Seguidores

Mostrando postagens com marcador FAB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FAB. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 13 de julho de 2012

PF CUMPRE MANDADO NA CASA de SUB TEN da FAB

Três mandados de busca e apreensão são cumpridos nesta quinta-feira (12) na casa de um empresário – presidente de uma financeira – e de um sub-oficial da Aeronáutica em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Federal, que conduz a operação, o terceiro mandado é cumprido em uma empresa que estaria funcionando em nome de um “laranja” do presidente da financeira. Esta é a segunda fase da operação que combate crimes financeiros contra administração pública, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.

Sete pessoas foram presas no dia 31 de janeiro, na primeira fase da operação, que foi batizada de “Gizé”. Segundo a PF, dois dos presos são gerentes da Caixa Econômica Federal e os outros são presidente e dois vices, a contadora e o segurança da empresa Filadélphia Empréstimos Consignados LTDA, com sede em Lagoa Santa. A instituição atuava em 23 estados brasileiros.

As investigações apontam que a organização criminosa oferecia seguro de veículos sem autorização do Banco Central, da Comissão de Valores Mobiliários e da Superintendência de Seguros Privados. A Polícia Federal descobriu que a empresa atuava nos ramos imobiliário, da construção civil e de revenda de veículos. Uma igreja pentecostal também teria sido criada para lavar dinheiro.

Ainda de acordo com a polícia, muitas das vítimas trabalham na Aeronáutica. Os prejuízos giram em torno de R$ 10 milhões em todo o país. Ninguém da Filadélphia Empréstimos Consignados LTDA foi encontrado para falar sobre as acusações.

Na primeira fase da operação, foram cumpridos mandados em Belo Horizonte e Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A Polícia Federal informou que a investigação tem o conhecimento e a colaboração do Comando da Aeronáutica e da Superintendência de Segurança da Caixa Econômica Federal em Brasília.

Fonte: G1

quinta-feira, 14 de junho de 2012

O que a grande mídia não divulgou sobre os militares





























- Que em plena explanada dos ministérios, em março de 2012, ex-soldados da aeronáutica realizaram greve de fome tentando chamar a atenção para que sua situação fosse revista. 

- Que em 1º de março desse ano os militares das forças armadas empreenderam, liderados pela AMARP, uma manifestação em Brasília solicitando reposição salarial e pagamento dos 28%.

- Que no inicio de junho os militares conseguiram agregar um número jamais visto em manifestações virtuais no portal do Senado, mais de 350.000 pessoas.

- Que vários senadores têm questionado no senado sobre o motivo das baixas remunerações pagas aos militares federais em comparação com outras carreiras de estado.

- Que oficias da reserva das forças armadas brasileiras se manifestaram, também em um abaixo assinado virtual, contras declarações de membros do governo e ameaças de sanções aos presidentes dos clubes militares.

- Que os militares federais pretendem realizar em Copacabana, em plena Rio +20, uma manifestação para mostrar a sociedade a situação crítica que passam, causada por anos de defasagem salarial.

Definitivamente a imprensa nacional não tem divulgado para a sociedade brasileira as notícias sobre os militares das forças armadas.

Em contrapartida esses eventos são fortes indícios de que a sociedade militar brasileira tem adquirido novos hábitos e cada vez mais exposto suas demandas, numa intensidade cada vez maior.

domingo, 3 de junho de 2012

Governo quer cancelar anistia para os Militares excluídos FAB

Ministério da Justiça determinou a anulação de mais de 40 processos de anistia política dada a ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram desligados do serviço militar durante a ditadura. Depois de analisar os casos, uma comissão de técnicos decidiu que eles não tinham direito a benefícios concedidos pela Comissão de Anistia, baseando-se em parecer do Ministério da Defesa.

   Ao todo, são 2.530 processos que estão passando por revisão, mas a tendência é que a maior parte também seja suspensa pelo governo. A batalha jurídica acontece há pelo menos seis anos, envolvendo o ministério e a associação da categoria.

