Seguidores

Mostrando postagens com marcador cachoeirinha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cachoeirinha. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

PM de Goiás vai administrar dez escolas públicas para combater a violência

Clique e assista reportagem no Jornal da Globo

Comento: O que eu não entendo é a postura do governador de Goiás terceirizar, repassar a conta para o contribuinte. Se um dos direitos fundamentais é a educação e a segurança, porque cobrar dos pais que pagem mensalidades? Lembrando que é desse estado que vive o contraventor Cachoeirinha...

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Filmagens ligam Lula a negócios de Rose e Cachoeira


O Ministério Público Federal teria acesso a filmagens feitas em Nova York, registrando os passeios entre o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua amiga Rosemary Nóvoa Noronha. Um dos encontros mostra os dois se divertindo em compras na Macy´s – famosa grife da Big Apple. Investigadores também têm acesso a uma fotografia de Lula e Rose abraçados nos momentos de felicidade e vaidade no usufruto do poder. A foto foi oferecida a revistas e jornais brasileiros – que ficaram com medo de comprar.

As investigações têm acesso a outras filmagens que mostram os fortes laços entre Lula e Rose. Os dois foram flagrados em momentos de alegria e intimidade durante viagem a um país da África – provavelmente Angola. Reservadamente, o Ministério Público Federal já recebeu informações - obtidas pela Inteligência das Forças Armadas - indicando que Rose seria intermediária de negócios com diamantes, em parceria com os filhos do presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. No meio do negócio, estaria também um alto-dirigente de uma grande empreiteira brasileira.

Militares descobriram que Rosemary utilizava um passaporte exclusivo de membros do primeiro escalão governamental para viagens de negócio ao exterior que fazia sem a presença do amigo Lula. Serviços de inteligência das Forças Armadas receberam informes de que Rose participaria de negócios com diamantes em pelo menos cinco países: Bélgica, Holanda, França, Inglaterra e Alemanha. As pedras preciosas seriam originárias de negócios ocultos feitos pela cúpula petralha na África, principalmente Angola. Tal informação também foi passada à PGR pelos militares.

Foram detectadas dezenas de viagens não-oficiais de Rosemary ao exterior, para "passeios de negócios". O passaporte especial a denunciou. Foram 23 para a França. Para Suíça, ocorreram 18, por via terrestre, partindo de Paris, e mais quatro por via aérea. Rose também fez 12 deslocamentos de avião para a Inglaterra. Outras sete viagens para o Caribe e os Estados Unidos, aconteceram de navio – de acordo com a inteligência militar brasileira.

Tais informações sigilosas sobre o Rosegate não aparecem nas 600 páginas do inquérito da Operação Porto Seguro. Pelo teor explosivo, podem até ser abafadas – o que será nada fácil na atual “temporada de caça ao Lula”. De concreto, a FAB já tem todo um dossiê sobre as viagens que Rose fazia. Tudo já está em poder do Ministério Público Federal. O seio do Rosegate está exposto. Falta apenas comprovar, publicamente, que Lula tinha seus braços no meio dele.

Mais conhecida como “Doutora Rose”, a exonerada chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo já está indiciada pela Polícia Federal por formação de quadrilha, corrupção ativa e tráfico de influência, como “braço político” de um esquema que fraudava pareceres ou criava vantagens para empresários corruptos em negócios com o governo Lula-Dilma. Lula será convidado pelo Ministério Público Federal a prestar esclarecimentos sobre sua relação política – e, eventualmente, de negócios – com a querida Rosemary.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Cachoeira envenenado?


Informação que começou a circular hoje cedo em Brasília - a capital interplanetária dos boatos.

Carlinhos Cachoeira estaria internado, em estado grave, no Hospital neurológico de Goiania, com sintomas de alta depressão, mas que pode ter sido vítima de envenenamento.

O crime teria sido praticado por especialistas ucranianos em um restaurante onde Cachoeira comeu com a mulher no final de semana.

