Seguidores

Mostrando postagens com marcador Eleições. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Eleições. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

MILITAR DE UBERLÂNDIA PODERÁ ASSUMIR CADEIRA NA CÂMARA DE VEREADORES

Cabo Emidio
Cabo Emídio foi candidato a Vereador e ficou como suplente nas eleições de 2012, em Uberlândia pelo PRTB na coligação Força Verde Amarela. Obteve 1.023 votos (0,30%). Segundo os bastidores políticos, a vaga a ser preenchida viria da vereadora Michele Bretas, que até a presente data não conseguiu prestar contas junto a justiça eleitoral. Por esse motivo, seria remanejada para alguma secretaria, abrindo vaga então, para o militar reformado Cabo Emídio. 

Vamos torcer para que a segurança pública tenha um representante à altura dos problemas e demandas que Uberlândia apresenta. Agora é aguardar pra ver...

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

E agora José; digo Marina? PT vence mais uma no seu projeto de poder


E agora Marina Silva? O Brasil tomou mais uma cacetada na moleira, ao ver o Tribunal Superior Eleitoral rejeitar a sigla da "Rede", partido criado pela própria Marina, visando as disputas eleitorais em 2014. Sinceramente nem acredito que ela seria de fato uma renovação na política brasileira, mas, de qualquer forma é revoltante ver o quanto o "Partido dos Trabalhadores" têm obtido sucesso no seu projeto de poder, não só para conservar as mazelas sociais, impedir as reformas de base e dificultar a vida de seus concorrentes políticos. Mais uma vez percebemos o quanto se faz necessário a reforma política e o quanto somos reféns dessa corja.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Paradoxo entre direita e esquerda: o melhor é o povo seguir em frente!

         
       Em 1964 o Brasil viveu a contra - revolução lutando contra a onda comunista que rondava a América do Sul. O país viveu vinte um anos de ditadura militar, até que o povo foi às ruas lutando por eleições no que ficou conhecido como Diretas Já. Vem o período (dito) democrático, com a promulgação de uma nova constituição e a ascensão da então esquerda ao poder em 2002, através do candidato que representava na época, os trabalhadores chegando ao poder.

       Nesses quase onze anos de poder, o país viveu vários escândalos de corrupção, ao mesmo tempo em que absolveu a maioria dos acusados e aqueles que foram condenados ainda continuam impunes. Como se não bastasse, as reformas de base tão propaladas pelo governo (tido como) progressista, não aconteceram e demandas e reformas na saúde, segurança, educação, tributária, política, transportes dentre outros sequer saíram do papel. Com a receita "mágica" de distribuição de bolsas, sob o pretexto de redistribuir renda aos miseráveis, o "Partido dos Trabalhadores" fomentou o parasitismo, ao invés de criar uma política econômica que pudesse fortalecer as regiões com menor potencial, levando empresas, fábricas etc.

       Diante da ressaca moral, da enorme decepção com a expectativa criada em torno dos "trabalhadores" no poder, que antes de conquistá-lo ostentavam a bandeira da ética; o povo começou a protestar à princípio nas urnas, com votações nulas ou embranco, que chegaram a trinta por cento do todo. Por conta desse desgosto, alguns segmentos pedem a volta dos militares ao poder.

       Militares no poder? Como assim? Que paradoxo é esse? Se há quase trinta anos o povo lutou para tirá-los, querendo o voto direto? Os próprios militares reclamam do militarismo, da forma arrogante como as coisas são colocadas, a rigidez, disciplina, organização, planejamento e até mesmo a violência de alguns setores mais radicais.
       
       O importante é que temos que defender a liberdade, a democracia e qualquer tentativa de atacar esses direitos está fora de qualquer cogitação. Se os militares querem o poder, conquistem através do voto, assim como fizeram os terroristas comandado pela atual presidente Dilma Rousseff. Portanto se os militares chegarem ao poder via sufrágio universal, jamais poderão ser chamados de ditadores.

       Os que são contra a volta dos militares, alegam que estes estão à serviço das elites. Eis que surge mais um paradoxo, pois o "Partido dos Trabalhadores", (as aspas são inevitáveis), para chegar ao poder, se aliou a grandes figurões que representam as elites ruralista, e são renomados na política nacional, como ACM - Antônio Carlos Magalhães na Bahia, José Sarney no Maranhão, Paulo Maluf em São Paulo. Aliás, esses mesmos figurões apoiavam a ditadura que o PT tanto combateu. A mais recente aliança foi do PT de Lula, pedindo apoio de Maluf para vencer a prefeitura de São Paulo. Fique a pergunta no ar, depois de 10 anos de poder, sem fazer nenhuma reforma, e aliado a esses políticos tradicionais e conhecidamente contumazes na arte de corromper, quem está à serviço das elites, os militares ou o "Partido dos Trabalhadores"? O Brasil pode até não ganhar a Copa das Confederações, mas, está liderando a Copa das Manifestações.
        
         Por Anastácio Blog No Q.A.P

terça-feira, 28 de maio de 2013

Três Estados podem ter candidatos militares à governador

Major Fábio confirma ser candidato a governador da Paraíba


Decidido: Major Fábio disse que, se depender dele, o seu nome será lançado candidato ao governo do estado em 2014. A declaração foi veiculada na manhã desta quinta-feira (23) pela TV Clube, de João Pessoa.


Na entrevista, o major declarou que tem conversado com amigos e familiares sobre o assunto, e todos têm apoiado a ideia. “Minha filha de 11 anos olhou pra mim e disse ‘pai, a hora é essa!’ Então, eu já sou pré-candidato”, informou o oficial.