Os ex-cabos ganharam o direito à anistia política e à reparação financeira a partir de 2002, quando o Ministério da Justiça reconheceu que os militares haviam sido retirados da Força por motivação política. Porém, um ano depois, o Comando da Aeronáutica questionou a medida, alegando que eles saíram da ativa por meio de normas administrativas. A partir disso, iniciou-se uma disputa jurídica na Justiça Federal e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), além do Tribunal de Contas da União (TCU). Porém, ao avaliar o caso, o presidente do TCU, ministro Benjamin Zymler, afirmou que o caso deveria ser tratado pelo próprio Ministério da Justiça, a quem recomendou a revisão dos processos de anistia.

Uma portaria conjunta do Ministério da Justiça e da Advocacia-Geral da União (AGU), editada em fevereiro do ano passado, decidiu rever todos os processos aprovados entre 2002 e 2006. A revisão está sendo feita observando alguns critérios, como a localização geográfica e o contexto político da época em que os ex-cabos ainda estavam na ativa. Além disso, para que os processos não sejam anulados, o requerente tem que provar que foi forçado a deixar o serviço militar por motivos políticos. Conforme a portaria, as pessoas com ações ainda em análise continuam recebendo a remuneração mensal.

O pedido de anistia e a reparação foram baseados em uma portaria da Aeronáutica editada em 1964 — poucos meses depois do golpe militar —, que regulamentava o reengajamento de praças, determinando que os militares só poderiam permanecer na FAB por oito anos. Até então, o tempo de permanência na Força era indeterminado. Ao estabelecer limites, a Aeronáutica afirmou na época que a medida representava uma estratégia militar para renovar as tropas e também tinha como objetivo evitar movimentos subversivos na categoria.

Nos anos 60 ocorreram movimentos em torno de graduados das forças armadas, e manutenção das praças por pouco tempo em cada graduação foi uma das estratégias para desestimular as associações, principalmente de cabos. Olhando por essa ótica pode-se crer que as demissões podem ter sido por motivos políticos.

Dados de Correio Brasiliense // Livro Militares pela cidadania // Livro História militar do Brasil.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Sargento da FAB é preso no RJ por suspeita de praticar assaltos à mão armada

LUARLINDO ERNESTO


Rio - Acusados de vários roubos a pedestres na Ilha do Governador, os irmãos Rodrigo de Jesus Correia, 29 anos, sargento da Força Aérea Brasileira (FAB), e Renan de Jesus Correia, 27 anos, foram presos na manhã desta segunda feira . Eles ainda tinham um outro cúmplice, identificado como Luís Paulo Batista Pereira, 30 anos, que está foragido. Os três teriam cometidos vários roubos e as vítimas, atacadas quando caminhavam ou mesmo aguardavam ônibus nas ruas, disseram na 37ª DP (ilha), onde os suspeitos estão presos, que os bandidos são violentos, agressivos e agrediam as vítimas mesmo sem que elas reagissem aos assaltos.

Fonte: BLOG MONTEDO

sábado, 12 de maio de 2012

FAB destroi pista clandestina em Roraima

Triângulo vermelho mostra local onde pista clandestina foi ataca por caças da FAB neste sábado (12) (Foto: Divulgação/FAB)

Dois caças Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB) bombardearam uma pista clandestina de pouso e decolagem no meio da selva amazônica, a cerca de 200 quilômetros de Boa Vista, às 12h deste sábado (12). A pista destruída tinha 280 metros de comprimento e 15 metros de largura.

Foram usadas quatro bombas para destruição da pista, que chegou a abrir crateras de aproximadamente 10 metros de diâmetro de largura e três metros de profundidade. O ponto exato do ataque da FAB foi identificado durante um sobrevoo feito em 11 de abril e registrado por imagens em infra-vermelhos.

A ação foi acompanhada em tempo real pelo Comando da Força Aérea na Operação Ágata 4, que está em Manaus. "Esta pista, que era usada pelo garimpo irregular e ajudava a causar danos ambientais naquela região. Agora está interditada. Nenhuma avião consegue pousar ali", disse o brigadeiro-do-ar Marcelo Kanitz Damasceno, comandante da FAB na operação, em nota.Continue lendo no G1

domingo, 25 de setembro de 2011

CARTA DE TENENTE À PRESIDENTA

Marco Aurélio Reis - O Dia

Leitores ficaram na dúvida sobre o que diz em latim a abertura da carta enviada a presidenta Dilma Rousseff por tenente, que não se identifica publicamente, mas chama a atenção para abismos salariais na folha entre os militares das Forças Armadas e alguns grupos de servidores do Executivo, do Legislativo e até mesmo de governos estaduais. 