Investiga-se que os dois sujeitos, que ficaram hospedados em Goiania, vazaram do Brasil abandonando bagagens no hotel...

quarta-feira, 18 de julho de 2012

POLICIAL FEDERAL QUE INVESTIGOU CARLINHOS CACHOEIRA É ASSASSINADO EM CEMITÉRIO







Um agente da Polícia Federal foi assassinado com dois tiros na cabeça na tarde desta terça-feira (17) no cemitério Campo da Esperança, em Brasília. O agente Wilton Tapajós Macedo visitava o túmulo dos pais, por volta das 15h, quando um homem se aproximou e efetuou os disparos.




Macedo trabalhava no núcleo de inteligência da PF que investigou a operação Monte Carlo, que resultou na prisão do bicheiro Carlinhos CachoeiraO chefe da operação, delegado Matheus Rodrigues, disse que Macedo participou das investigações desde o início, em 2009.

Em nota, a empresa Campo da Esperança informou que não pode restringir o acesso ao cemitério e que os visitantes não são revistados. A empresa informou ainda que quatro equipes com quatro seguranças armados trabalham, em escala, 24 horas no local.




Segundo a empresa, as oito câmeras de vigilância instaladas nas áreas edificadas do cemitério estão funcionando e o material gravado nesta terça já foi disponibilizado para a polícia.




Também por meio de nota, a Polícia Civil disse que a 1ª Delegacia de Polícia está apurando o caso. Um jardineiro que trabalha no local viu o crime e informou à direção do cemitério. A polícia informou que ele já prestou depoimento e investiga se o homem que cometeu o crime agiu sozinho.


A Polícia Federal, que também participa das investigações, informou estar trabalhando com a possibilidade de latrocínio simples, quando ocorre homicídio com a finalidade de roubar. Segundo a polícia, não há informações de que o agente morto tenha sofrido ameaças recentemente.


De acordo com a PF, Macedo estava armado no momento do assassinato, mas não chegou a reagir. O assassino levou o carro que estava com o policial, um Gol branco que era do filho de Macedo.
A arma que o policial portava – uma Glock 9 milímetros – e a carteira não foram roubadas.

Macedo, de 54 anos, era casado e tinha sete filhos. Enquanto a polícia realizava a perícia no local do assassinato, quatro filhos chegaram ao cemitério. A esposa da vítima também esteve no local e precisou ser atendida por bombeiros após passar mal.
O presidente do Sindicato dos Policiais Federais do DF, Jones Borges Leal, não descartou que o crime pode ter sido queima de arquivo. "Pode ser uma série de coisas, ainda não dá para dizer com certeza o que motivou. Mas é estranho que tenham deixado a arma que estava na cintura dele", declarou.

Macedo estava na PF desde 1987. Leal disse que além do núcleo de inteligência da PF, o agente assassinado já tinha passado pelos serviços de proteção a testemunhas e de repressão a entorpecentes.




A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) divulgou nota de pesar pela morte de Macedo e se solidarizando com a família do agente.


G1/Record/Blog Combate Policial/Patrulha Do RN

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Demóstenes é cassado, perde direitos políticos e 48 mil por mês

O Senado cassou hoje o mandato do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) . Foram 56 votos a favor da cassação, 19 contrários e 5 abstenções..

Ele ficará inelegível até 2027, quando terá 66 anos. A reportagem da Folha.com analisou as perdas de
Demóstenes, além do mandato.

A cassação implica na perda de seus direitos políticos por oito anos, tempo em que fica impedido de concorrer a cargos públicos. O ex-líder do DEM ficará inelegível até 2027 (oito após o término da legislatura para o qual foi eleito), quando terá 66 anos.

Demóstenes também perde cerca de R$ 48 mil em benefícios que recebia mensalmente como senador.
O valor calculado pela Folha desconsidera os valores da cota semanal de combustível de 125 litros de gasolina ou 180 litros de álcool, o valor de cinco passagens aéreas por mês, de ida e volta entre Brasília e o Estado de origem do Senador, e o valor ilimitado de gastos com telefone celular e despesas médicas.