Major Fábio acrescentou que “não pertenço a nenhum grupo político e pretendo lutar para melhor a saúde, a segurança e a educação”. 

Portal PM Brasil

Comento: Além da Paraíba, o Major Olímpio se anunciou pré-candidato em São Paulo e o ex-Bombeiro Cabo Daciolo, expulso por reivindicar melhores salários, também é pré-candidato pelo Rio de Janeiro.

 Para os que desacreditaram a PEC 300, está aí mais uma prova do quão ela está viva!!! A PEC 300 está muito além da questão salarial, ela trouxe para dentro da caserna a cultura cívica, reivindicatória, resgatou a noção de cidadania nos militares.

segunda-feira, 18 de março de 2013

POLICIAIS MILITARES CANDIDATOS A DEPUTADO


 

Nas próximas eleições de 2014 ,os Policiais Militares terão alguns nomes para serem observados como uma opçõa de voto pois os mesmos tem se destacado dentro da PMERJ no sentido de aumentar mais a sua participação na luta por dignidade. Hoje vamos falar de um Sargento chamado Aquino do Papa. Ele é de Ararauama , serve no 25°BPM e foi candidato a vereador por sua cidade , porém não conseguiu ser eleito e nem foi apoiado conforme tinha sido prometido por alguns e mesmo assim foi valente corajoso e seguiu em frente na luta. Também ficou preso injustamente em Bangu 1 por lutar por melhorias na PMERJ e responde ao conselho de disciplina na corregedoria da PM. Ele esteve recentemente em Brasília na luta pela aprovação da PEC 300 ao lado de outros militares e tem se mostrado um guerreiro insaciável nessa questão. Conheça mais sobre o Aquino do Papa em sua pg. no facebook: http://www.facebook.com/aquinodopapa.aquino Ele com certeza é um nome a ser levado em consideração nas próximas eleições para Deputado Federal ou Deputado Estadual , que os Policiais Militares do Rio de Janeiro devem considerar. O fato é que haverá uma grande união na PMERJ em 2014 , para eleger Policiais Militares para Deputado Federal e Estadual , tendo em vista as conquistas que os policiais Militares conseguiram , como a queda do intertício ,aumento salaria ,Proeis ,RAS ,etc... tudo isso graça sa disposição de Policiais que colocaram a cara na frente e arriscaram seu emprego para o bem estar de todos. Somos 40 mil Policiais em todo o Estado e se contar com os familiares, podemos chegar a mais de 100 mil pessoas , então fácilmente conseguiremos fazer 2 deputados. Nos próximos dias vamos estar falando de mais alguns Policiais Militares que são uma grande opção de voto para a familia Policial Militar.

Fonte: Blog SOS PMERJ

Comentário: Essa união é importantíssima. Parece utópica, mas, temos alguns bons exemplos na Bahia com o Prisco, no Ceará com o Capitão Wagner, no Rio o Movimento SOS  Bombeiros com o Major Márcio Garcia. Antes de qualquer coisa, é necessário que haja uma campanha para que os militares transfiram seus títulos, já que muitos não votam no domicílio eleitoral...dai muitos votos se dispersam...Para o governo, uma tropa unida é a pior coisa...

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Voto eletrônico: Hacker de 19 anos revela no Rio como fraudou eleição



Um novo caminho para fraudar as eleições informatizadas brasileiras foi apresentado ontem (10/12) para as mais de 100 pessoas que lotaram durante três horas e meia o auditório da Sociedade de Engenheiros e Arquitetos do Rio de Janeiro (SEAERJ), na Rua do Russel n° 1, no decorrer do seminário “A urna eletrônica é confiável?”, promovido pelos institutos de estudos políticos das seções fluminense do Partido da República (PR), o Instituto Republicano; e do Partido Democrático Trabalhista (PDT), a Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini.

Acompanhado por um especialista em transmissão de dados, Reinaldo Mendonça, e de um delegado de polícia, Alexandre Neto, um jovem hacker de 19 anos, identificado apenas como Rangel por questões de segurança, mostrou como — através de acesso ilegal e privilegiado à intranet da Justiça Eleitoral no Rio de Janeiro, sob a responsabilidade técnica da empresa Oi – interceptou os dados alimentadores do sistema de totalização e, após o retardo do envio desses dados aos computadores da Justiça Eleitoral, modificou resultados beneficiando candidatos em detrimento de outros – sem nada ser oficialmente detectado.

“A gente entra na rede da Justiça Eleitoral quando os resultados estão sendo transmitidos para a totalização e depois que 50% dos dados já foram transmitidos, atuamos. Modificamos resultados  mesmo quando a totalização está prestes a ser fechada”, explicou Rangel, ao detalhar em linhas gerais como atuava para fraudar resultados.
O depoimento do hacker – disposto a colaborar com as autoridades –  foi chocante até para os palestrantes convidados para o seminário, como a Dra. Maria Aparecida Cortiz, advogada que há dez anos representa o PDT no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para assuntos relacionados à urna eletrônica; o professor da Ciência da Computação da Universidade de Brasília, Pedro Antônio Dourado de Rezende, que estuda as fragilidades do voto eletrônico no Brasil, também há mais de dez anos; e o jornalista Osvaldo Maneschy, coordenador e organizador do livro Burla Eletrônica, escrito em 2002 ao término do primeiro seminário independente sobre o sistema eletrônico de votação em uso no país desde 1996.

