Seguidores

Mostrando postagens com marcador ex-sd prisco. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ex-sd prisco. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

CANDIDATO A DEPUTADO NÃO PODERÁ VOTAR EM SI MESMO, UM CRISTO BAIANO

O candidato soldado Prisco não poderá votar em si mesmo
O soldado Prisco é o único candidato em solo nacional que concorre a um cargo público e não poderá votar em si mesmo. Isso porque as restrições impostas pela Justiça, desde as mobilizações que buscavam melhores condições de trabalho para os policiais militares em 2014, o impossibilita de sair de casa depois das 20 horas de segunda a sexta e nos finais de semanas e feriados a qualquer hora.
"Como as eleições ocorrem num domingo, Prisco, mesmo candidato a cargo público, não poderá votar em si e participar do processo de apuração. Até mesmo os presos provisórios podem exercer o direito constitucional de voto já que as urnas vão até eles", reclamou a advogada do candidato, Marcelle Maron.
Conforme explica a advogada, mesmo após os argumentos que embasaram o pedido de prisão de Prisco por 90 dias ter caído por terra (manuntenção da ordem pública durante a Copa do mundo no Brasil), o procurador-geral da república, Rodrigo Janot, continua a pedir a prisão do candidato por 180 dias em presídio federal.
"Não existe mais qualquer motivo para prisão. Como se não bastassem as restrições, querem que Prisco concorra ao cargo público atrás das grades? Não faz sentindo!", reclamou a advogada.
* Com informações da assessoria de comunicação.

sábado, 19 de abril de 2014

O que está por trás da prisão ilegal de Prisco, líder da PM Bahia?

Eu estava lá, não foi ninguém que me contou. Todos os policiais, bombeiros e servidores públicos que foram presos até  02 de agosto de 2013, por reivindicar salários, participar de atos públicos, ou que tenham sofrido prisão em função desses, foram anistiado conforme documento acima e link oficial LEI 12848. Na verdade o que o governo teme é que o movimento baiano se alastre por todo o Brasil. Em plena Copa do Mundo seria vergonha internacional, e mais, em ano de eleição ficaria mais evidente a falta de autoridade do governo. Governo aliás que sempre se mostrou não se preocupar com os trabalhadores da segurança pública, seja quando não vota a reforma do Código Penal que é anterior a 2ª Guerra Mundial, desde 1940. O Estado brasileiro também não tem um Fundo Nacional da Segurança Pública; não tem lei que regulamente o uso de algemas, coisa tão primária. Ou seja o governo do "Partido dos Trabalhadores" está contra os trabalhadores da segurança pública. E mais, em 2012 fizeram um teatro danado quando a mesma polícia baiana estava de greve, forjaram inclusive um tal mandado que teria autorizado escutas telefônicas aos líderes e deputados envolvidos naquele movimento. Até o momento não apareceu o mandado. Militares presos em Bangu I tiveram suas cabeças raspadas e tratados como criminosos, justamente por acreditar que viviam na democracia do Partido dos Trabalhadores. Agora me vem outra mentira, quando a presidente Dilma concede expressamente a Anistia Criminal até 2013 e o Ministério Público Federal ignora e manda prender o líder e vereador da PM Bahia, Marcos Prisco. Em quem devemos acreditar? Qual será a postura da categoria? É tudo tão bem orquestrado que chegaram a dizer que Prisco teria conversado, mesmo depois de preso no presídio de segurança máxima; de que não era para os policiais retomarem o movimento. Isso seria o mesmo que acreditar no papai noel, ou nas promessas de campanha do "Partido dos Trabalhadores"...a atitude que os brasileiros esperam do dito partido...é que votem imediatamente o segundo turno do piso nacional dos policiais e bombeiros, a chamada PEC 300. Para isso eles leram o projeto, mas, para ler as cláusulas abusivas da refinaria de Pasadena não conseguiram ler...