Benefícios recebidos em dinheiro:

Salário - R$ 26.723,13
Auxílio-Moradia - R$ 3.800,00
Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar dos Senadores - R$ 15.000,00
Atendimento odontológico e psicoterápico - R$ 25.998,96 por ano
Telefone fixo - R$ 500,00
Gráfica - R$ 8.500 por ano
Telefone celular - ilimitado
Correios - verba mínima para 4 mil correspondências
Passagens áreas - valor de cinco passagens aéreas por mês, de ida e volta entre Brasília e a cidade de origem do senador. O valor pode variar de R$ 6 mil a R$ 23 mil

Outros benefícios
Passaporte especial diplomático
Revistas e jornais - assinatura de duas revistas e quatro jornais

Folha.com

sábado, 16 de junho de 2012

Juiz manda soltar Cachoeira, mas ele continuará preso

Cachoeira ao lado do advogado Márcio Thomaz Bastos durante depoimento à CPI no Congresso


Reportagem: FELIPE SELIGMAN de BRASÍLIA

O juiz federal Tourinho Neto, do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) deferiu pedido de habeas corpus feito pela defesa do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso desde o final de fevereiro, durante a Operação Monte Carlo, acusado de comandar esquema criminoso que envolve políticos e empresários.

Habeas corpus a Cachoeira é sinônimo de impunidade, diz leitor

Ele, no entanto, não será solto, pois ainda vigora mandado de prisão contra o empresário, expedido em decorrência da Operação Saint Michel, que investiga desdobramento do esquema criminoso no Distrito Federal.

Tourinho Neto analisou o caso sozinho. Os advogados de Cachoeira entraram com um pedido de extensão em outro habeas corpus deferido pelo magistrado na última quarta-feira, no qual mandou soltar José Olimpio de Queiroga Neto, acusado de atuar na exploração de casas de jogos no entorno do DF, seguindo esquema chefiado por Cachoeira.

Segundo Tourinho Neto, o esquema criminoso foi desfeito quando eles foram presos e as casas de jogo de azar já estão fechadas. Na decisão de Queiroga, o magistrado afirmou: “Não há mais a potencialidade, dita no decreto de prisão preventiva, que traga perturbação à ordem pública”.

O advogado Augusto Botelho, que faz parte da equipe de Márcio Thomaz Bastos, afirmou que a magistrada da 5ª Vara da Justiça do Distrito Federal, responsável pela Operação Saint Michel, chegou a analisar pedido de habeas corpus na tarde desta sexta-feira, que foi negado.

Ele afirma, no entanto, que haverá durante o plantão deste fim de semana um pedido de reconsideração, levando em conta a decisão de Tourinho Neto. “A Operação Saint Michel é um desdobramento da Monte Carlo e estão relacionadas. Se o magistrado do TRF entende que a prisão não é necessária, também não seria no caso do Distrito Federal”, disse Botelho por telefone.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

PT e PMDB escancaram a face da corrupção na CPI do Cachoeira


Ontem, na CPI do Cachoeira, o Congresso escancarou a cara da corrupção que tomou conta do governo deste país das construtoras, loteado entre PT e PMDB, com alguns coadjuvantes do PP, PTB e outros partidos da base dos corruptos. A Delta Construções tem um dono, Fernando Cavendish, que declarou que compra políticos a um preço que varia entre R$ 6 e 30 milhões. Há fotos destes políticos comprados em festas nababescas em Paris, um espetáculo deprimente. Ontem, foi denunciado que dois parlamentares que tem direito a voto na CPI estiveram, em abril último, com Cavendish, na mesma Paris onde ele fazia o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), de bobo da corte, dançando bêbado na boquinha da garrafa.