Rangel, que está vivendo sob proteção policial e já prestou depoimento na Polícia Federal, declarou aos presentes que não atuava sozinho: fazia parte de pequeno grupo que – através de acessos privilegiados à rede de dados da Oi – alterava votações antes que elas fossem oficialmente computadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

A fraude, acrescentou, era feita em benefício de políticos com base eleitoral na Região dos Lagos – sendo um dos beneficiários diretos dela, ele o citou explicitamente, o atual presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), o deputado Paulo Melo (PMDB). A deputada Clarissa Garotinho, que  também fazia parte da mesa, depois de dirigir algumas perguntas a Rangel  - afirmou que se informará mais sobre o assunto e não pretende deixar a denúncia de Rangel cair no vazio.

Fernando Peregrino, coordenador do seminário, por sua vez, cobrou providências:
“Um crime grave foi cometido nas eleições municipais deste ano, Rangel o está denunciando com todas as letras –  mas infelizmente até agora a Polícia Federal não tem dado a este caso a importância que ele merece porque  ele atinge a essência da própria democracia no Brasil, o voto dos brasileiros” – argumentou Peregrino.
Por ordem de apresentação, falaram no seminário o presidente da FLB-AP, que fez um histórico do voto no Brasil desde a República Velha até os dias de hoje, passando pela tentativa de fraudar a eleição de Brizola no Rio de Janeiro em 1982 e a informatização total do processo, a partir do recadastramento eleitoral de 1986.

A Dra. Maria Aparecida Cortiz, por sua vez, relatou as dificuldades para fiscalizar o processo eleitoral por conta das barreiras criadas pela própria Justiça Eleitoral; citando, em seguida, casos concretos de fraudes ocorridas em diversas partes do país – todos abafados pela Justiça Eleitoral. Detalhou fatos ocorridos em Londrina (PR), em Guadalupe (PI), na Bahia e no Maranhão, entre outros.

Já o professor Pedro Rezende, especialista em Ciência da Computação, professor de criptografia da Universidade de Brasília (UnB), mostrou o trabalho permanente do TSE em “blindar” as urnas em uso no país, que na opinião deles são 100% seguras. Para Rezende, porém, elas são “ultrapassadas e inseguras”. Ele as comparou com sistemas de outros países, mais confiáveis,  especialmente as urnas eletrônicas de terceira geração usadas em algumas províncias argentinas, que além de imprimirem o voto, ainda registram digitalmente o mesmo voto em um chip embutido na cédula, criando uma dupla segurança.

Encerrando a parte acadêmica do seminário, falou o professor Luiz Felipe, da Coppe da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que em 1992, no segundo Governo Brizola, implantou a Internet no Rio de Janeiro junto com o próprio Fernando Peregrino, que, na época, presidia a Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj). Luis Felipe reforçou a idéia de que é necessário aperfeiçoar o sistema eleitoral brasileiro – hoje inseguro, na sua opinião.

O relato de Rangel – precedido pela exposição do especialista em redes de dados, Reinaldo, que mostrou como ocorre a fraude dentro da intranet, que a Justiça Eleitoral garante ser segura e inexpugnável – foi o ponto alto do seminário.

Peregrino informou que o seminário  será transformado em livro e tema de um documentário que com certeza dará origem a outros encontros sobre o mesmo assunto – ano que vem. Disse ainda estar disposto a levar a denuncia de Rangel as últimas conseqüências e já se considerava um militante pela transparência das eleições brasileiras: “Estamos aqui comprometidos com a trasnparência do sistema eletrônico de votação e com a democracia no Brasil”, concluiu. (OM)

por Apio Gomes, no portal do PDT, via Amilcar Brunazzo Filho/VIOMUNDO.COM.BR

domingo, 25 de novembro de 2012

A matança de policiais pode amadurecer a classe

     
      Os últimos anos têm mostrado aos trabalhadores da segurança, o quão se faz necessário o amadurecimento da categoria, além da maior participação nas discussões sociais para não se ver preterida nas mudanças que estão por vir. Nos últimos anos os profissionais da segurança começaram a ensaiar uma participação qualitativa, no intuito de resgatar a cidadania, cujo lema é moda (mais do que fato), entre os civis. 

       Esse amadurecimento vai desde a inserção nas redes sociais, organizando eventos, criando comunidades afins, blogues e sites com temas relativos à categoria, passando pela reivindicação de melhoras das condições de trabalho, salário, direitos trabalhistas, combate ao assédio moral, acesso aos Direitos Humanos, regulamentação da carga horária, pagamento de periculosidade/insalubridade, dentre outros.

        Inocentemente, muitos no seio da tropa acreditavam que esses benefícios, (alguns já previstos na Constituição Federal), seriam "doados" para a família militar como benesses, pela misericórdia e alguns eventos demonstraram que não é bem assim. Passeatas pela PEC 300, a famosa emenda constitucional que cria o piso nacional dos profissionais da segurança pública, assim como a PEC 308 para os agentes penitenciários e sócio-educativos, mostraram a esses profissionais o quanto é árdua a tarefa de cobrar seus direitos, e mais, o quanto é necessário que tenhamos políticos oriundos dessas classes. Pelo efetivo desses trabalhadores, somados ao parentes, amigos, estima-se que seja em torno de quatro milhões. Se compararmos ao número de deputados federais, por exemplo, a representação quase inexiste.

