamente inatingível? Eles dirão..."Isso é um ideal a ser atingido"...Aonde se esconde a honra? Até quando obedeceremos quem desobedece nossos ideais?

quarta-feira, 15 de abril de 2015

ATENÇÃO ASSOCIAÇÕES, DEPUTADOS E TRABALHADORES: NÃO DEIXEM ACABAR COM A APOSENTADORIA ESPECIAL



   É com muita preocupação que vemos a notícia de que o governador Sartori, do Rio Grande do Sul irá propor alterações na aposentadoria de futuros servidores (leia mais no Zero Hora). Os professores que já podem se aposentar com 25 anos de serviço e a medida atingiria também os policiais militares, que apesar de ter o mesmo direito reconhecido pelo STF, ainda não foram reconhecidos pelos governadores e hoje têm que trabalhar 30 anos. Ao mesmo tempo em que o poder Executivo não paga o percentual de periculosidade/insalubridade; ainda ignora a aposentadoria especial para os profissionais da segurança pública. 


  No momento em que a dita esquerda chegou ao poder com discursos pseudo-trabalhistas, sindicalista e todos os "istas" que os vocabulários permitirem. Se essa proposta passar será mais um desrespeito a Constituição Federal, na medida em que esses direitos estão garantidos. Percebemos que a onda de peleguismo está disseminada e coincidentemente emerge nos estados que sediaram jogos da copa do mundo. A mesma copa que foi realidade com estádios superfaturados, (alguns sequer terminaram, como a do Mato Grosso). O governo federal que concedeu isenção de impostos para a organizadora Fifa, e agora precisa equilibrar as finanças aumentando impostos, cortando direitos trabalhistas, inspirando inclusive alguns governadores a ignorar a luta e conquista por direitos trabalhistas. Fico divagando e me pergunto; o que diria Getúlio Vargas, o gaúcho criador da CLT, as leis trabalhistas, criador da Petrobras. O que será que ele diria diante de tantos "progressos" promovidos pelos seus sucessores e até conterrâneos? 

   Governadores, saibam que algumas profissões são extremamente difíceis, seja pelo nível de estresse, seja pelo risco inerente, seja pelas condições de trabalho. Um ótima medida para os estados melhorarem suas finanças seria acabar com as pensões vitalícias dos governadores, que trabalham apenas quatro anos, no máximo por oito, tem trocentos assessores e sempre estão rodeados de segurança, motorista, cozinheiro. Ou seja, os governadores só têm o trabalho de sorrir para as lentes e levantar a caneta pesada para assinar os atos. A pergunta é obvia: quem trabalha mais no tempo e na intensidade, um policial ou um governador? Quem trabalha por 25 anos ou quem trabalha por 4 ou oito? Com todo respeito que vossas excelências merecem, um projeto desses não demonstra o mesmo respeito dos senhores para quem doa suas vidas na profissão nobre de zelar pela lei e pela ordem, de educar; enfim, de fazer o estado ser eficiente para que o os governadores saiam "bem na foto".

    Associações, sindicatos, deputados estaduais e federais, não fiquem parados esperando. Leiam a Constituição, se coloquem ao menos uma vez no lugar desses trabalhadores. Entre numa escola por um dia que seja. Participe de uma operação policial, (especialmente se for reintegração de posse), e sintam na pele o que esses trabalhadores fazem diuturnamente. Atenção trabalhadores: NÃO DEIXEM ACABAR COM A APOSENTADORIA ESPECIAL.

terça-feira, 7 de abril de 2015

"Direitos dos Mano Browns" e as liberdades da libertinagem...

 Foto: Luiz Cláudio Barbosa / Futura Press
Foto: Luiz Cláudio Barbosa / Futura Press