A Delta Construções possui conexões escancaradas com o esquema de corrupção montado pelo bandido Carlinhos Cachoeira. Pilhas de gravações. Depoimentos. Testemunhas. No entanto, ontem, o diretor da Delta, a grande construtora do PAC, não foi convocado para depor na CPI. Os petistas Odair Cunha e Paulo Teixeira, esta face nojenta do pior momento da política em nossa país, em mesa presidida pelo senador peemedebista Vital do Rego, comandaram a votação que derrubou o requerimento. Votou contra a convocação de Cavendish o senador do PP, Ciro Nogueira, que esbaldou-se em festança em abril passado, em Paris, ao lado do empresário.


A denúncia de que parlamentares, membros da CPI, haviam estado com Cavendish, foi feita pelo deputado Miro Teixeira, do PDT, que chamou este grupo, a quem não nominou, como a "Tropa de Cheque". Isto causou indignação no deputado do PT, Cândido Vaccarezza, justamente aquele que mandou o torpedo para Sérgio Cabral, envolvido até o pescoço com as falcatruas da Delta. Ontem, na CPI, o torpedo de semanas atrás virou realidade. Cinicamente, apesar da sua idade, Pedro Simon, do PMDB, jogou toda a responsabilidade nas costas do aliado: - Nós estamos vivendo nesta comissão, um momento muito ruim na vida do PT. Talvez o PT marque essa data na sua história. Foi naquele dia 14 de junho, na reunião da CPI que o PT realmente mudou, assumindo posição que ele nunca tomaria. Um partido como o PT, com a história, com a biografia do PT, votar contra a vinda do Sr. Pagot e do Sr. Cavendish?, declarou.


Não, senador Simon. O PT é do PMDB. O PMDB é do PT. E o senhor, por conseguinte, mesmo sendo do PMDB também é do PT, porque ambos são esta coisa só. Estava mal escrito no SMS, agora está comprovado nos anais do Congresso. 

Fonte: Blog Coturno Noturno

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Negociaçõe$ política$ tentam impedir que CPI convoque governadores e quebre sigilos da Delta no RJ

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net 
Leia mais artigos no site Fique Alerta – www.fiquealerta.net 
Por Jorge Serrão

Apesar de a pizzarice petralha estar operando a pleno vapor no Congresso, tudo indica que pode se reafirmar a velha tese de que “CPI todo mundo sabe como começa, mas nunca como acaba (mal)”. Revelações sobre o uso de uma rede de “laranjas” para abastecer o esquema de Carlinhos Cachoeira com muita grana desviada da Delta Construções servem de motivo objetivo para a quebra dos sigilos bancários e fiscal da empreiteira, a partir de sua sede no Rio de Janeiro. A turma chapa-branca da CPI começa a ver a coisa muito preta... 

Era tudo que não queriam o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e demais parceiros dos governadores Sérgio Cabral Filho (RJ), Marconi Perillo (GO) e Agnelo Queiroz (DF). Disse ontem, já começaram as negociaçõe$ para impedir que sejam aprovados, na terça-feira que vem, os requerimentos de convocação dos três políticos. PT, PSDB e PMDB também trabalham para impedir que a sessão de terça da CPI escancare as contas nacionais da Delta. Por enquanto, quem está jogando uma cachoeira de água no forno da pizza da CPI é o senador Pedro Taques (PDT-MT).

O escândalo Cachoeira já começa a transformar em torneirinha o esquema do Mensalão – que será julgado pelo foro privilegiado do Supremo Tribunal Federal. Uma investigação mais séria pode revelar os verdadeiros esquemas de corrupção por trás de muitos políticos que posam de sérios. O grande temor da petralhada e seus companheiros peemedebistas é que a desgraça de Cachoeira deságüe em quem recebia, de verdade e de forma indireta, a grana desviada de grandes obras públicas. A Delta era a principal empresa do PAC, cuja mãe é a Presidenta Dilma e o padrasto, lógico, era Luiz Inácio Lula da Silva. Engraçado é como só Cachoeira apareça como o “filho da mãe” de uma grande famiglia mafiosa...