        Mas, não foram apenas os fatos recentes, como as pec's supra citadas, que despertaram a consciência política da classe, o surgimento de grupos do crime organizado, a matança e verdadeira caça aos policiais acabam por acelerar essa maturidade, onde podemos concluir que não é só com armas que se vence a violência. Precisamos de um pelotão de políticos enjangados em suprir as demandas da classe, e no jogo político a malandragem dos gabinetes é bem diferente da encontrada nas ruas, onde o inimigo está identificado, diferentemente das artimanhas políticas, onde se dá o tapinha das costas num dia e no outro se vende a categoria por interesses nada republicanos.

          Precisamos transferir os títulos de eleitor, para votarmos naqueles em que acreditamos. Temos que votar em candidatos da classe, em pessoas que conhecemos minimamente a sua história e depois de eleito, continuarmos nossa vigilância. Caso contrário, seremos refém do crime organizado armado, e da omissão organizada política.     

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A Politização dos Militares


 Avaliação dos resultados obtidos nessas eleições.
   Como observador atento da questão da politização dos militares podemos dizer que sua atuação foi dentro do esperado, podendo ser considerada como excelente. A politização de uma categoria não é algo que ocorre de maneira rápida, ainda mais em se tratando de militares.
Não podemos esquecer as lutas travadas ainda na década passada pelos organizadores da APEB e de outras instituições criadas por militares com o fim de defender seus interesses. As associações e os dirigentes, geralmente praças, foram atacados por todos os lados pelas instituições e até por alguns dos colegas. Uma das acusações mais freqüentes era que eles queriam se eleger, como se isso fosse algo ruim para a categoria.
Outra acusação, a que mais pesou na justiça, foi a que dizia que se tornariam sindicatos militares e haveria greves e mobilizações ilegais. Sabemos que essa nunca foi a intenção. Graças às associações e seus sites que muitos de nós fomos esclarecidos sobre nossos direitos e como responder legalmente em caso de abuso de autoridade, assédio moral etc.
Ainda na década passada alguns militares que se candidataram foram compulsoriamente transferidos para locais longínquos, muitos já conseguiram reverter a situação.
A politização da categoria está ocorrendo, e numa velocidade bem maior do que na verdade poderíamos supor, somente nessas eleições tivemos conhecimento de mais de doze militares eleitos para vereadores e um para prefeito, fora o que não soubemos ainda.Continue lendo na Sociedade Militar

terça-feira, 9 de outubro de 2012

MANIFESTO EM REPÚDIO À CORRUPÇÃO NO PROCESSO ELEITORAL DE UBERLÂNDIA EM 2012

Mais uma vez venho publicamente manifestar minha insatisfação e indignação com a FORMA BAIXA com que as ILEGALIDADES e PUTARIAS são jogadas para debaixo do tapete na cidade de Uberlândia.

No último dia 02/10/2012, a coligação POR UBERLÂNDIA (PT-PRB) protocolou uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral contra o vereador e candidato à reeleição FELIPE ATTIÊ (PROCESSO    111768.2012.613.0314), DENUNCIANDO O USO DA MÁQUINA PÚBLICA PARA ANGARIAR VOTOS E FAZER POLÍTICA, BEM COMO O ABUSO DE PODER ECONÔMICO E DE PODER POLÍTICO, pedindo ao fim a sua CASSAÇÃO, tanto do diploma do atual mandato de vereador, quanto do registro da candidatura deste ano (2012).

Passados três dias da apresentação desta ação, RECHEADA DE PROVAS DOS ATOS ILÍCITOS COMETIDOS POR ESSE CANDIDATO SUJO E CORRUPTO, eis que os dirigentes do PARTIDO DOS TRABALHADORES EM UBERLÂNDIA, Sr. FRANK RESENDE, presidente do partido, e Sr. MARINHO, dirigente da Coligação Por Uberlândia, ORDENARAM A IMEDIATA DESISTÊNCIA DA AÇÃO (PETIÇÃO PROTOCOLADA SOB O Nº 555.000/2012), JOGANDO PARA DEBAIXO DO TAPETE TODA A SUJEIRADA QUE JÁ ESTAVA SENDO APURADA PELA JUSTIÇA ELEITORAL.

Para mim, enquanto petista e integrante do Partido dos Trabalhadores, ME SINTO ENOJADO E ENVERGONHADO DE VER O PT DA CIDADE DE UBERLÂNDIA estar sendo dirigido e manobrado por pessoas CORRUPTAS, MERCENÁRIAS, INESCRUPULOSAS E BAIXAS.

Infelizmente o recém-eleito prefeito GILMAR MACHADO foi e é obrigado a engolir essas sujeiras dentro do partido, caso contrário não conseguiria ter sido eleito, mas também é certo que ele é CONIVENTE com muitas situações escabrosas iguais a essas e também apóia pessoas de índole e comportamentos no mínimo duvidosos.

Essa pessoas que são comprometidas com interesses SUJOS, e que atualmente se encontram dentro do PT de Uberlândia são tão baixas, que primeiro nos procuram, obtém provas e nomes de testemunhas de nossas mãos e poucos dias depois protocolam um pedido de desistência da ação. O que as fez mudar tão repentinamente? ainda mais para varrer para debaixo do tapete fatos de tamanha gravidade?

Nas eleições, Felipe Attiê foi reeleito com cerca de 8.000 votos, muitos desses conseguidos à base de jogos baixos e sujos, intimidação de eleitores e utilização da máquina administrativa da prefeitura e de servidores contratados "temporariamente" por intermédio de processos seletivos simplificados falsificados para beneficiar pessoas específicas.