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

MPF pede ressarcimento de R$ 15,8 mi a PMs envolvidos em greve na BA

Órgão acusa entidade de militares de atuar como sindicato em paralisação de 2012, o que é proibido pela Constituição; líder grevista preso durante o movimento também é alvo de ação
por Mateus Coutinho e Fausto Macedo
O Ministério Público Federal (MPF) na Bahia entrou com uma ação contra os líderes policiais e a associação de PMs envolvida na greve da categoria realizada em 2012 no Estado. Na ação o MPF pede a dissolução da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares no Estado da Bahia (Aspra) e o ressarcimento dos R$ 15,8 mi gastos pela União com o envio das Forças Armadas para o Estado durante os doze dias de paralisação.
Também são alvos da ação o diretor coordenador-geral, da Aspra, Marcos Prisco Caldas Machado e os ex-coordenadores administrativo e jurídico da entidade, Zenilton Ferreira dos Santos e Fábio da Silva Brito. O objetivo do MPF é encerrar as atividades da Aspra que, no entendimento do órgão, atuou ilegalmente como sindicato durante os protestos. A Constituição proíbe os militares de formar sindicatos e realizar greve.
Durante a greve, Marcos Prisco, que foi expulso da PM em 2002, chegou a ser preso após a imprensa divulgar gravações telefônicas feitas pela Justiça em que ele era ouvido planejando supostos atos de vandalismo em Salvador. No mesmo ano, Prisco se candidatou à Câmara de Salvador pelo PSDB e foi o quarto vereador mais votado na cidade , liderando a coligação PSDB-DEM.
Associação sindical. No entendimento do MPF, a Aspra, “a pretexto de defender os interesses de seus associados, constitui-se verdadeira entidade sindical de militares” ao deflagrar a greve geral dos servidores da PM e Bombeiros na Bahia, em janeiro de 2012. Entre as reivindicações da associação estavam a criação de plano de carreira e melhorias das condições de trabalho – pleitos característicos de um movimento sindical.
Segundo o MPF, a Aspra, por meio de seus associados, patrocinou inúmeros atos de vandalismo cometidos durante a greve, como depredação e incêndio a veículos da rede de transporte público municipal e a viaturas. O estado de insegurança gerado pelos associados fez com que as Forças Armadas fossem para a Bahia, com um efetivo de 49 militares da aeronáutica e mais de 4 mil militares do exército. Segundo o MPF, a operação custou cerca de R$ 15,8 mi, em valores atualizados.
Na ação, assinada em 19 de dezembro, o Ministério Público ainda cita a denúncia proposta pelo órgão em 2013 que relaciona a greve dos policiais militares e a pressão para a aprovação da PEC 300, que tramita no Congresso Nacional  e prevê, dentre outros, a criação de um piso para todos os policiais do País.
Foto: G1
Comento: É simples demais...como a Rede Globo fez escutas telefônicas desautorizadas, portanto ilegais, haja visto que até hoje não foi apresentado o mandado judicial, autorizando a emissora a grampear os telefones dos líderes da greve. Inclusive grampearam telefones de deputados, igualmente sem autorização. Mais um crime! Manda a conta pra Globo!

quarta-feira, 13 de março de 2013

CAPITÃO TADEU CONFIRMA DOBRADINHA COM PRISCO PARA 2014



Desde o fim das eleições municipais, especulações em torno de candidaturas que representassem os policiais surgiram para o pleito de 2014. Na noite desta terça-feira (12), durante entrevista ao apresentador Zé Eduardo, no programa Se Liga Bocão, da rádio Itapoan FM, o deputado estadual Capitão Tadeu (PSB) confirmou dobradinha com o vereador Soldado Prisco (PSDB). O capitão ainda falou sobre a ocupação na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), no ano passado.

Em relação às eleições, o deputado afirma que a dobradinha é um pedido da categoria. “Os policiais querem e assim iremos trabalhar para isto. Eu sairei como deputado federal e Prisco como estadual”. O parlamentar ainda disse ter pendências para resolver, mas o acordo já foi fechado. “Estamos construindo uma relação e precisamos resolver pendências que são naturais na política, como a quantidade de votos e as outras dobradinhas”, completa. De acordo com as contas do deputado, para se eleger federal é preciso angariar 80 mil votos. Já Prisco necessita de 40 mil eleitores.

Questionado sobre a ocupação da Alba por policiais, no ano passado, o capitão assegurou não ter ocorrido uma invasão, mas que a situação se agravou após ordem judicial para restabelecer a segurança do local e o mandado de prisão ao Soldado Prisco.