Até agora, a informação mais comprometedora é um laudo de Perícia Criminal Federal Contábil Financeiro número 1833/2011, assinado pelos Peritos Guilherme Puech Bahia Diniz e Marden Jorge Fernandes Rosa, revela que ocorreram pelo menos cinco transferências realizadas por Geovani Pereira da Silva, o contador ainda sumido de Cachoeira, para o escritório do ex-procurador geral da República, Geraldo Brindeiro. Foi confirmado um repasse de R$ 161.279,85 ao escritório Morais, Castilho e Brindeiro Sociedade de Advogados. Continue lendo no ALERTA TOTAL

terça-feira, 22 de maio de 2012

Comissão da "Verdade" versus CPI do Cachoeirinha

   O PT é a marca da incoerência, quando tenta ludibriar o povo escondendo da imprensa documentos e alguns trabalhos da CPI, quando protege a DELTA, quando blinda governadores, (aliás, todos da base), Sérgio Cabral do Rio, Marcone Perillo-GO e Agnelo Queiros-DF. Por quê não se instala a comissão da verdade e de verdade contra o manancial de corrupção? Muitos esquerdistas poderiam dizer que não houve mortes...e quantos morrem nas filas dos hospitais esperando atendimento?

  Muitos se camuflam sob o manto do heroísmo, de que lutaram pela pátria ao tentar introduzir o modelo comunista no Brasil. Esses mesmos "heróis" é que fazem de tudo para esconder a verdade da corrupção em que o brasileiro está submetido, e por outro lado, fazem  a comissão que irá investigar apenas um lado da história, assim como a CPI irá investigar uma parte do rombo, e maioria dos culpados ficarão impunes, e a maioria dos terroristas ficarão anônimos...
           
     Por Marcelo Anastácio - Blog No Q.A.P

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Maldição da PEC 300: Vacarezza é flagrado enviando mensagem de apoio ao governador do Rio



Inimigo nº 1 da PEC 300 é pego no flagra

A reportagem do SBT flagrou, durante a CPI do Cachoeira, nesta quinta-feira (17), o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), inimigo nº 1 da PEC 300, enviando uma mensagem de texto pelo celular para o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Na mensagem, Vaccarezza tranquiliza Cabral: "A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe, você é dos nossos e nós somos dos teu [sic]".

Fonte: Blog Capitão Assumção

terça-feira, 15 de maio de 2012

O DIREITO, O BICHEIRO CACHOEIRA, OS PM's e BM's

A principal manchete da capa do jornal O Globo dessa terça-feira é:

"Ministro do STF suspende depoimento de Cachoeira" (LEIAM).

A matéria trata da decisão do ministro Celso de Mello (STF) adiando o depoimento do bicheiro na CPMI, em face de pedido dos advogados do contraventor no sentido de que ele só preste depoimento depois de ter acesso à investigação. O adiamento foi concedido, mas o STF ainda não decidiu se o bicheiro terá ou não o direito de ver os autos antes de depor na CPI.

Prezados leitores, diante da possibilidade da existência do direito, o depoimento foi adiado, cumpriu-se a legislação.

A decisão do ministro, respeitando a possibilidade da existência do direito, transportou-me de volta a cela solitária da penitenciaria conhecida como Bangu I, a qual ocupei por seis dias (10 a 15 FEV 2012), quando fui preso pelo governo Sérgio Cabral (PMDB), acusado de crítica indevida e incitamento, dois crimes militares, os quais na condição de Coronel PM reformado não posso cometer em âmbito estadual.

Em Bangu I vivenciei a violação de uma série de direitos dos Policiais Militares e Bombeiros Militares, inclusive o impedimento que os nossos advogados conversassem conosco, exatamente para operacionalizarem o nosso direito à ampla defesa, direito acertamente concedido ao bicheiro.