Espero que o MINISTÉRIO PÚBLICO E A JUSTIÇA ELEITORAL não tentem ENTERRAR esta ação contra FELIPE ATTIÊ, candidato SUJO, INESCRUPULOSO e que ACHA QUE ESTÁ ACIMA DE TUDO E DE TODOS, inclusive da LEI.

Ele até mesmo acha que consegue e pode COMPRAR a tudo e a todos.

Dependendo do que fizerem nesta ação, PODEM TER CERTEZA, QUE LEVAREI O CASO ATÉ ÀS ÚLTIMAS INSTÂNCIAS JUDICIAIS E CORRECIONAIS, a fim de PEGAR TODOS OS CORRUPTOS ENVOLVIDOS NESSA VERGONHOSA MANOBRA assemelhada à de QUADRILHA.

Leonardo Silva (PETISTA LIMPO DE UBERLÂNDIA)
Uberlândia, 09 de outubro de 2012.


 

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

ÚTERO DA CIDADANIA



  Para aqueles que consideram as eleições um momento de brincadeira, descontração, é óbvio que irão pagar caro por subestimar o voto. Apesar das injustiças, já na falta de um financiamento público de campanha que desse a todos as mesmas oportunidades, onde um candidato gasta aquilo que não vai receber em quatro anos, enquanto o outro entra apenas com a imagem e as ideais, ainda sim, é importantíssimo as campanhas eleitorais. Se pensarmos que nossa sociedade é meramente futebolística, carnavalesca e o povo apático, que sabe de cor os capítulos de novela e ignora o julgamento do mensalão, por exemplo, ou a própria Constituição Federal, concluímos o quão importante é debater os problemas, apontar soluções e buscar alternativas. Somos tão atrasados, que o voto ainda é obrigatório. 

      Não devemos desperdiçar o voto, e não seria demais fazer analogia da urna com o útero, que nos remete ao prazer, a vida, a terra fértil. O voto é a semente da mudança. Mas, se quiseres enxergá-la como lixeira...serás lixo por conseguinte. Tão importante quanto votar é fiscalizar o seu candidato, seja ele eleito ou não. Nosso país tá cheio de "Tufão"...a cidadania somos nós, a justiça vem de nós, o desânimo também...pensar sem agir é em vão...não aborte (renuncie) a sua cidadania

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

BLOG DO CABO CLÁUDIO PROMOVE REUNIÃO ENTRE CANDIDATOS MILITARES DE BH


 A REUNIÃO PROMOVIDA PELO GESTOR DO BLOG DO CABO CLAUDIO DIAS (PRESIDENTE DO MOVIMENTO RET) COM OS CANDIDATOS A VEREADOR FOI UM SUCESSO E CONTOU COM A PARTICIPAÇÃO DOS CANDIDATOS: SUBTEN VILMO GOMES, CABO CLEOMAR, SUBTENENTE GONZAGA E SARGENTO WANTUIR ELÓI.

A PLATÉIA SELETA E INTERESSADA FOI COMPOSTA DE NOMES COMO GILBERTO (O INVENTOR DA EXPRESSÃO: "NOSSO POVO FARDADO", INTEGRANTES DO MOVIMENTO RET, PARENTES DE POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES E PRAÇAS E OFICIAIS DA CORPORAÇÃO.

TODOS ENALTECERAM A INICIATIVA DO CABO CLAUDIO CASSIMIRO DIAS EM PROMOVER A REUNIÃO E DESTACARAM QUE TAL AÇÃO SÓ TEM A SOMAR E CONSCIENTIZAR NOSSA FAMILIA POLICIAL E BOMBEIRO MILITAR.
Candidatos e participantes da Reunião Debate
SUBTENENTE VILMO GOMES
 SGT WANTUIR ELOI
SUBTENENTE GONZAGA
CABO CLEOMAR

APÓS A FALA DOS CANDIDATOS E EXPOSIÇÃO DE PROPOSTAS E PROJETOS A PALAVRA FOI FRANQUEADA AOS PRESENTES QUE INDAGARAM SOBRE A AUSENCIA DE MUITOS CANDIDATOS QUE PODERIAM PARTICIPAR E DAR SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DE UM PENSAMENTO COLETIVO E DE AMADURECIMENTO DA CONSCIÊNCIA POLITICA DE NOSSA CLASSE DE POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES E PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA.
OS CANDIDATOS PRESENTES DEMONSTRARAM TOTAL CONHECIMENTO DOS OBJETIVOS E PAPEL DO VEREADOR, ATRAVES DE UM DEBATE ORDEIRO, INTELIGENTE E DE ALTISSIMO NIVEL DE IDEIAS.
O MEDIADOR DO DEBATE CABO CLAUDIO CASSIMIRO DIAS PARABENIZOU TODOS QUE PARTICIPARAM DESSE MOMENTO HISTÓRICO PARA NOSSA FAMILIA POLICIALE  BOMBEIRO MILITAR E CONVIDOU OS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA DE OUTRAS CIDADES FAZER O MESMO PARA QUE ATRAVES DO DEBATE ABERTO E TRANSPARENTE POSSAMOS FAZER MAIS E MAIS POLÍTICOS COMPROMETIDOS DE FATO COM NOSSOS IDEIAIS E DE NOSSA SOCIEDADE COMO UM TODO.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

CONVITE AOS CANDIDATOS MILITARES À VEREADOR EM UBERLÂNDIA

  Como é sabido em vários pleitos eleitorais vemos muitos candidatos militares lançarem seus nomes, seja para vereador, seja para deputado. Pela quantidade, muitas das vezes a tropa fica dividida, ora não sabe em quem votar, ora não acredita na real intenção de alguns desses candidatos. Por isso é necessário que a informação chegue, principalmente aos eleitores, seja no conhecimento de todos os candidatos, nos projetos, na capacidade de sustentar suas ideias, até porque essa capacidade é que será necessária na câmara para ter sucesso na aprovação de algum projeto.