Em Latim ele cita a Bíblia, livro de Tiago no Novo Testamento, capitulo 5, versículo 4:

 
"Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras, e que por vós foi diminuído, clama; e os clamores dos que ceifaram entraram nos ouvidos do Senhor dos exércitos". 

Abaixo a íntegra da carta:

 
"Anápolis-GO, 18 de agosto de 2011.
 
Excelentíssima senhora Presidente da República Federativa do Brasil DILMA VANA ROUSSEFF
 
"Ecce merces operariorum qui messuerunt regiones vestras qui fraudatus est a vobis clamat et clamor ipsorum in aures Domini Sabaoth introjit". (Ia.5:4)
 
FABIANO BISPO DA SILVA (nome fictício), é Oficial da Força Aérea Brasileira (FAB), e ocupa o posto de Primeiro-Tenente-Aviador. Ele está lotado na Base Aérea de Anápolis, onde exerce a atividade de piloto do caça Mirage.
 
Anápolis sedia a Base Aérea que abriga o 1º Grupo de Defesa Aérea, cuja missão precípua é defender a Capital Federal de possíveis ataques externos.
 
O Mirage 2000C, que equipa a FAB, é um caça supersônico de interceptação, reputado como um dos melhores do mundo em sua área de atuação, e é utilizado para o policiamento diário do vasto território nacional.
 
Para pilotar essa aeronave de altíssima tecnologia, o Tenente Bispo passou por um árduo e primoroso preparo, que teve a duração de 8 (oito) anos, além de um imprescindível treinamento na França, que é o País de origem desse avião. Para ascender aos postos de sua longa carreira, Bispo passará ainda pelo Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, Escola de Tática Aérea e Escola Superior de Guerra, dentre outros; etapas difíceis, que exigem do aviador militar inocultável resignação.
 
Esse militar, por ser uma pessoa normal como outra qualquer, um cidadão comum, é casado e tem um filho, ainda em tenra infância; destarte, ele experimenta todos os problemas, vicissitudes e necessidades inerentes a um pai de Família.
 
Quem reside em Anápolis pode conferir as atividades noturnas que os pilotos realizam, muitas vezes sob densas chuvas, isto porque a vigilância do nosso território requer tempo integral, e porque as hecatombes pretendidas pelas nações em conflito ocorrem também em situações adversas, daí as intensas missões nessas intempéries; missões essas que submetem os militares a apertadas escalas de serviços, furtando-os do salutar convívio com seus familiares em preciosos fins de semana e feriados.
 
Remuneração mensal do Tenente Bispo: R$ 5.000,00 (fonte: Internet).
 
FELÍCIO MANSO DA PAZ (nome fictício), é Técnico Legislativo, em exercício no edifício anexo ao Congresso Nacional, na atividade de ascensorista de elevador. Remuneração mensal do Técnico Manso: R$ 14.000,00 (fonte: Internet).
 
Permita-me, senhora Presidente, dizer a Vossa Excelência que eu vejo algumas semelhanças entre o Oficial e o Ascensorista: Ambos são servidores públicos federais; ambos são profissionais competentes nos seus afazeres; ambos são pais de Família e laboram pelo sustento digno de seus entes queridos; e ambos lidam com painéis repletos de botões.
 
O Aviador, dentro da carlinga do ultra-sônico, com seus diversos e complexos comandos, protege a Capital Federal, com seus Três Poderes constituídos, bem como todo o território nacional; o Ascensorista, dentro do elevador, conduz as insignes potestades aos andares correspondentes aos seus gabinetes.
 
E, por falar em apertar botões, lembrei-me agora de um adágio, que diz que todos os trabalhadores têm o humano direito de cometer erros em suas profissões, exceto dois: O médico e o piloto de avião.

Eu mesmo não gostaria de ver o Tenente Bispo cometer o mínimo deslize, ao riscar o seu bólido os céus da minha cidade, porque ele transporta poderosas munições que, se disparadas equivocadamente, podem trazer-me problemas cá em baixo... A pedra, uma vez atirada, não volta atrás... Daí o meu anelo em vê-lo com a mente sempre sarada!
 
