Seguidores

Mostrando postagens com marcador blindado. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador blindado. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Traficantes turbinam carros para escapar da fiscalização em fronteiras


Grande parte dos veículos foi adaptada para o crime. Alguns carros são blindados e para dar mais potência muitos têm motor a turbo.



Contrabandistas e traficantes nas fronteiras do Paraná aderiram aos carros turbinados como maneira de escapar da fiscalização.
Durante uma perseguição, o motorista de um carro, lotado de cigarros - fez uma ultrapassagem em alta velocidade. Imagens mostram o motorista ultrapassando vários carros. Ele só parou depois de bater no caminhão.
"Isso na grande maioria são pessoas que - na prática - foram aprendendo, foram se especializando, foram buscando técnicas de corrida”, diz o delegado da Receita Federal, Paulo Sérgio Bini.
No saldo das fugas em alta velocidade, latarias amassadas, vidros quebrados, pneus no chão,
Só no pátio da Receita Federal, em Cascavel, são mais de mil carros.
Grande parte dos veículos foi adaptada para o crime. Bancos retirados para dar espaço às mercadorias. Alguns carros são blindados e para dar mais potência muitos têm motor a turbo.
Em Foz do Iguaçu, um utilitário que transportava cigarro teve o motor adulterado e, segundo a polícia, atingia mais de 200 quilômetros por hora em poucos segundos. O auditor da Receita Federal, Sérgio Barbieri, conta a surpresa que teve numa apreensão feita na região.
"O carro era preparado para a corrida, com o motor preparado e o condutor era um ex-piloto de corrida realmente, então eles já tão contratando pessoas e preparando os veículos para fugir."
Para cruzar a fronteira, os contrabandistas se tornam um perigo para os motoristas que trafegam nas estradas da região. Segundo a polícia, eles usam a seguinte tática: viajam à noite, em alta velocidade, e com os faróis apagados. "Eles vão na contramão, sobem pelo acostamento, pelos canteiros, do jeito que der pra escapar", fala o auditor.
G1