Tenho ouvido aqui e ali que é unânime a opinião de que o governo exagerou nos colocando em Bangu I e sempre esclareço que o governo não exagerou, na verdade o governo estadual praticou crimes contra nós, ao violar os nossos direitos. Em tese, o governo praticou os crimes de abuso de autoridade, de constrangimento ilegal e tortura física e psicológica. Fonte: Blog Coronel Paul

domingo, 6 de maio de 2012

RIO: ATO PÚBLICO CONTRA A CORRUPÇÃO - 20 MAI 2012 - COPACABANA

Os mais diversos vetores sociais estão se organizando no Rio de Janeiro para a realização de um grande ato público contra a corrupção e a favor da anistia dos Policiais Militares e Bombeiros Militares que foram transferidos, presos e/ou expulsos de suas corporações, perdendo os seus salários, pelo "crime" de lutarem pela concessão de salários justos e dignos.

A previsão é no sentido de que o ato seja realizado no dia 20 MAI 12, na Praia de Copacabana. A concentração será às 10:00 horas, em frente ao Hotel Copacabana Palace.

A primeira reunião já foi realizada no SINDSPREV (Rua Joaquim Silva, 98 - Lapa, Centro, Rio de Janeiro) e outra está programada para o próximo dia 11 MAI 12, às 18:00 horas, no mesmo local.

Sindicatos estão respondendo presente.
Associações estão respondendo presente.
Funcionários públicos estão respondendo presente.
Estudantes estão respondendo presente.
Policiais Militares estão respondendo presente.
Bombeiros Militares estão respondendo presente.
E você? Responderá presente? 
Tenho certeza que sim.
Não esqueça o seu guardanapo branco.
Exercer a cidadania nas ruas é a única forma de mudar o Brasil.

Juntos Somos Fortes!

Fonte: Blog do Coronel Paulo Paúl

sábado, 5 de maio de 2012

DELTA TAMBÉM FINANCIOU A CAMPANHA DA PRESIDENTE DILMA

SITE 247. 
Delta também financiou a campanha de Dilma. 

Jornalista Claudio Humberto revela que a empresa de Fernando Cavendish doou oficialmente R$ 1,150 milhão ao PT em 2010, segundo a Justiça Eleitoral.

247 – Nem mesmo a presidente Dilma Rousseff parece estar imune contra a lamaceira política que o esquema ilegal de Carlinhos Cachoeira e da Delta tem causado. O PT já se tornara alvo da oposição por uma suposta doação de R$ 1 milhão à campanha presidencial de Lula em 2002 de "empresários dos jogos". Ao que parece, Dilma também foi beneficiada por uma generosa doação. Desta vez, da Delta. Segundo registrou a Justiça Eleitoral, a empresa de Fernando Cavendish doou oficialmente R$ 1,150 milhão à campanha de Dilma Rousseff à presidência, em 2010. 

A Delta se transformou na empresa que mais recebeu recursos para tocar obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Estima-se que esses valores podem ter chegado a R$ 4 bilhões. As informações são do jornalista Claudio Humberto. Há duas semanas, o ex-assessor e amigo de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda do governo passado, Rogério Buratti apontou o angolano Roberto Kurzweil como intermediário da suposta doação de R$ 1 milhão à campanha presidencial em 2002, sob o compromisso de o presidente legalizar os bingos. O doador, disse Buratti, foi o bicheiro Carlinhos Cachoeira. "A doação de Cachoeira, que revelou Rogério Buratti à CPI dos Bingos, seria para o caixa dois (“recursos não contabilizados”) da campanha. 

Na operação Xeque-Mate da PF, até Vavá, irmão de Lula, se enrolou nos bingos de Dario Morelli Filho, compadre preso do ex-presidente." Incentivador da CPI do Cachoeira, Lula pode virar um dos focos da comissão de inquérito. A oposição quer trazer à tona a revelação feita pelo advogado Rogério Buratti à CPI dos Bingos, em 2005. Ele afirmou que o senhor Waldomiro Diniz, representando José Dirceu, arrecadou R$ 1 milhão de "empresários dos jogos" do Rio e de São Paulo para a campanha de Lula em 2002.
Juntos Somos Fortes!