Já o Ascensorista, ao dirigir o seu elevador ao décimo terceiro andar, pensando tê-lo dirigido ao décimo quarto, leva, por causa da sua humana desatenção, apenas uma leve reprimenda da autoridade conduzida, e se beneficia logo em seguida da oportunidade de se redimir do seu equívoco.
 
Sim, eu vejo algumas paridades entre esses dois profissionais, que servem com fé e orgulho à nossa Pátria, mas vejo, também, uma disparidade absurda e inaceitável, que os separa com uma distância abismal: A remuneração!
 
"Ah, mas a profissão militar é um verdadeiro sacerdócio!" -, vociferam os mais açodados, no afã de inferiorização da categoria.
 
Se levarmos em consideração a situação um pouco mais amena das Polícias Militares de algumas das nossas Unidades Federativas, com remunerações mais vantajosas, veremos que a situação dos militares das Forças Armadas (FFAA) se mostra ainda mais recrudescida.
 
Ora, aplicando-se a lógica das remunerações, em seus aspectos vários, onde existe um único auxiliar que percebe vencimento maior que o seu titular? Nas Casernas isto é possível, visto que há Polícias e Bombeiros Militares com soldos superiores aos seus postergados similares, nas FFAA. Só que aqueles são auxiliares destes!
 
Outra casta "sacerdotal" assaz privilegiada com o agradável e abundante tilintar das moedas é a Polícia Federal (PF). É que esta, por lhe ser permitido arvorar a bandeira do sagrado direito de greve, galga hoje alturas salariais tão notáveis que, comparativamente a ela, PF, a FAB realiza apenas voos rasantes e reles ataques ao solo.
 
Idêntico gozo dessa graça vivem os "sacerdotes" da Polícia Rodoviária Federal.
 
Eis, senhora Presidente, de forma clara e sucinta, a síntese do assunto que aflige os profissionais engajados nas fileiras das FFAA, em menção os aviadores, que preferem o manche do Caça ao da Aviação Civil, por honra ao Azul-Baratéia.
 
Ao expor aqui essa realidade incontestável, na qual procurei aplicar palavras agradáveis, e escrever com acerto discursos plenos de verdade (quaesivit verba utilia et conscripsit sermones rectissimos ac veritate plenos), anelo fazer um apelo à sensibilidade de Vossa Excelência no sentido de que, se não puder resolver cabalmente esse imbróglio, pelo menos lhe dar um considerável lenitivo, uma vez que o militar frequenta, como qualquer outro mortal, os intricados labirintos do Universo mercantil; e a farda que ele veste não se lhe constitui uma capa de isenção aos meandros do vil metal.
 
Aliás, se atentarmos bem para a verdadeira justiça, a de comparação do "sacerdócio" militar com o lídimo sacerdócio judaico/araônico, que é o sacerdócio propriamente dito, instituído consoante a Vontade Divina, temos que observar o que propalam as Escrituras Sagradas, que dedicam ao sagrado ofício sacerdotal todo o capítulo 18 do Livro de Números, no Pentateuco, mostrando-lhe os direitos e deveres.
 
Transcrevamos apenas os versículos 12 e 13, por nos serem bastante suficientes:
 
"TUDO O QUE do azeite HÁ DE MELHOR, e TUDO O QUE do mosto e do grão HÁ DE MELHOR, as primícias destes que eles derem ao Senhor, a ti as tenho dado. OS PRIMEIROS FRUTOS DE TUDO O QUE HOUVER NA SUA TERRA, que trouxerem ao Senhor, SERÃO TEUS..." (grifo meu, visando dar realce).
 
Seria a classe militar das fileiras das FFAA o sacerdócio por muitos difundido? Caso negativo, mister se faz tirá-la o quanto antes dessa incômoda situação, igualando-a com as outras classes militares e policiais há muito tempo valorizadas; caso positivo, urge fazer com que esses olvidados sacerdotes sejam alcançados pela abençoada mercê outorgada por Deus aos seus colegas da dispensação veterotestamentária, conforme os textos sagrados supracitados.
Respeitosamente,"
fonte: Blog Notícias Militares