       Mano Brown abraça os amigos após ser liberado pela polícia.
   É incrível como as distorções vão se tornando a cada dia, o padrão de comportamento daqueles que se dizem progressistas e idealizadores de um país utópico para se viver.
     O cantor de rap conhecido como Mano Brown, líder do grupo Racionais Mc, teria ido à farmácia comprar remédios, porém sua carteira de habilitação estaria vencido, bem como o licenciamento do veículo atrasado. Para a sorte do contribuinte, Mano teve seu carro abordado e teria dito aos policiais que não tocassem nele. Chega ser hilário, sujeito não paga imposto e ainda quer pagar de "bichão", tenta dificultar o trabalho da polícia. E mais grave ainda é a postura do senador derrotado Eduardo Suplicy, nomeado recentemente como secretário de "direitos dos manos", dar apoio a postura anticidadã de Mano Brown. 
     O que é preocupante são os Estado paralelos criados dentro do Estado. A famosa ética da conveniência, cujo lema é: quando for com os outros, de preferência da oposição, vamos criticá-los, mas, quando for com um de nós, vamos vitimizá-lo, mesmo que isso vá de encontro ao que está escrito na letra da lei.
    Ora, o primeiro fato ato de alguém que se diz cidadão é pagar seus impostos, respeitar as leis. E se for um artista renomado, aliás, renomado justamente por criticar o trabalho policial; aí fica mais feio ainda. Mano Brown, quer falar mal da polícia, pague primeiro o imposto do seu carro, renove sua carteira. E mesmo assim, a sua adimplência não lhe dará imunidade. Você será abordado a qualquer hora do dia em que houver fundada suspeita. Pare de mimimi! Isso não combina com o estilo machão que você tenta aparentar. Ser macho é ser cidadão; não apenas da boca pra fora, não apenas na capa de um cd, num show. Ser cidadão é pagar imposto, é reconhecer as instituições do seu país. Se não vai morar e Marte...lá ainda não tem lei...
    E aos policiais que fizeram a abordagem nosso total apoio e respeito. Se falam mal da polícia tem que ter fundamento. Falam tanto em preconceito, mas, são os primeiros a discriminarem, a zombarem do Estado e por conseguinte dos cidadãos que o sustentam através dos tributos.

        Aliás, nunca é demais lembrar: quantos policiais morreram nos últimos anos, e não vimos nenhuma atitude do partido do senhor?! Quantos projetos ou leis o senador aprovou mesmo? Policial morrer em confronto é normal? Policial não é humano mesmo...acabei de crer...como diria Mano Brown: "pode crer"...
       Ex-senador Eduardo Suplicy, já está na hora de se aposentar. O senhor está confundindo liberdade com libertinagem...  

quarta-feira, 25 de março de 2015

ELEIÇÕES PARA ASSOCIAÇÃO DO TRIÂNGULO

     Dia 28 de março teremos eleições na AMT - Associação de Militares do Triângulo. Um entidade civil de direito privado, que foi criada com a intenção de proporcionar aos policiais, bombeiros e profissionais da segurança pública por um preço acessível. Quando esta foi criada a pretensão era abrir filiais, obter bons convênios, sugerir projetos de leis afins, que pudesse eventualmente melhorar o trabalho do policial que está na ponta da linha. Apenas os convênios, (com enormes ressalvas), foram acordados.

     Para o pleito de domingo próximo, duas chapas se apresentam, com raríssimas exceções, compostas de sócios que além de não ter histórico de ativistas, mal conhecem a administração da AMT. Sinceramente acredito que qualquer uma que vença os sócios perderão. A tendência é que seja mantida a estagnação, isso pra ser bastante, muito otimista.

       Deixo algumas perguntas para a reflexão dos senhores sócios que irão votar: 
     
     * Os diretores que eventualmente vençam as eleições poderão contratar parentes para gerir a AMT?
   * Aqueles que são funcionários da AMT, caso vençam as eleições vão pedir demissão ou entregar os cargos remunerados?
     * Qual a posição de ambas chapas em relação a prestação de contas, já que em ambas chapas, temos integrantes que nunca cobraram esse tipo de postura das diretorias anteriores?

      A verdade é que a culpa não é totalmente de quem gere, está no sócio que se omite, para manter a tradição do brasileiro. Espero muito sinceramente que quem vencer "queime" a minha língua e faça uma brilhante administração. E, que não faça relatórios me denunciando por um eventual "decoro da classe". Misturar público e privado geralmente não é muito inteligente...além de ser crime.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

POR QUE SERÁ QUE O SITE DO FIES NÃO FUNCIONA?


É muita coincidência para um governo que foi condenado pelo Mensalão, que está envolvido no escândalo da Petrobras; que até hoje não conseguiu esclarecer a morte do ex-prefeito Celso Daniel, que ameaçou entregar todo o esquema de corrupção na prefeitura de São Bernardo do Campo - SP. Não é estrando que o site do FIES apresente tantos problemas, justamente quando o governo federal fez cortes na Educação e já admitiu que gastou mais do que tinha? Será que tudo isso não seria proposital, uma forma de culpar o sistema de informática, quando na verdade é a falta de verba que estaria por trás do site inoperante?

