Seguidores

Mostrando postagens com marcador ataque quartel. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ataque quartel. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 8 de maio de 2014

COMPANHIA DOS BOMBEIROS É ASSALTADA EM MONTES CLAROS - MG

MONTES CLAROS (10º BPM) em 074036Mai2014-Qua, no Bairro ACÁCIAS, os bombeiros militares que encontravam-se de serviço CIA ESCOLA do 7º BBM, instalada nas dependências do SEST/SENAT, foram abordados por três indivíduos armados. Os autores após amarrarem as vítimas em um alojamento, subtraíram um revólver cal. .38  nº de série: ZK433576 e dez cartuchos do mesmo calibre, da carga do CBMMG, além de três aparelhos celulares, um GPS tela 7" e R$125,00. (REDS nº 009754965).

blogdarenata

sábado, 25 de janeiro de 2014

Manifestantes jogam bomba em quartel da PM em protesto contra morte de assaltantes (onde vamos parar?)

Um adolescente de 17 anos e um jovem de 28 foram detidos depois de participarem de um protesto que terminou com ato de vandalismo na noite dessa quinta-feira (23), em Tupaciguara, no Triângulo Mineiro. Segundo a Polícia Militar, eles comandavam o grupo que chegou a jogar um coquetel molotov no antigo quartel da PM, no Centro da cidade. De acordo com os militares, cerca de 30 pessoas participaram do protesto, que terminou sem nenhum ferido.

O motivo da manifestação foi a morte de dois jovens, de 18 e 27 anos, que haviam participado de um assalto na noite dessa quarta-feira (22), em Monte Alegre de Minas. A PM informou que quatro indivíduos roubaram uma moto e fugiram por uma estrada de terra que liga Monte Alegre de Minas a Tupaciguara.
Após ser acionada, os policiais fizeram um bloqueio para capturar os suspeitos. Houve troca de tiros e os dois jovens foram atingidos. Eles chegaram a ser socorridos e levados ao Hospital São Lucas, mas não resistiram aos ferimentos. Os outros dois suspeitos continuam foragidos.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Polícia de Rondônia define ataque ao quartel como 'novo cangaço'


Policiais resgatam suspeito morto em troca de tiros. (Foto: Eliete Marques)
"É o novo cangaço. Os criminosos atacam as forças de segurança, sitiam a cidade e cometem os crimes que desejam", afirma o delegado da Polícia Civil Lindomar Bezerra, em referência ao confronto ocorrido nesta segunda-feira (13), entre uma quadrilha e a polícia em Campo Novo de Rondônia, o que deixou oito suspeitos mortos e dois policiais militares feridos. Pelo menos um criminoso conseguiu fugir.


