Seguidores

Mostrando postagens com marcador ciclo completo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ciclo completo. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 9 de abril de 2015

CMT Gerais defendem ciclo completo, pgto horas extras e adicional noturno


O novo presidente do Conselho Nacional dos Comandantes Gerais de Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros Militares (CNCG/PM/CB), coronel Sílvio Benedito Alves, defendeu na manhã desta quarta-feira (08/04), em Vitória, o Ciclo Completo de Polícia e a aprovação da Lei de Organização Básica Federal. Ele também é favor do pagamento de horas extras e adicional noturno para policiais e bombeiros  militares de todo o País.

O coronel Sílvio, que foi eleito em março deste ano, participou da abertura do XIV Encontro Nacional de Entidades Representativas de Oficiais Militares Estaduais (Eneme), que se realiza na capital capixaba e se encerra na sexta-feira (10/04). O evento é realizado no auditório da Associação dos Militares da Reserva, Reformados, da Ativa da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e Pensionistas de Militares do Estado do Espírito Santo (Aspomires), em Bento Ferreira.Continue lendo no blog de Elimar Cortes

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Ciclo Completo de Polícia é tema de debate e seminário

DSC07145
O deputado Sargento Rodrigues participou do Seminário realizado pela Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerais (Aspra) e pela Associação dos Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais (AOPMBM) sobre “Polícia de ciclo completo e eficácia da persecução criminal” nesta terça-feira, 18/2/2014.
O objetivo do seminário era abrir um canal de debate onde policiais, gestores, Ministério Público, Poder Judiciário, imprensa e a sociedade em geral pudessem discutir a importância de mudanças na arquitetura da segurança pública.
Na abertura, o Presidente da Aspra, Sargento Bahia, agradeceu a presença de todos e disse que busca sempre a convergência entre os policiais, bombeiros militares e as entidades de classe.
Durante o debate, o Procurador de Justiça e Secretário de Estado de Defesa Social, Rômulo Ferraz, que palestrou sobre o tema “Aspectos legais, operacionais e políticos”, explicou que foram adotadas uma série de medidas estruturais e operacionais que irá melhorar a segurança pública em todo o Estado. “Nós constatamos que o modelo de segurança pública adotado não estava suficiente para combater os crimes violentos no Estado. Dessa forma, temos que aliviar os policiais militares com a lavratura de ocorrências menos importantes, o que corresponde hoje cerca de 30 a 40%”, afirma. O Secretário destacou, ainda, que as forças devem ser integradas, como também no Ministério Público e Poder Judiciário. Ele informou que está sendo desenvolvido um sistema para resolver a questão dos plantões regionalizados no Estado.
Em sua palestra sobre “Rompimento ou aperfeiçoamento da Integração entre as Polícias”, o deputado Sargento Rodrigues afirmou que é possível avançar no Ciclo de Completo de Polícia e no Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), mas para isso é preciso que as duas instituições, a Polícia Militar e a Polícia Civil, despir de vaidade. “Entendo que é possível avançar no ciclo, mas primeiramente precisamos avançar enquanto polícias e instituições”, explica.
Rodrigues lembrou de quando servia ao Central de Operações da Polícia Militar (COPOM) da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), onde por inúmeras vezes, precisava de acesso ao banco de dados da Polícia Civil, até mesmo de madrugada, e os policiais simplesmente negavam, dizendo que o delegado de plantão não gostava de passar as informações. Para melhorar essa situação, foi aprovada a Lei 13.968 de 2001, de autoria do deputado Sargento Rodrigues, que determinou o acesso comum dos arquivos criminais entre as Polícias Civil e Militar em Minas Gerais.
Ainda em sua exposição, o parlamentar ressaltou que o número de policiais militares que faleceram em serviço ou em sua razão diminuiu consideravelmente desde 2009, depois da implantação de medidas na segurança pública com o governo Aécio Neves. Além disso, Rodrigues destacou que a taxa de homicídio por ano é próximo de 19 pessoas por cada grupo de 100 mil habitantes.
Sargento Rodrigues também parabenizou a Aspra e a AOPMBM pelo pontapé inicial para discutir o tema, que deve ser debatido internamente na Polícia Militar e Civil. Para ele, o Ministério Público e o Poder Judiciário também possuem uma grande responsabilidade na segurança pública e devem uma resposta a sociedade. “O tema deve ser debatido internamente nas duas polícias com mais frequência até que a gente consiga evoluir na atividade policial para atingirmos uma maior eficiência na prestação de serviço de segurança pública”, disse.