Bocão news

sábado, 9 de fevereiro de 2013

PMs detonam condições de trabalho no carnaval


Os Policiais Militares do Estado da Bahia estão indignados com as condições de trabalho no carnaval de Salvador. Será pago apenas R$ 13,25 por hora trabalhada para combater o tráfico de drogas, apreender armas, combater a exploração sexual infanto-juvenil, separar brigas e combater todo tipo de criminalidade para trabalhar ininterruptamente por 12 horas, durante quatro dias de carnaval. A denúncia é do vereador soldado Prisco que se indignou ao ouvir a reclamação de dezenas de militares à Associação dos Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra), esta semana.
 
Em conversa com a equipe do Bocão News, o soldado Prisco declarou que em 2012, os Policiais Militares recebiam R$ 18,00/hora e neste ano houve uma redução, o que causou uma revolta entre os militares. Ainda segundo o vereador, a Guarda Municipal que no ano passado recebia R$ 20,00/hora, teve um aumento e agora passará a receber R$ 21,00/hora.
 
O problema vai ainda mais além. Alunos da Academia da Polícia Militar do Estado da Bahia também vão estar nas ruas realizando o policiamento durante a maior festa a céu aberto do mundo. “Um absurdo esta situação. Como se não bastasse o policial mal remunerado também vão usar alunos para fazer o policiamento?”, questionou.
 
E a promessa é de que as condições sejam as mesmas da Lavagem do Bomfim (17.01), quando os militares saíram do município de Feira de Santana, a 101 Km de Salvador, muitos sem tomar café, trabalharam até a noite apenas com o oferecimento de um lanche pelo comando da PM. “E muitos jogaram fora o lanche por causa da má qualidade e tiveram que arcar com o custo da alimentação”, reclamou Prisco.
 
“O trabalho durante o carnaval é penoso. Os militares estão expostos a todo tipo de perigo. Apreensão de drogas, armas, separar briga. O carnaval é a maior festa aberta do mundo, com pessoas embriagadas, assaltos e furtos. Este valor não condiz com o trabalho a ser executado”, reclamou o vereador.
 
Segundo o vereador soldado Prisco, durante o carnaval os policiais estão expostos, além do risco, a grande pressão dos comandantes. "São 12 horas sem parar, sem dormir, sendo obrigados a dobrar a atenção. Ano passado, por exemplo, tivemos um caso de um folião embriagado que tentou desarmar um policial”, avisa.
 
Durante o carnaval o vereador Marco Prisco estará nas ruas de Salvador ouvindo reclamações e sugestões dos PMs. “E tudo que será coletado servirá para a construção da pauta de reivindicações da categoria para 2013. Vamos continuar lutando pelos direitos dos militares”, garantiu.


Por: Leonado Santana/Site: Bocão News 

domingo, 7 de outubro de 2012

EFEITO PEC 300 PM LÍDER DA GREVE NA BAHIA É ELEITO




Maturidade política é o que vemos em algumas Capitais. Depois de muita arbitrariedade, prisões ilegais, exclusão em alguns casos, percebemos o quanto a tropa de alguns estados está unida em torno de seus líderes. É o caso do ex-soldado Marco Prisco, que foi eleito em Salvador - BA, com mais de 14 mil votos. Ou seja, nem tudo está perdido...

sexta-feira, 11 de maio de 2012

JUSTIÇA DETERMINA RETORNO DE MARCOS PRISCO À PM BAHIANA


O desembargador José Edivaldo Rocha Rotondano, do Tribunal de Justiça da Bahia, determinou no último dia 03 que Marcos Prisco deve retornar à Polícia Militar até o fim de duas ações que tramitam na Justiça envolvendo o ex-policial. 


Uma das ações é um mandado de segurança, impetrado pelo ex-policial no Tribunal de Justiça da Bahia, com base na lei da anistia (lei federal nº12.191/2010). Em função de recursos de parte a parte, tal ação já tem tramitação no Superior Tribunal de Justiça e no Superior Tribunal Federal. 

A Procuradoria Geral do Estado da Bahia foi comunicada sobre a decisão do desembargador na última terça-feira (08) e, em nota, informa que analisará o cabimento e a viabilidade de medidas suspensivas passiveis de interromper o caráter provisório da decisão.

O outro processo é uma ação ordinária, proposta à Vara da Auditoria Militar, cuja sentença, proferida em março deste ano, limitou-se a anular o ato administrativo de demissão dele. 

