Seguidores

Mostrando postagens com marcador araponga. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador araponga. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 20 de março de 2013

Polícia indicia PMs envolvidos em arapongagem no DF



Arapongagem em Brasília
A Polícia Civil de Brasília abriu inquérito contra os PMs João Aparecido Teixeira, Glaydson José da Rocha, Arnaldo Vieira Neto, Soraya Barbosa Sales de Almeida e José Jackson Recio Torres, todos envolvidos num esquema de arapongagem que tinha como centro a Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do DF.
Entre os alvos dos arapongas estavam desafetos de Agnelo Queiroz como o deputado Francisco Francischini. Mas, de acordo com as investigações, até mesmo Queiroz foi monitorado por seus PMs.
Por Lauro Jardim/Blog Radar on - line

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Ex-agente do serviço secreto da Aeronáutica está por trás dos mais recentes escândalos da República.

Dadá e o submundo dos grampos

Claudio Dantas Sequeira
ESPIÃO Antes de virar araponga particular, Dadá prestou serviços à ditadura: foi infiltrado no MST e monitorou políticos

Em meio aos efeitos devastadores da Operação Monte Carlo, que prendeu o bicheiro Carlinhos Cachoeira, arrastou para a lama o senador Demóstenes Torres e lança suspeita sobre dois governos estaduais e a empreiteira Delta, líder em contratos públicos, um personagem saiu da sombra: o espião Idalberto Matias de Araújo. Conhecido como Dadá, ele tem 51 anos, é ex-sargento da Aeronáutica e está preso em uma unidade militar do Distrito Federal. Dadá é apontado pela Polícia Federal como o principal articulador de uma ampla rede de gravações clandestinas que vem assombrando Brasília há pelo menos uma década. Documentos e gravações telefônicas já analisados por delegados que estão à frente da Operação Monte Carlo indicam que as ações de Dadá extrapolam em muito os limites do esquema montado por Cachoeira e não têm coloração partidária ou ideológica. ISTOÉ obteve, com exclusividade, documentos sigilosos sobre o araponga e conversou com amigos dele, ex-colegas de farda e do submundo da espionagem. Em seu histórico de serviços oficiais prestados ao Estado durante três décadas, Dadá acumulou prestígio invejável dentro da comunidade de informações e fez amigos, muitos amigos, entre políticos, empresários, policiais, promotores e procuradores. Quando deixou de trabalhar para o Estado, Dadá se valeu dos antigos relacionamentos para fins particulares e se tornou o araponga que mais atemoriza os poderosos de plantão. De acordo com a Polícia Federal, Dadá montou o maior esquema de espionagem da história recente do País. Trabalhando na sombra, ele serviu e ajudou a derrubar políticos influentes, como o ex-ministro José Dirceu, por exemplo. Teve participação ativa na gravação que revelou um esquema de corrupção e loteamento político nos Correios que levou ao escândalo do Mensalão e influiu na celebração de contratos públicos em diversos setores. Continue lendo no Blog FLIT PARALISANTE