De acordo com Lindomar, o bando invadiu o quartel da Polícia Militar em Campo Novo de Rondônia, quando havia somente dois policiais de plantão, e os fizeram de reféns. Armas e viaturas da polícia foram levados. "O estado do Mato Grosso é o celeiro desse povo, desta forma de agir aqui na nossa região. Tem muitos rondonienses que foram recrutados por esse bando que disseminaram essa forma de crime", conta o delegado, ressaltando que a quadrilha estava fortemente armada e ainda conseguiu se apoderar de dois fuzis, carabinas e outras armas no quartel da polícia.
Depois de invadir o quartel da PM, fazerem policiais reféns e roubarem armas, coletes e até fardas militares, os criminosos começaram a arrombar e assaltar vários comércios, além de uma agência do Correios da cidade. A secretária Fabiana Inácio, que estava trabalhando no momento da ação do bando, conta que a cidade ficou assustada.  “Parecia coisa de filmes; coisa de faroeste. No entanto, a princípio a gente achava que eram policiais, pois estavam com roupas camufladas. Depois começaram a quebrar os comércios para assaltar”, relata.
Os criminosos foram interceptados na BR-421 onde houve o confronto. Durante a troca de tiros em uma propriedade rural, um suspeito fugiu pela mata, e oito foram mortos.
"Todo o armamento da polícia roubado foi recuperado e também as coisas roubadas do estabelecimentos comerciais da cidade", explica o coronel da PM José Carlos Gomes da Silva. Segundo ele, o confronto que houve foi provocado pelo próprio bando que tentava fugir com os objetos roubados. No entanto, o coronel alega que a ação da polícia foi precisa e destaca que nenhum morador da cidade ficou ferido.
Agência do Correios de Campo Novo de Rondônia, RO, foi alvo dos bandidos (Foto: Eliete Marques/G1)
Agência do Correios de Campo Novo de Rondônia
foi alvo dos bandidos (Foto: Eliete Marques/G1)
Lindomar ressalta que a estrutura organizacional do grupo assemelha-se a forma de agir do cangaço da época de Lampião, pois eles escolhem cidades com pouca estrutura policial, como o caso de Campo Novo de Rondônia, rendem os policias, sitiando a cidade. Segundo ele, essa é uma forma de financiamento de facção criminosa que age dentro de fora dos presídios. "Esse formato de novo cangaço está no Brasil inteiro. Esse grupo que atuou hoje, ainda não podemos concluir se está ou não ligado a essa facção", afirma o delegado.
A Companhia de Operações Especiais (COE) e o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) estão no local fazendo buscas pelo criminoso que fugiu. As investigações até o momento, diz Lindomar, apontam o bando com apenas nove criminoso. Mas a participação de mais pessoas não está descartada.
Mortos e feridos
No quartel da PM, um policial foi ferido na região do abdômem e foi levado de helicóptero para o Pronto-Socorro João Paulo II, em Porto Velho. Segundo a PM, eles está fora de perigo. O outro policial foi ferido durante o confronto da BR-421, mas o ferimento foi superficial e também está fora de perigo.

Os criminosos mortos durante o confronto foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) para identificação através de digitais. Destes, três já foram identificados pela polícia. São eles, André Ferreira da Silva, Wilson Teles Damasceno e Valdinei Passos da Silva.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Quartel da PM é invadido por 15, oito morreram durante confronto (no país da copa...)

No inicio da manhã desta segunda-feira (13) vários bandidos fortemente armados invadiram o quartel da Polícia Militar no município de Campo Novo - Rondônia, a cerca de 105 Km de Ariquemes, renderam os policiais e roubaram vários armamentos sendo 2 Fuzis, 01 escopeta calibre 12, várias pistolas .40, coletes e 01 viatura Toyota Triton da PM.

Durante a tomada do quartel da PM o soldado PM Ranvanelli foi baleado no abdômen e socorrido ao município de Buritis.


Após tomar o quartel da PM o bando tomou dois policiais como refém e passaram a realizar roubos em vários comércios da cidade inclusive os dois bancos da cidade.


Por volta das 08hs40min o bando saíram da cidade na viatura roubada sentido município de Monte Negro na BR 421 onde no Km 90 se depararam com guarnições do GOE do 7º BPM, Base Móvel, NI e guarnições que estavam de serviço nos municípios de Monte Negro e Ariquemes e se deslocavam para Campo Novo onde ouve intensa troca de tiros e 7 bandidos foram mortos e segundo informações policiais o oitavo bandido conseguiu fugir e possivelmente está baleado.


Policiais Militares do GATE de Porto Velho desceram de avião para Buritis de onde pegaram viaturas locais e desceram para o município de Campo Novo.

APÓS INVADIREM QUARTEM DA PM 8 BANDIDOS SÃO MORTOS EM CONFRONTO
APÓS INVADIREM QUARTEM DA PM 8 BANDIDOS SÃO MORTOS EM CONFRONTO
Clique aqui e veja mais fotos no portal alertanoticias.com.br imagens fortíssimas!!!

sábado, 4 de janeiro de 2014

Caos no Maranhão: Quartel alvejado, ônibus queimado, presos decaptados (no país da Copa...)



