Seguidores

Mostrando postagens com marcador Dilma demite Jobim. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dilma demite Jobim. Mostrar todas as postagens

domingo, 19 de agosto de 2012

MAIOR LIDERANÇA MILITAR BRASILEIRA, SERIA MUITO ÚTIL NOS DIAS DE HOJE...ONDE A HISTÓRIA SE REPETE...

Essa estátua, deJoão Cândido (Almirante Negro)  foi feita tardiamente, porém é válido o reconhecimento ao LÍDER DA REVOLTA DA CHIBATA, onde os marinheiros tomaram o comando de dois navios e mataram seus comandantes. Depois apontaram canhões contra o RIO DE JANEIRO, obrigado o presidente da república, a acabar com as chicotadas dentro da Marinha. Como esse líder cairia bem nos dias de hoje...CLIQUE AQUI E LEIA MAIS SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

"Conclusão: podemos considerar a Revolta da Chibata como mais uma manifestação de insatisfação ocorrida no início da República. Embora pretendessem implantar um sistema político-econômico moderno no país, os republicanos trataram os problemas sociais como “casos de polícia”. Não havia negociação ou busca de soluções com entendimento. O governo quase sempre usou a força das armas para colocar fim às revoltas, greves e outras manifestações populares."

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Dilma demite Jobim da Defesa após novas críticas ao governo


BRASÍLIA - Depois de ler a íntegra da reportagem da revista Piauí com o perfil e as declarações do ministro da Defesa, a presidente Dilma Rousseff avaliou que Nelson Jobim ficou numa "posição politicamente insustentável" e decidiu demiti-lo, no final da manhã desta quinta-feira, 4. Segundo fontes do Planalto, a presidente teria pedido para ele antecipar a volta de Tabatinga (AM). Dentre os nomes cotados para o lugar do ministro estão o do deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP) e o do atual ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo.

Ao contrário do que disseram alguns assessores do ministro da Defesa, a presidente não soube, "há um mês", que ele havia, em entrevista à Piauí, feito críticas às ministras escolhidas por Dilma depois da crise do caso Palocci, e que trabalham diretamente com ela no Palácio.

Jobim disse à revista que a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvati, é "fraquinha", e que Gleisi Hoffmann, ministra-chefe da Casa Civil, "não conhece Brasília". O ministro da Defesa considerou o governo Dilma "atrapalhado" pela maneira como, dois meses atrás, tratou da Lei de Acesso à Informação, promovendo vários recuos ao se posicionar sobre o sigilo dos documentos ultrassecretos - no final, a presidente optou por manter a proposta da Câmara, contrária ao sigilo eterno e permitindo que documentos ultrassecretos tenham sigilo de 25 anos renovado por apenas mais 25 anos. A outra proposta era favorável a renovar indefinidamente o sigilo.

Dilma ficou irritada como fato de Jobim ter se encontrado nesta quarta-feira, 3, com ela e, na audiência, não ter falado sobre as críticas às ministras. Antes da audiência, no Planalto, a presidente havia recebido no Palácio da Alvorada, o assessor de Jobim, o ex-deputado e ex-presidente do PT José Genoino. Ele não falou com Dilma sobre a reportagem da Piauí.

No início da noite dessa quarta, Jobim ligou para Ideli Salvatti, falou da reportagem e disse que as palavras dele estavam "fora de contexto". Ideli foi até a presidente e fez o relato sobre o que ouvira de Jobim.

Na manhã desta quinta, quando já estava na Amazônia, a caminho da Tabatinga, Jobim tentou falar também com a ministra Gleisi Hoffmann. A ministra-chefe da Casa Civil não quis atender Jobim e mandou dizer, depois, pelos assessores, que as opiniões do colega da Defesa eram "irrelevantes".

Vera Rosa e João Domingos, de O Estado de S. Paulo/blog da Renata