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Superfaturamento de maquinários gerou desvio de R$ 44 milhões

Alexandre Aprá
Especial para o Congresso em Foco

O ex-governador do Mato Grosso Blairo Maggi é investigado em um inquérito civil aberto pelo Ministério Público Estadual (MPE) matogrossense, que apura a participação dele no desvio de R$ 44 milhões dos cofres públicos, por meio de um esquema que teria sido operado por ex-secretários e servidores para superfaturar a compra de maquinários pesados adquiridos com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), através do programa “Mato Grosso 100% equipado”.

O MP já moveu uma ação civil pública contra os ex-secretários de Administração e de Infraestrutura do Estado. Vilceu Marchetti e Geraldo De Vitto se tornaram réus, juntamente com dez empresa fornecedoras, depois que o juiz Luis Aparecido Bertolucci, titular da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, recebeu a ação. A denúncia foi feita pelo promotor Mauro Zaque de Jesus. Continue lendo no Congresso em Foco

terça-feira, 24 de abril de 2012

Com ajuda de Demóstenes, Cachoeira 'nomeou' prima no governo de Minas

Fausto Macedo, de O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO - Escutas telefônicas da Polícia Federal revelam que o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) intercedeu diretamente junto a seu colega, Aécio Neves (PSDB-MG), e arrumou emprego comissionado para uma prima do empresário do jogo de azar Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Mônica Beatriz Silva Vieira, a prima do bicheiro, assumiu em 25 de maio de 2011 o cargo de Diretora Regional da Secretaria de Estado de Assistência Social em Uberaba. Continue lendo no ESTADÃO

Ex-amigo de Palocci revela que Cachoeira usou angolano para doar R$ 1 milhão ao caixa 2 de Lula em 2002

Leia mais artigos no site Fique Alerta – www.fiquealerta.net
Por Jorge Serrão

A CPI do Cachoeira tem tudo para desaguar nos negócios ocultos do companheiro $talinácio em Angola. O bicheiro Carlos Augusto Ramos derramou R$ 1 milhão no caixa 2 da campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002. A contrapartida seria o empenho de Lula em legalizar os bingos. A revelação é de Rogério Buratti – ex-assessor e amigo de Antônio Palocci Filho – o mesmo ex-ministro da Fazenda que foi o sucessor do falecido Celso Daniel na coordenação financeiro da primeira campanha presidencial vitoriosa de Lula. 

Buratti dedura que o intermediário da doação oculta foi o angolano Roberto Carlos Kurzweil. O empresário foi sócio de Artur José Valente de Oliveira Caio e José Paulo Teixeira Cruz Figueiredo, o Vadinho, dois bingueiros de nacionalidade angolana que foram investigados pela CPI dos Bingos por supostamente terem doado R$ 1 milhão à campanha de Lula em 2002. O retorno da história ao noticiário – feito pelo jornalista Cláudio Humberto – forçou Lula a deixar de lado seu tratamento pós-câncer e baixar hoje, de emergência, em Brasília, para reforçar sua blindagem na CPI do Cachoeira.

A tendência é que, mais uma vez, as denúncias dêem em nada. Como a doação milionária não apareceu na contabilidade da campanha de Lula, é como se ela não tivesse existido. Não há provas. Tudo fica no campo do denuncismo. Na CPI, Cachoeira não deve comprometer o PT. Seu advogado Marcio Thomaz Bastos – que opera em sintonia com Lula – não deixará que a petralhada seja queimada. Mas se um Rogério Buratti da vida aparecer para depor podem aparecer novas revelações sobre arrecadação de recursos clandestinos que se transformam em dinheiro para negócios legais da turma ligada a Lula e ao PT. Continue lendo no ALETA TOTAL

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Cabral promove ilusionismo para se descolar de dono da Delta, e Planalto tenta impedir CPI do Cachoeira

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net 
Leia mais artigos no site Fique Alerta – www.fiquealerta.net 
Por Jorge Serrão

Ou “não são mais aquelas” as relações de Sérgio Cabral Filho com o empreiteiro Fernando Cavendish, ou o governador do Rio de Janeiro resolveu mesmo apelar para o ilusionismo para tentar esconder quais são suas verdadeiras relações com o dono da Delta Construções. Sua como inacreditável piada a notícia de que Cabral escalou seu super-secretário Régis Fichtner para comanda uma comissão de sindicância que fará uma auditoria nos contratos firmados entre a construtora e administração do RJ.