Líder grevista
Marco Prisco Caldas Nascimento ficou conhecido por ser o principal líder do movimento grevista de parte da Polícia Militar ocorrido em fevereiro deste ano. Coordenador da Associação dos Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra-BA), ele virou uma das peças chaves na negociação entre o grupo da corporação e o governo estadual. 

A vida de servidor público, entretanto, começou no ano de 1999, quando ingressou na Polícia.  

Dois anos depois de atuação na PM, Prisco foi um dos protagonistas da greve de 2001, ocasião em que a PM suspendeu completamente as atividades reivindicando melhores condições de trabalho e melhores salários e causou pânico total em toda a capital baiana. 

Por conta da repercussão ocasionadas pelo episódio e pela tentativa de aquartelamento na sede do 8º BPM/São Joaquim, ele foi demitido em nove de janeiro de 2002 e, com a exoneração, iniciou uma campanha junto a outro membros da categoria para a readmissão.

Fonte: Rota Policial
Blog da Força Tática 

sexta-feira, 23 de março de 2012

Marco Prisco, líder da greve da PM, é liberado pela Justiça

Marco Prisco, líder da greve da Polícia Militar da Bahia, foi solto na tarde desta sexta-feira (23). O alvará foi concedido pela juíza Andréia Paula Matos Rodrigues de Miranda, da 2ª Vara Crime. De acordo com Eládio Mendes, advogado da Associação dos Policiais, Bombeiros e de Familiares (Aspra), outros 11 grevistas também foram liberados pela Justiça.

Todos eles vão responder ao processo em liberdade. As denúncias continuam correndo na Justiça Criminal. Os acusados podem comparecer as audiências, mas estão impedidos de deixar o país. Priso e os outros 11 grevistas devem responder pelos crimes de incitação ao crime, roubo ao patrimônio público e formação de quadrilha.

Segundo Eládio, outras quatro pessoas já haviam sido liberadas. Todas são ex-oficiais da Polícia Militar. Seis oficiais da ativa permanecem detidos no Batalhão de Choque. O processo contra eles corre na Justiça Militar.

Prisco estava detido no Complexo da Mata Escura desde o dia 09 de fevereiro, quando a Polícia do Exército e a Polícia Federal cumpriram os mandados de prisão expedidos contra ele, que ocupava, junto com dezenas de grevistas, a Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (Alba).

O ex-oficial da PM é presidente da Aspra, entidade que iniciou o movimento de greve na Bahia no dia 31 de janeiro deste ano.

terça-feira, 13 de março de 2012

A VERDADE SOBRE A VIAGEM DO CABO DACIOLO À BAHIA

Abaixo leia documento sobre AS REAIS CONDIÇÕES e PROPÓSITOS da viagem do Cabo Daciolo à Bahia. 
        CLICK NA IMAGEM PARA AUMENTÁ-LA    

domingo, 11 de março de 2012

Conversa de Prisco e advogado Salomão cai na internet e mostra que Globo manipulou


Clique na imagem para ampliar!

O documento do Ministério Público onde parte da conversa de Marco Prisco e o advogado Davi Salomão foi colocado na internet no site " RapidShare" e acabou mostrando que a Rede Globo omitiu parte da conversa ocorrida entre os dois acusados. A notícia está caindo como uma bomba nas redes sociais, e está colocando em cheque a credibilidade e imparcialidade da Rede Globo de Televisão. O meio de comunicação foi o único que teve acesso ao áudio das escutas telefônicas, ainda, que o documento do Ministério Público pode levar a TV Globo a se justificar sobre o assunto. Na imagem, a conversa transcrita desmente que houve planejamento para tocar fogo nos veículos.

Colaborador: Claudio Medeiros

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Dep. Arnaldo Faria de Sá confirma que não houve autorização da justiça para os grampos contra Prisco e Daciolo

Escuta

Arnaldo Faria de Sá criticou a escuta que foi feita da sua conversa telefônica com Benevenuto Daciolo sobre as possibilidades de votação, antes do Carnaval, da PEC 300. Segundo lembrou o parlamentar, só o Supremo Tribunal Federal (STF) pode autorizar a escuta telefônica de um deputado federal, o que não teria acontecido. O presidente da Comissão de Segurança Pública vai solicitar providências sobre o caso à Mesa Diretora da Câmara e ao STF. O presidente da Câmara, Marco Maia, pediu que a Procuradoria da Câmara analise o caso.