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Policiais mortos: Será que vão mudar as leis quando começarem a matar os políticos?

           Final de semana de mais e mais ataques aos policiais do Brasil. Um tenente de Minas sofreu atentado, sendo o autor preso logo em seguida. Na madrugada de sábado um promotor de justiça foi alvejado por vários tiros, na cidade de Monte Carmelo - MG, e pai e filho também foram presos. No Rio foram quatro policiais baleados e quatro assassinados. (Clique e leia no Jornal Extra). Infelizmente esses fatos não são isolados; ao contrário fazem parte da rotina. E fazer parte da rotina significa aceitar as matanças, a caçada aos trabalhadores da segurança, da justiça, enfim, dos poderes constituídos, como sendo algo "normal", quando nunca poderia receber tal aceitação.

          A lógica do Estados é meramente capitalista, e matar um policial em alguns casos tem menos importância do que apurar um acidente de viatura. Comparem o tempo de apuração entre um acidente de viatura e a morte de um policial; imaginando que ambos ocorreram no mesmo dia?! Repor um policial morto é o mesmo de comprar uma viatura nova para substituir aquela usada? Não, decididamente o policial morto "dá prejuízo", pensão, seguro, dependentes...ao passo que comprar uma viatura superfaturada dá lucro em alguns casos. Pagar pela manutenção mais cara das peças, é mais vantajoso, e em parte tem o apoio velado da imprensa como no caso do secretário de segurança do Estado do Rio José Mariano Beltrame, que foi denunciado pelo Ministério Público daquela cidade, por improbidade administrativa, justamente por ter, em tese, assinado contratos onde o valor da manutenção das viaturas é superior ao valor das mesmas. (Clique aqui e leia a notícia no R7)

                 A resposta é óbvia: será que os governantes estão realmente preocupados com a vida de seus cidadãos? Se eles não conseguem proteger seus funcionários, quem acreditaria que eles poderiam proteger a sociedade civil honesta? Então como falar em Direitos Humanos? Policial de serviço é um ser jurídico desprovido de humanidade? Em que monstro jurídico ele se transforma?

                 Paralelamente o capitalismo vive como um parasitário e sobrevive das desgraças ao vender seguros, planos funerários, serviços privados de segurança etc. Enquanto não mudarmos as leis, reformarmos o Código Penal, de Processo Penal, reformar o ECA - Estatuto da Criança e Adolescente; enquanto não se diminuir as benesses para os presos em detrimento do cidadão de bem que trabalha e paga uma das maiores cargas tributárias do mundo; enquanto a sociedade não se sentir ameaçada pelas mortes dos policiais antevendo que amanhã poderá ser ele, o cidadão ou a próxima vítima de bala perdida ou encontrada; estaremos fadados às cenas de horror, num filme que parece não ter fim.  Policial morto vale menos que uma viatura amassada? Será que só mudarão as leis quando começarem a matar os políticos?


(obs: abaixo, arte extraída do jornal Extra, edição de 23/02/15, cujo o balanço, repito, feito apenas em relação ao Rio de Janeiro)











sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Quem é pior: ministro da justiça ou o ditador que patrocinou a Beija - Flor?

      O Brasil e seu patriotismo pirata com sua cultura sui generis, onde há décadas governos dos mais diversos vieses político ideológicos. Se é que podemos dizer que nesse país alguém é movido por essa ou aquela corrente doutrinária. Somos decididamente uma nação de acasos. Vários exemplos podem demonstrar essa maneira paradoxal de gerir o Estado ou do cidadão cobrar dos governantes posturas éticas ou constitucionais. O último carnaval do Rio de Janeiro é o modelo clássico de como somos casualistas. A escola de samba que sagrou-se campeã do carnaval 2015, foi patrocinada por um ditador da Guiné Equatorial; governo reconhecidamente corrupto. Porém qual das escolas de samba conseguem colocar o "bloco na rua" sem a ajuda da contravenção oriunda do jogo do bicho, dos jogos de azar, máquinas caça-níquel e cassinos clandestinos?