A tática de Cabral – tentando se deslocar dos negócios com Cavendish - obedece a uma estratégia desesperada do governo federal para esvaziar a quase certa CPI do Cachoeira. Já é público e notório que a Delta tem negócios com o bicheiro goiano que operava como um “padrinho” de pelo menos 15 senadores e uns três governadores) em lobbies para obras superfaturadas que pagariam “mensalões” aos políticos. Com quase 300 contratos em 23 estados e as principais obras do PAC, a Delta é apontada pelo relatório da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, como autora de um repasse de pelo menos R$ 39 milhões para empresas de fachada ligadas ao contraventor Carlinhos Cachoeira.

Pensando que iria dizimar adversários e aliados inconvenientes (sobretudo os do PMDB), o chefão Lula da Silva atropelou Dilma Rousseff e mandou a base petralha acelerar a criação da CPI que agora o governo descobriu ser “inconveniente” para todo mundo. $talinácio devia saber que seu “amigo” Cabral é quem teria mais a perder se Fernando Cavendish acabasse enrolado nas escaramuças da CPI do Cachoeira. Em 2010, ano em que foi reeleito, a Delta recebeu do governo do RJ R$ 554,8 milhões – sendo R 127,3 milhões (22%) em contratos sem licitação. Em 2011, a Delta faturou R$ 358,5 milhões – dos quais R$ 72,7 milhões não passaram por concorrência pública. Continue lendo no ALERTA TOTAL:>>>>>>>

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Ex-agente do serviço secreto da Aeronáutica está por trás dos mais recentes escândalos da República.

Dadá e o submundo dos grampos

Claudio Dantas Sequeira
ESPIÃO Antes de virar araponga particular, Dadá prestou serviços à ditadura: foi infiltrado no MST e monitorou políticos

Em meio aos efeitos devastadores da Operação Monte Carlo, que prendeu o bicheiro Carlinhos Cachoeira, arrastou para a lama o senador Demóstenes Torres e lança suspeita sobre dois governos estaduais e a empreiteira Delta, líder em contratos públicos, um personagem saiu da sombra: o espião Idalberto Matias de Araújo. Conhecido como Dadá, ele tem 51 anos, é ex-sargento da Aeronáutica e está preso em uma unidade militar do Distrito Federal. Dadá é apontado pela Polícia Federal como o principal articulador de uma ampla rede de gravações clandestinas que vem assombrando Brasília há pelo menos uma década. Documentos e gravações telefônicas já analisados por delegados que estão à frente da Operação Monte Carlo indicam que as ações de Dadá extrapolam em muito os limites do esquema montado por Cachoeira e não têm coloração partidária ou ideológica. ISTOÉ obteve, com exclusividade, documentos sigilosos sobre o araponga e conversou com amigos dele, ex-colegas de farda e do submundo da espionagem. Em seu histórico de serviços oficiais prestados ao Estado durante três décadas, Dadá acumulou prestígio invejável dentro da comunidade de informações e fez amigos, muitos amigos, entre políticos, empresários, policiais, promotores e procuradores. Quando deixou de trabalhar para o Estado, Dadá se valeu dos antigos relacionamentos para fins particulares e se tornou o araponga que mais atemoriza os poderosos de plantão. De acordo com a Polícia Federal, Dadá montou o maior esquema de espionagem da história recente do País. Trabalhando na sombra, ele serviu e ajudou a derrubar políticos influentes, como o ex-ministro José Dirceu, por exemplo. Teve participação ativa na gravação que revelou um esquema de corrupção e loteamento político nos Correios que levou ao escândalo do Mensalão e influiu na celebração de contratos públicos em diversos setores. Continue lendo no Blog FLIT PARALISANTE