       Pensando nessas possibilidades e como forma de maturidade política seria interessante que TODOS os candidatos pudessem expôr suas ideias, levar seus projetos, convidar seus apoiares para uma exposição mediada, em local neutro e comporte parte da família militar.

       Este blog convida a todos os candidatos a vereador, sem exceções, para nos ajudar a organizar esse encontro. A ajuda virá já na divulgação do evento, onde cada vereador poderá trazer seus apoiadores e usar o momento para convencer aos presentes sobre a necessidade de termos um ou quantos forem votados, e elegermos vereadores militares. Só teremos voz se tivermos representação. Só melhoramos institucionalmente quando conseguimos eleger militares, e através deles conseguimos vários benefícios. Ainda que o vereador seja municipal e os policiais e bombeiros sejam estaduais, é importante termos representantes militares eleitos, para garantirmos o nossa voz em projetos importantes que estão por vir, como a MUDANÇA NA LEI DE PROMOÇÕES, PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE, ADICIONAL NOTURNO, PLANO HABITACIONAL, CRIAÇÃO DO COLÉGIO TIRADENTES, SITUAÇÃO DOS PENSIONISTAS, ISONOMIA DOS REFORMADOS, dentre várias outras demandas. Polícia vota em polícia, família de militar vota em militar. Só nós sabemos do quanto precisamos estar representados, e os candidatos civis, por mais que estejam informados, não sentem na pele tão claramente as demandas da categoria.

         Por isso reafirmo a ideia está aberta, precisamos da ajuda de todos, e peço aos interessados que façam contato no telefone 3232-0202, com o Ex-Soldado Marco Alexandre, em horário comercial. O ideal é que o encontro aconteça até o dia 15 de setembro.

          Boa sorte a todos em suas campanhas e que vença o mais preparado, o mais dedicado e o que mais respeita a família militar; e para tal, deverá se comprometer em comparecer nesse evento, que será apartidário!

          ANASTÁCIO - BLOG NO Q.A.P

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

VOTE EM NOVAS LIDERANÇAS CABOS E SOLDADOS, ESQUEÇA QUEM ESQUECEU DE VOCÊS...


Senhor Deputado, não quero levar a crer que com essa fala vossa excelência quer que os CABOS E SOLDADOS esperem mais 229 anos para que seja revisto a situação de promoção dos mesmo. Seria um tanto quanto injusto e surreal.



Ao ler sobre o pronunciamento do Excelentíssimo Dep. Sargento Rodrigues em seu site pessoal, pude ver que o quão inoportuno está a visão deste legislador para com o projeto a ser enviado ao governador em relação a promoção dos Cabos e Soldados de nossa Bicentenária PMMG. Mas não era somente ele, pois estavam com ele os presidentes das entidade de classe, CSCS, ASPRA, AOPM, COPM e UMMG e também o Comandante Geral que elaboraram um projeto para enviar para o nosso Governador Anastasia. O mais incrível é que estavam os Presidentes do CSCS e ASPRA que defendem a classe CB e SD, mas o mais revoltante é o presidente do CSCS que é o SENHOR responsável pela defesa dos interesses dos CABOS E SOLDADOS não ser contra nenhum tipo de reforma no sentido de melhorar a promoção de CB e SD. Quero dissertar sobre alguns pontos da nota de esclarecimento. Vejamos.
A) "É preciso esclarecer que, desde de 2008, estamos trabalhando para fazer a correção do modelo das promoções dessas graduações e postos, em face dos problemas gerados com o advento da Lei Complementar 95/2007". SGT RODRIGUES

Sabemos nós eleitores do célere andamento sobre a elaboração de um projeto de lei para beneficiar uma classe, mas senhor Deputado, levar 4 anos para fazer "correções na lei" é um tempo muito extenso.
B) "Em relação aos questionamentos de alguns cabos e soldados, que alegam não terem sido contemplados nesse projeto, esclareço que não há razão para INSATISFAÇÕES. Não haveria como contemplá-los, uma vez que o objetivo desta proposta é corrigir as distorções existentes nas promoções dos 1º Sargentos e dos Majores."  SGT RODRIGUES CONTINUE LENDO NO BLOG DA RENATA

Vote em novas lideranças: Cabo Júlio com vaga de deputado garantida, PMs e BMs perdem representação na câmara municipal.


Eleições contribuem para que suplentes de deputados tomem posseO eleitor que escolher um dos 23 deputados mineiros que disputam prefeituras vai contribuir para a posse do suplente da coligação dele

 Vai ter candidato a prefeito com torcida extra nas eleições de outubro. E os dedos cruzados não serão necessariamente de eleitores, mas de quem depende do resultado do pleito para assegurar cadeira na Assembleia Legislativa ou na Câmara dos Deputados. Vinte e três parlamentares mineiros se lançaram na corrida pelos governos municipais em 2012. O sucesso na disputa implicará a convocação de suplentes. Entre os possíveis substitutos, Edmar Moreira (PR-MG), que ficou conhecido como o deputado do castelo.

O primeiro suplente do PCdoB na Assembleia, Mário Henrique Caixa, já está na campanha do colega de partido Carlin Moura, candidato a prefeito de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. “É um amigo pessoal. Tem andado com a gente pela cidade. É natural que tenha interesse em assumir o meu cargo”, desconversa o parlamentar.

