Seguidores

Mostrando postagens com marcador curso de formação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador curso de formação. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Delegado vai indiciar por tortura quatro oficiais da PM


Blog SOS PMERJ
O treinamento dos recrutas da Polícia Militar, sob o sol, num pátio do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças

Comento: Tomara que não fique na pizza. Como pode o militar receber um treinamento em que um dos colegas é morto...portanto sem nenhuma consideração "humana", e depois esse mesmo sobrevivente ir para as ruas do Rio e tratar os cidadãos sob a ótica dos Direitos Humanos?!

sexta-feira, 30 de março de 2012

PM suspende curso de formação após denúncias de humilhação em MT

O curso de formação da Força Tática da Polícia Militar de Mato Grosso foi suspenso temporariamente após as denúncias de que os alunos sofriam humilhações ao longo do treinamento. Conforme informações do Comando Regional da PM, as instruções foram suspensas para a apuração das denúncias.
Mesmo com a suspensão, a PM defende por meio de uma nota divulgada na manhã desta quarta-feira (28) que o curso é ministrado por ‘policiais militares especialistas e devidamente preparados’.


A capacitação teve seu inicio no dia 14 de março e estava sendo realizado na Base Comunitária do bairro Parque do lago, em Várzea Grande, cidade da região metropolitana de Cuiabá. Ao todo, 50 militares se inscreveram para um curso de nivelamento para a Força Tática da PM.

Denúncias

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT), Betsey Miranda, denunciou ao comandante geral da PM que soldados do curso teriam sido obrigados pelos instrutores a mastigar um pedaço de carne, passar para o próximo colega de forma que o último da fila é forçado a engolir o alimento. A denúncia chegou até a OAB após um pai relatar as situações às quais o filho e os colegas têm sido expostos.

“Um profissional formado nestas condições poderá se tornar um indivíduo violento”, declarou Betsey Miranda. Ainda segundo a representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB, os soldados também são colocados em quartos e submetidos aos efeitos de gases lacrimogênios e de pimenta, sem contar os exercícios que praticam até a exaustão e humilhações por meio de agressões verbais.