youtube.com/tvguara23
Comento: Em qualquer país sério, no mínimo o ministro da Justiça, ou até mesmo o presidente da república já teriam se manifestado, inclusive com a eventual intervenção federal enviando tropas para o estado. No Brasil é diferente. No estado do Maranhão, para os que não sabem, é terra do senador José Sarney, que pertence ao PMDB; simplesmente o maior partido do país. Em ano eleitoral, qualquer fato que possa arranhar a relação do PT, partido da presidente Dilma, como seu maior apoiador, o PMDB, com certeza está fora de qualquer agenda. Enquanto isso a população continuará refém desse absurdo que chamam política...e os políticos que foram eleitos para resolver problemas, acabam por perpetuar as cenas violentas (clique aqui e leia), presos e, mulheres e crianças sujeitos às ordens de estupro dentro e fora das cadeias naquele estado; por acordos políticos. No país da Copa 2014: "Welcome"

domingo, 2 de dezembro de 2012

"O QUE ESTÁ MATANDO A POLÍCIA DO BRASIL"? Jornal The New York Times

São Paulo, a maior cidade da América Latina, continua a descer em um feudo de sangue violentos entre a polícia e um grupo de crime organizado, o Primeiro Comando da Capital, conhecida por seu Português iniciais PCC Em 2012, 94 policiais foram mortos na cidade - o dobro do que em todo o 2011. Entre julho e setembro, os agentes policiais em serviço mataram 119 pessoas na região metropolitana. Nos três primeiros dias de novembro, 31 pessoas foram assassinadas na cidade. Estas estatísticas escondem uma história mais profunda sobre as cidades latino-americanas, as forças policiais e da guerra contra as drogas.

Único erro Sra. da Silva foi a de que ela vivia em uma comunidade pobre. E, como um policial, que não estava sozinha. Quase todos os assassinatos de oficiais de polícia de São Paulo em 2012 aconteceu enquanto estavam de folga. Os assassinatos foram concentrados em partes mais pobres da cidade, muitas vezes ocorrendo em doorsteps oficiais. Os mortos tendem a ser conhecido em suas comunidades e viviam em bairros controlados pelo crime organizado, longe da protecção nas partes ricas da cidade.


Em cidades como São Paulo, os policiais mal pagos muitas vezes vivem lado a lado com os membros do crime organizado na alastrando periferias urbanas que foram negligenciadas pelo governo. Eles são muitas vezes designados para trabalhar em áreas distantes de suas casas. Quando em serviço, eles estão bem protegidos, mas quando fora de serviço, eles têm praticamente nenhuma segurança.


Na década de 1990, grupos criminosos como o P.C.C. emergiu de prisões violentas e começou a competir para o relvado urbana. Fraco controlo de armas de fogo, fronteiras porosas e um comércio lucrativo de drogas agravou a situação.


"Nós jogamos futebol juntos crescer", disse um policial chamado Andre disse-me recentemente de traficantes locais ", mas eu consegui ir para o caminho certo". André cresceu no Jardim Ângela, um bairro de São Paulo, que já foi chamado o mais perigoso do mundo pela Organização das Nações Unidas.


Sua infância se assemelhava a de muitas crianças pobres. Ele morava em uma casa construída por seus avós imigrantes e foi para uma escola pública. Quando adolescente, ele evadiu traficantes rivais, assim como os esquadrões de extermínio itinerantes de policiais fora de serviço da polícia. Comum em muitas cidades brasileiras, esses esquadrões anti-crime variam de vigilantes locais a grupos paramilitares, conhecidos como milícias.


Andre recentemente teve que fugir Jardim Ângela depois de membros de gangues pensou que ele tinha delatado-los. Agora, a fim de viver em relativo anonimato em outra parte da cidade, ele tem luar trabalhar três ou quatro outros trabalhos.


Muitos policiais atuais eram amigos de infância e colegas de membros atuais do crime organizado. Oficiais têm muitas vezes membros da família que são casadas com os criminosos e às vezes eles continuam a viver ao lado ou em frente um do outro. Polícia do Brasil a entrada tipo exames recruta por níveis de ensino, e criar barreiras à progressão na carreira e de mobilidade econômica. Sem deixar o trabalho para estudar para vários anos, não há maneira de subir a escada profissional em vigor no Brasil a polícia.


COM algumas maneiras para fora das comunidades pobres, os policiais encontrar outras maneiras de sobreviver. Alguns deixam suas armas e distintivos na estação de evitar ser identificado como policial. Outros assumem diferentes identidades em seus bairros - como professores de história, motoristas de táxi ou guardas de segurança privada - ou voar sob o radar de grupos criminosos por não socializar a todos. E há oficiais corruptos na folha de pagamento de grupos do crime organizado, bem como aqueles que optam por se tornar vigilantes.