Veja estas palavras
"O candidato a prefeito de Juiz de Fora, na Zona da Mata, deputado estadual Bruno Siqueira (PMDB) não descarta uma força na campanha vindo do vereador pelo partido em Belo Horizonte Cabo Júlio, primeiro suplente da legenda na Assembleia. “Ele tem contato com os policiais da minha cidade. É bem possível que aconteça um pedido de votos para nossa candidatura. Vamos conversar sobre isso”, revelou Bruno."

Cabo Júlio – que responde a processo por suspeita de participação em esquema de superfaturamento de ambulâncias compradas com recursos de emendas parlamentares, conhecido como máfia das sanguessugas – tem ainda outro caminho para chegar à Assembleia: a vitória do deputado estadual Antônio Júlio (PMDB) em Pará de Minas, Região Centro-Oeste de Minas.

A entrada dos suplentes na Câmara dos deputados e na Assembleia Legislativa no ano que vem tem como base as coligações fechadas pelos partidos e os votos alcançados pelos candidatos nas eleições de 2010 para deputados estaduais e federais. Na hipótese de Bruno Siqueira e Antônio Júlio se tornarem prefeitos, a suplência iria para Getúlio Neiva (PMDB), que, por sua vez, é candidato em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri. Caso também vença, transferiria a suplência para Tony Carlos (PMDB).

A disputa em Belo Horizonte é outra que poderá implicar modificações nas bancadas da Assembleia. Indicado a vice-prefeito na chapa de Marcio Lacerda (PSB), o deputado estadual Délio Malheiros (PV) poderá ser substituído na Casa por Juarez Távora (PV). O parlamentar afirmou ser comum o trabalho dos suplentes pela vitória daquele de quem poderão “herdar” o mandato. “Em 2004, durante disputa para a Câmara Municipal, Carlúcio, então no PL, conseguiu três mil votos para a minha campanha. Tinha até um panfleto. ‘Vote no Délio e eleja o Carlúcio’”, contou o deputado. Em 2006, o parlamentar venceu a disputa para a Assembleia e seu cabo eleitoral, que se filiou ao PR, assumiu a vaga na Câmara.

Longa lista 

Assim como Cabo Júlio, Juarez Távora tem candidato para defender em Ipatinga, no Vale do Aço. A deputada estadual Rosângela Reis (PV), concorre à prefeitura e, se vencer, dará lugar ao suplente. Se a candidata vencer no município, e Délio virar vice em Belo Horizonte, o mandato iria para Dr. Damon (PV), que, no entanto, concorre em Itabira, na Região Central de Minas. E a sucessão não para. O próximo na lista é Antônio Henrique Sapori, candidato a vice-prefeito de Jairo Ataíde (DEM), em Montes Claros, na Região Norte do estado. O mandato, se todos alcançarem os cargos, ficaria com Ronaldo Vasconcellos (PV).

Uma sucessão de vitórias parecida com a do PV seria a responsável pelo retorno de Edmar Moreira (PR) à Câmara dos Deputados. Derrotado nas eleições de 2010, o ex-parlamentar, que teria omitido da declaração de bens um castelo construído em São João Nepomuceno, na Zona da Mata, avaliado em R$ 25 milhões, assumiria vaga na Casa se deputados eleitos em 2010 pela coligação PSDB/DEM/PP/PR/PPS se tornarem prefeitos. São eles Geraldo Thadeu, em Poços de Caldas, na Região Sul; Márcio Reinaldo (PP), em Sete Lagoas, na Região Central; Carlaile Pedrosa (PSDB), em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e Aracely de Paula (PR), em Araxá, no Alto Paranaíba. Em 2010, Moreira estava no DEM, partido do qual se desfiliou com a repercussão do episódio do castelo.

A “subida” dos suplentes depende ainda do número de pastas ou de parlamentares convidados a participar das administrações municipal, estadual ou federal. Hoje, quatro deputados de Minas na Câmara exercem cargos de secretário de Estado. Outros cinco ocupantes de vaga na Assembleia também foram convocados pelo governador para assumir postos no primeiro escalão do estado.


Editorial do Blog Cb Flávio do Samu: Meus caros amigos, o voto é uma coisa muito séria e portanto não podemos perde-lo. Principalmente nós policiais e bombeiros militares, temos vários dos nossos candidatos a vereadores em vária cidades do estado. Na Capital temos um vereador que é suplente de um deputado estadual que é candidato a prefeito em uma cidade do interior e esta liderando as pesquisas de intenção de votos, caso esse candidato a prefeito ganhe o que já é certo, o nosso vereador assumirá a sua vaga na ALMG em janeiro, e esse vereador é candidato a reeleição como vereador, isso quer dizer que aqueles eleitores (principalmente os mi9litares e seus familiares) que votarem nesse vereador além de perderem o seu voto ainda estará contribuindo para a eleição de um elemento civil, pois se o referido vereador for reeleito, em janeiro ele assumirá uma vaga na ALMG e quem assumirá sua cadeira na Câmartas Municipal de Belo Horizonte será o seu suplente na eleição de outubro. O nosso vereador e um dos seus cabos eleitorais mais forte que é o presidente do CSCS, não falam isso para ninguém, na minha opinião isso é omitir informações tão séria para o seu eleitor. Na hora de dar o seu voto para a reeleição de nosso vereador, pense bem, pois você estará perdendo o seu voto. Opção de candidato militar esta sobrando em BH.  