Reportagem – Marcello Larcher e José carlos Oliveira
Edição – Marcelo Westphalem

Agência Câmara de Notícias

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

FURO! Rede Globo não tinha autorização para fazer escutas contra Prisco e Cabo Daciolo

            Informação que chega de uma grande amiga que está em Brasília, e faz parte do grupo de policiais e bombeiros, esposas e os deputados federais: Protógenes Queiros (PCdoB) e Mendonça Prado (DEM), visando transferir os polliciais e bombeiros do Rio, para os quartéis, bem como, conseguir o Habbes Corpus de todos os líderes que estão presos.

             Ainda segundo informações dessa fonte, ninguém sabe de quem partiu a ordem para grampear os telefones de Prisco e Cabo Daciolo; sendo que até agora não acharam a AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. Portanto a escuta foi ILEGAL.

             Num ato de desespero da Rede Globo, que pressentiu o enorme prejuízo com o carnaval, se a greve continuasse tanto no Rio como na Bahia, então, teria forjado, simulado essa autorização judicial que nunca existiu. A não ser que apareça com data retroativa...como nesse país tudo é possível...não duvidem!
                Isso abre um precedente perigoso...num país dito democrático...ao menos sabemos que Dilma de sua turma...aprenderam muito com a Ditadura Militar...não é?


Colaboração: Dri Borgo
             Anastácio - Blog No Q.A.P

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Vídeo de Ideli, Ministra do PT, orientando PMs em greve, inclusive Prisco. "Adoro a ‘coerência’ do PT!"


Este vídeo de 2008 foi publicado no Blog do Tupã. Nele você pode ver a atual ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti orientando como os policiais militares e bombeiros, que haviam tomado conta dos quartéis de Santa Catarina, deveriam fazer para ter o apoio da opinião pública. E faz o compromisso de mobilizar o então ministro da Justiça, Tarso Genro, para ver o caso dos processos administrativos, punições etc. Todos foram anistiados em 2011.
Observem também que o segundo do lado esquerdo de Ideli é o Marcos Prisco, que liderou a greve na Bahia e hoje está preso.
  
Ideli sobre o movimento dos militares e seus limites legais de reivindicação:
Eu acho muito importante chamar atenção, ter alguns eventos que possa permitir que a posição de vocês [militares] também venha a público. Vocês estão corretíssimos de fazer movimento buscando apoio popular, abaixo-assinados.
Ideli questionando a hierarquia:
Tem hierarquia, tem disciplina, então como é que reinvidica sem afrontar? Como é que pede, se não cumpre a lei? Reclama como?
 Fonte: prosaepolitica.com.br
 http://prosaepolitica.com.br/2012/02/14/video-de-ideli-orientando-pms-em-greve-inclusive-prisco-adoro-a-coerencia-do-pt/

TELEANÁLISE MALU FONTES - O PARTIDO DA IMPRENSA GOLPISTA (PIG) TORNOU-SE ALIADO

O Jornal Nacional acabou com a liderança de Marco Prisco sobre a paralisação da Polícia Militar da Bahia em seu 9º dia de greve e redefiniu radicalmente os rumos do movimento. Imediatamente após o telejornal de maior audiência do país, em sua edição da noite de quarta-feira, veicular gravações de ligações grampeadas, obtidas com exclusividade via governo, ressalte-se, entre o líder da greve, Marco Prisco, e outras lideranças do interior do Estado articulando o fechamento de rodovias baianas, e de policiais do Rio de Janeiro com lideranças políticas cariocas sobre a estratégia de usar a greve da Bahia como mecanismo de deflagração de uma paralisação nacional, a greve, o motim, a paralisação, ou seja lá que nome seja dado ao impasse que escancarou a violência em toda a Bahia, mudou completamente de feições. 


Diante do movimento em si, das suas consequências políticas (para o Governo do Estado e para a imagem da Polícia Militar da Bahia), e, sobretudo das consequências sociais, com cerca de 140 homicídios em pouco mais de uma semana, saltava aos olhos algumas avaliações de autoridades sobre o começo do desfecho na quinta-feira. Não foram nem dois nem três parlamentares e autoridades públicas a elogiar o desfecho do imbróglio e a afirmar em bom som diante dos microfones dos telejornais o quanto todas as negociações foram conduzidas com sensatez, fazendo com que tudo terminasse bem e sem derramamento de sangue (sic). 


