Seguidores

Mostrando postagens com marcador DH. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador DH. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 14 de abril de 2015

Debate: Ciclo completo, Direitos Humanos, palestra de Ricardo Balestreri

Clique e assista na TV SINPOL DF

sábado, 17 de janeiro de 2015

Brasil (democracia do crime) mata mais traficantes do que a Indonésia e todos os dias...


            "O problema do esperto é achar que todos são otários" já dizia a minha avó. Sujeito quer levar a vida criminosa e de levar vantagens pelo mundo inteiro, achando que todo o resto é ingênuo e aí dá no que deu. 


         É lamentável que um conterrâneo morra de maneira tão precoce, num país tão distante e sabe-se lá se a família brasileira terá recursos para conseguir fazer o translado do corpo para o Brasil. Apesar que todos sabemos que pobre ele não é, não nasceu na favela, não tinha um sub-emprego, não recebia Bolsa Família.

         Muito se fala em Direitos Humanos e o que os desumanos direitos fazem contra o tráfico de drogas? Todos estão condenando a ação da justiça da Indonésia por executar o brasileiro, mas, e quantos viciados morreram ou morreriam sob o efeito maléfico das drogas que traficantes como o brasileiro vendem? 

         Falar em Direitos Humanos no Brasil, onde os direitos sociais são quase figurativos, onde o trabalhador que ganha salário mínimo tem que sustentar o preso que lhe assaltou e que na condição de preso acaba tendo mais direitos que o trabalhador não tem?!

         No Brasil mata-se sumariamente, todos os dias muito mais traficantes do que na Indonésia, seja pela lentidão da justiça, seja pelo excesso de recursos que incentivam a proliferação do crime, justamente quando a impunidade aumenta, seja pela ausência do Estado que deveria oferecer melhor escola, oportunidade de esporte, lazer, cultura. Daí quando isso não existe, vem o traficante brasileiro e "adota" um "di menor", até que o traficante rival o mate ou a própria polícia nas incursões às favelas o faça. 

        Mas, contra essa matança epidêmica fala-se pouco ou nada...e viva a democracia do crime...