Fonte: Blog Cb Flávio Samu

terça-feira, 24 de julho de 2012

O potencial político dos Militares Estaduais nas Eleições 2012


Representação política da classe dos Militares Estaduais
Não dá mais para suportar tamanho descaso com a segurança pública no Brasil que só é prioridade nos discursos políticos, por ocasião das eleições. A classe dos militares estaduais encontra-se, como nunca, madura e unida o suficiente para se organizar, de forma democrática, para o embate político-eleitoral. Temos votos suficientes e consciência livre para demonstrar a nossa força nas eleições de 2012, contudo, precisamos evitar a dispersão e nos concentrar em torno de um projeto que melhor se aproxime dos nossos interesses como militares e cidadãos de Minas Gerais. Vamos já inserir novos representantes nas Casas Legislativas e nas Prefeituras por ocasião das eleições de 2012. Vamos dar, mais uma vez, demonstração de nossa união e competência. No Brasil e no Parlamento, quem não tem voz, não tem vez. Atrevo-me a colaborar com algumas ideias e passos que deveremos adotar desde agora. Restam ainda seis meses para o 1º turno das eleições, que será no dia 07/10/12, e ainda há tempo para tomada de atitude, mobilização e ação. Vamos começar com um vereador e chegar, num futuro próximo, a um Presidente da República.
1. Quantos somos? Na PMMG temos 44.788 militares ativos, 24.242 na reserva; no CBMMG temos 5.422 bombeiros ativos, 938 na reserva. Os pensionistas de ambas as Instituições estão em torno de 11.236 pessoas. Ao total, a nossa desprezada família militar estadual já soma 86.626 pessoas, sendo todos eleitores, sem contar nossos filhos com mais de 16 anos. Somos reconhecidas lideranças e referências no seio de nossas famílias, amigos e comunidade. Para cada integrante podemos agregar, minimamente, mais 10 parentes e amigos leais. Aí nossa força se multiplica para mais de 950.000 votos em todo o Estado. Seria o suficiente para termos deputados federais e estaduais, prefeitos e vereadores comprometidos verdadeiramente com nossa classe. O que temos assistido são políticos e politiqueiros que a cada dia não mais nos surpreendem com envolvimento em corrupção, e nada fazem de bom. Já os que ousam timidamente nos defender, por vezes se confundem e expõem as pessoas e as nossas Instituições em suas atividades parlamentares, sem verdadeiramente valorizar nossa classe e defender nossos interesses.
2. Como mobilizar nossa família? Cada integrante desta Família Militar Estadual e aí entenda-se o titular (Policial Militar, Bombeiro Militar e Pensionista), deve reunir e conscientizar seus familiares e amigos que estejam em condições de votar e convencê-los da importância deste projeto, se quisermos dar uma autêntica contribuição para a faxina na política e eleição de pessoas verdadeiramente éticas e comprometidas com as principais causas da sociedade: segurança, saúde e educação. Faça uma relação particular e nela evite, se puder, inserir o nome de outro PM/BM/Pensionista. Cada um destes deve ter a sua própria lista contendo minimamente 10 (dez) eleitores fiéis. Com a internet, esse processo se tornou muito mais exequível. Parece pouco e infantil, mas até o momento não conseguimos nem esta união e nem testar nossa capacidade máxima de interferimos num processo eleitoral.
3. Em quem votar? Teremos diversos candidatos militares ou civis. Vote naquele que se comprometer com as nossas causas e seja ético, trabalhador, de ficha limpa, com reconhecida capacidade de gestão e representatividade, com história e passado honroso. Comece por analisar os nossos candidatos militares e faça sua melhor escolha no âmbito do município em que votar. Vamos dar uma atenção especial para as grandes cidades, como Belo Horizonte, Contagem, Vespasiano, Juiz de Fora, Uberaba, Uberlândia, Montes Claros, Teófilo Otoni, dentre outras. Se tiver algum parente ou amigo por lá também, faça mais um esforço e canalize estes eleitores em prol desta nossa mobilização.
4. Qual o comprometimento vamos exigir dos nossos candidatos? (1) Jamais se comportar como os políticos atuais que assistem passivamente os reincidentes deslizes e são incapazes de reagirem por conta própria. Sequer aprovaram uma necessária reforma política e digna que o parlamento brasileiro tanto precisa; (2) Atitude, coragem e competência técnica para fazer com que o parlamento não só discuta, mas também promova as mudanças legislativas necessárias para a melhoria da vida do cidadão em coletividade; (3) Represente a Família Militar Estadual em todas as matérias que lhe são afetas, preservando as pessoas e respeitando as Instituições, sabendo tratar das questões nos ambientes devidos, com equilíbrio e maturidade. É tão prejudicial não elegermos representantes quanto elegermos pessoas irresponsáveis que, utilizando do nome da Corporação como plataforma política, desqualifique, por corrupção, falta de decoro ou falta de ética, nossa classe militar. Resumindo: é necessário um candidato moderno, ético, honesto, realizador, comprometido com a nossa classe e com os nossos valores militares. Assuma conosco esta ideia, vamos dar um passo à frente: sejamos responsáveis pelo protagonismo policial militar na política, vamos ser os autores da nossa própria história. Quem não decide seu destino o verá decidido por outros! Vamos construir nosso futuro político sem depender dos maus políticos no futuro! O nosso futuro está em nossas mãos!


Edição Nº 5 do Jornal On line da AOPMBM
Fonte: Blog AMIGOS DE CASERNA