Em junho, antes da atual crise, um policial me disse que coexistindo com o PCC teve a dinâmica de dissuasão de uma guerra fria e as consequências da vida real de destruição mutuamente assegurada.


Embora tentem, os líderes políticos não podem evitar a responsabilidade. Governador do estado, Geraldo Alckmin, tem visto este tipo de violência antes. Sr. Alckmin governou o estado antes de uma série de PCC ataques em 2006. E enquanto ele elevou os salários da polícia modestamente nos últimos anos, ele tem feito muito pouco para aliviar a exposição de baixo nível oficiais.Existe um abismo enorme entre o que os políticos acham que deve acontecer e as conseqüências de suas ações para policiais em áreas pobres. Na verdade, prometendo bater gangues em sua apresentação, como o Sr. Alckmin prometeu, stokes os fogos de retaliação. Sua afirmação recente de que "qualquer um que não tenha resistido à prisão está viva", uma frase também utilizada por um ex-governador para descrever o massacre de 1992 de 111 detentos na prisão de Carandiru, tem inflamado do PCC, enviou a contagem de corpos subindo e voltou São Paulo a uma era de repressão policial. E as vítimas são muitas vezes os alvos mais próximos e mais fácil - as pessoas como a Sra. da Silva.


Os policiais não podem viver até as expectativas do público quando eles estão preocupados em esconder suas identidades. Abordagens para a segurança pública precisa refletir esta realidade. Aumento dos salários e remoção de barreiras de carreira seria útil. Em última análise, porém, o Brasil e outros governos latino-americanos devem encontrar maneiras de tornar os policiais mais valorizados e respeitados em suas próprias comunidades, apresentando uma imagem mais simpática da força policial. Uma forma possível é tê-los oferecer outros serviços respeitados da comunidade como um segundo ou terceiro trabalho.


Anúncio na semana passada de que o São Paulo de segurança pública secretário e da região dois chefes de polícia foram disparados é promissor. Abertura a novas idéias e um cômputo frio com deficiências do sistema são desesperadamente necessários.De fato, sem uma nova perspectiva, a violência nunca pode realmente diminuir.


Graham Denyer Willis é doutorando em Estudos e Planejamento Urbano no Instituto de Tecnologia de Massachusetts.


Uma versão deste artigo de opinião apareceu na imprensa em 02 de dezembro de 2012, na página SR5 da edição nacional com o título: o que está matando Polícia do Brasil?.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Bandidos rendem policiais, roubam armas e viatura da PM em Bom Jesus (no país da Copa...)


Uma quadrilha composta por cerca de dez homens invadiu o município de Bom Jesus, na noite desta quarta-feira (24). Os criminosos foram até a base da Polícia Militar, renderam dois policiais que estavam de serviço e fugiram levando armas e uma viatura. A ação aconteceu por volta das 18h30.

Segundo informações repassadas pela própria polícia, os bandidos estavam fortemente armados e os únicos dois policiais não tiveram como reagir. A quadrilha fugiu levando pistolas e espingardas da base da PM, mas ainda não se sabe exatamente quantas armas foram roubadas.
Além disso, eles chegaram a levar a viatura, mas o veículo foi abandonado na cidade de São Pedro. Neste momento, várias viaturas da Polícia Militar foram deslocadas para a região e realizam buscas na tentativa de localizar algum suspeito. O município de Bom Jesus fica localizado 46 km de Natal.
Fonte: Blog da Soldado Glaucia

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

PM procura suspeito de colocar fogo em quartel de Marilândia, MG


A Polícia Militar (PM) realiza rastreamento com o intuito de localizar suspeito de colocar fogo no quartel de Marilândia, Distrito de Itapecerica no Centro-Oeste do estado, na noite desta terça-feira (2). De acordo com a polícia, alguém jogou uma garrafa pet com gasolina no pátio e ateou fogo.
As chamas foram controladas com a ajuda dos vizinhos e da própria polícia, mas as marcas ficaram no local. Segundo a PM, o suspeito foi identificado e tem passagens por tráfico de drogas.
Do G1 Triângulo Mineiro