Reprodução do jornal O Dia
Reprodução do jornal O Dia
Nunca tomei conhecimento de nada parecido no Brasil. Os filhos dos integrantes do Corpo de Bombeiros para serem atendidos nas unidade médicas da corporação, mesmo que sejam crianças, têm que cumprir regras dignas do regime dos talibãs do Afeganistão. Criança de bermuda, camiseta regata ou boné não é atendida. E pasmem, em pleno século XXI, mulher não pode usar roupa que deixe os braços de fora, maquiagem e unhas pintadas com cores extravagantes e saias ou vestidos têm que estar abaixo do joelho. Quem não cumprir esses requisitos pode estar morrendo que não passa da porta.

Isso é para você verem o regime de terror imposto pelo comandante da corporação, o coronel Sérgio Simões, que traiu os bombeiros jurando na televisão que não puniria quem fez greve no ano passado, e nunca na história houve tantas punições, perseguições, prisões administrativas, e o pior expulsões sumárias, sem direito à ampla defesa. Até reuniões os bombeiros estão proibidos de fazer sob ameaça de expulsão por parte do coronel Sérgio Simões. Em código, os bombeiros chamam o comandante de Bin Laden, o chefe do regime talibã do Corpo de Bombeiros.

Aliás, no ritmo que as coisas vão na corporação, não vai demorar a que imagem abaixo feita num hospital do Afeganistão se repita no Corpo de Bombeiros, com as mulheres sendo obrigadas a usar a burca para conseguirem atendimento médico. O que é que é isso?

Colaborador: TEN QOR OSVALDO MERINO