     Parte da imprensa e as redes sociais se manifestam ferozes contra a origem do mecenas da escola de samba Beija - Flor, mas, será que já se esqueceram dos grandes banqueiros de bicho? Será que se esqueceram das disputas por pontos com execuções sumárias e cinematográficas nas ruas do Rio de Janeiro? Qual a diferença da origem desse patrocínio ao dinheiro oferecido por um ditador africano, ou se fosse o Osama Bin Laden ou algum mafioso russo?

     Longe de defender tais ou quais exemplos de contravenção ou crime organizado. Mas, a polêmica não deveria nascer no enredo das escolas de samba, mas, sim no paradoxo que é ver um juiz ou a justiça ser pressionada por políticos, como no caso da operação lava jato, onde alguns advogados teriam se reunido com o ministro da justiça Eduardo Cardoso, visando frear as investigações ou no mínimo causar constrangimento para aqueles que participam daquela investigação. 

     Qual o país que nós queremos, o da contravenção mecenas das escolas de samba, onde todo mundo sabe mas, finge não saber, ou o Brasil que vive a maior crise de corrupção da sua história e muitos fingem que o ministro da justiça queria apenas tomar um cafezinho com os advogados dos réus na operação lava jato? Temos Estados dentro de Estados, submundos dentro de culturas ditas artísticas, mas, que na verdade servem para lavar dinheiro tanto como no mega esquema de corrupção da Petrobras, também batizado de "petrolão".

     Será que ninguém sabe que o Estado não garante saúde, educação e segurança? Então porque acreditar que o governo iria bancar o carnaval? Será que ninguém sabia que os jogo do bicho é que banca a maior festa brasileira?O que é mais grave, um ditador corrupto patrocinando escolas de samba ou o ministro da justiça tentando constranger a justiça para que os corruptos escapem impunes? 

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Até quando as mães dos policiais vão chorar?

Até quando iremos ao velório dos policiais e profissionais da segurança pública? Até quando a nossa indiferença está viva e nossa revolta morta? Não quero fazer poema, nem sensacionalismo. Mas, o que está faltando para que nós da segurança pública tomemos uma atitude diante de tanto descaso para com a classe de trabalhadores que garantem todos os políticos no poder e por conseguinte o sistema político vigente, apelidado por muitos como democracia? Mais triste do que o sangue que derrame nos combates de guerra nas capitais do Brasil, é o sangue praticamente coalhado nos corações de quem tem o poder de decidir e daqueles que elegeram estes que decidem...até quando??

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Dilma anunciou redução na conta de luz e descarta qualquer possibilidade de racionamento

Publicado em 23 de jan de 2013 https://www.youtube.com/watch?v=kNmJxnsAGG0
PRONUNCIAMENTOS - 23.01.13: A presidenta Dilma Rousseff afirmou na noite desta quarta-feira (23), em pronunciamento à nação, que, a partir desta quinta-feira (24), passará a vigorar a redução de 18% na tarifa de energia para os consumidores residenciais. Para o comércio e a indústria, a diminuição será de até 32%. O corte é ainda maior do que o anunciado pela presidenta em setembro de 2012: 16,2% para residências e até 28% para a indústria. Dilma também disse que o Brasil tem energia suficiente para o presente e para o futuro, "sem nenhum risco de racionamento ou qualquer tipo de estrangulamento, no curto, médio ou no longo prazo".

Comento: Como vocês viram, Dilma exercendo sua vidência, previu que o Brasil "não corria risco de racionamento ou qualquer tipo de estrangulamento", além de anunciar a redução na conta de energia elétrica. Puro blefe, pois, além de não reduzir a conta, ao contrário, ela aumentará os valores em até 40%.

Mas, o pior está por vir. Como todos que acompanham jornal sabem, o racionamento está por ser anunciado, é questão de tempo, justamente pela falta de água, redução na geração de energia. Agora imaginem um país tropical sem água? Como as indústrias de refrigerantes ou bebidas vão resistir a falta da matéria prima: água? Sem falar nos outros ramos de indústria; o que vai gerar um desemprego em proporções imprevisíveis. E agora PT, o partido que faz tudo, será que vão criar uma máquina que fabrica água? Não duvidem, desse pessoal podemos esperar tudo...eles se acham meio Midas, onde tocam vira ouro...o problema é que depois disso o ouro some...