OS ‘BAIRROS MAIS...’ - Como assim, ‘sem derramamento de sangue’? Ou estão todos completamente imbuídos de um esforço político cínico de negar o que se assemelha a tons de uma chacina de grandes proporções e estão banalizando índices de violência inaceitáveis, ou a expressão derramamento de sangue só teria sido digna desse nome se o sangue fosse dos militares, dos mais favorecidos ou se desse-se em bairros de classe média? O que houve senão um oceano de sangue quando uma cidade matou em menos de uma semana mais de 14 dezenas de pessoas? 


Embora os telejornais tenham veiculado e atualizado cotidianamente essa contabilidade macabra durante a greve, poucas dessas vítimas parecem ter nome, endereço, profissão. São os sempre PPPs assassinados de sempre, só que em escala aumentada durante a greve: os pretos, pobres, da periferia. Nesse contexto, também foram ilustrativas as entrevistas publicadas na Folha de S. Paulo quinta-feira, no mesmo espaço, de Fátima Mendonça, a primeira dama do estado, e de Cláudia Leitte. Não é que a sensatez estava mais presente nas falas da segunda? Para Fátima, os assassinatos foram todos nos bairros ‘mais...’. Assim mesmo, com reticências. Para o resto, ou os bairros ‘menos...’ a palavra usada foi ‘tranquilo’. 


LABORATÓRIO - Diante desses números, custa a crer, mas houve uma parcela da classe média que se considera do bem, amiga da pobreza, que, sentada, abancou-se nas redes sociais e protestou contra o sensacionalismo da imprensa por divulgar números tão alarmantes, como se estes fossem inventados nas redações. Achando pouco, anunciaram que fizeram uma espécie de antropologia participativa na periferia, um laboratório, diga-se. Pegaram seus carros e anunciaram superiores que fizeram rondas, da orla ao subúrbio ferroviário, da Graça à Suburbana, e nada de anormal viram, além de muita tranquilidade, é claro. 




Ô, mas para essa observação participativa ser crível, já que para essas pessoas a TV não é crível por preferir sensacionalizar, não seria mais honesto pegar um buzu na Estação da Lapa, na Estação Pirajá ou um trem no Terminal da Calçada? Sim, pois as pessoas intranquilas, assustadas, assassinadas, primeiro, não ‘passam’ de carro por esses lugares onde os antenados fizeram seus laboratórios de observação: ficam lá, moram lá; segundo, suas casas não estão assentadas sobre os trechos de fluxo do trânsito onde trafegam os carros. A população amedrontada não mora na faixa de tráfego da Suburbana, mas em ruas internas onde os observadores não entraram, em becos, vielas, casas e barracos sem muro ou proteção, a maioria com portas frágeis e não raro têm na vizinhança pequenos mas ferozes exércitos armados em guerra uns contra os outros por pontos de drogas. 



PIG - O outro aspecto ilustrativo da greve foi a observação dos modos como giram as engrenagens do poder e da política partidária antes e depois de conquistarem o poder. Todo e qualquer brasileiro sabe que o Partido dos Trabalhadores construiu boa parte de sua história atuando com estardalhaço nos bastidores de greves. Na Bahia, essa foi a primeira que o partido experimentou um movimento de grandes proporções e consequências estando no lugar de vidraça. Todo e qualquer leitor bem informado também sabe que, desde que chegou ao poder, o PT e seus seguidores que pensam e agem com o fígado e transformam toda e qualquer notícia envolvendo alguém do partido em coisa pessoal, em corpo a corpo desqualificador de quem fala ou escreve, dividiram a imprensa brasileira em duas categorias separadas por um grand canyon moral, ético e ideológico: a imprensa progressista, santa, ética, de um lado e o PIG, o partido da imprensa golpista, do outro, com os diabos que manipulam informações e só publicam mentiras para desestabilizar as lideranças petistas. Sim, os bastiões do PIG para quem divide a imprensa sob essa clivagem são a revista Veja e a Rede Globo de Televisão e, nesse contexto, o Jornal Nacional é tido como o legítimo filho do diabo. Continue lendo no Blog Conteúdo Livre:>>>>>>>>>>>>>