Seguidores

Mostrando postagens com marcador escola. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador escola. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Vendas de mochilas à prova de balas aumentam nos EUA após massacre


Material é capaz de deter as balas das pistolas, mas não as de um fuzil (Foto: Reprodução)
As vendas de mochilas à prova de balas para crianças e de outros produtos como calças blindadas aumentaram nos últimos dias nos Estados Unidos por causa do massacre na escola de Newtown, onde o jovem Adam Lanza matou 20 crianças e seis adultos. LEIA MAIS NO G1

domingo, 27 de maio de 2012

Jovem vai preso após invadir escola estadual em Uberlândia, MG

Um jovem de 22 anos invadiu na manhã desta terça-feira (22) a Escola Estadual Segismundo Pereira que fica no Bairro Santa Mônica,  em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Segundo a direção da instituição,  ele entrou pelo portão dos alunos por volta das 7h. O jovem chutou mesas e carteiras e fez ameaças ao vice-diretor.

"Ele viu quando peguei o telefone para chamar a ronda escolar e perguntou se eu ia ligar para a polícia, quando mandou eu parar. Disse que, se eu ligasse, ele ia me matar", contou Florivan de Almeida Leal.

De acordo com o diretor Diego Resende Martins,o autor passou pelos três pavilhões e estava bastante alterado. "Ele parecia ter feito uso de bebida alcoólica e até de drogas. Pelas coisas que ele falava, se mostrava consciente no que estava fazendo, e ficou no local até a polícia chegar", disse o diretor.
Não foram registradas agressões físicas. Ainda de acordo com a direção, o jovem estudou na escola em 2007.

A ação durou cerca de meia hora. Funcionários da instituição chamaram a Polícia Militar, que conduziu o jovem à delegacia. Ainda não se sabe o motivo da invasão.


Comentário: Se essa moda pega...ainda bem que ele não estava armado...mas, o discurso psicótico como o maníaco de Realengo foi igualzinho...se dizendo ex-aluno, que tinha sido humilhado pelos professores, e mesmo preso, disse que vai voltar para matar o diretor da escola e quem denunciou...Já passou da hora da haver uma companhia de patrulha escolar. Já passou da hora de ser criada a Guarda Municipal em Uberlândia...será que vão esperar acontecer alguma tragédia?

sábado, 8 de outubro de 2011

Professora "surta" em sala e mostra faca para alunos

Uma professora de filosofia de 25 anos teve uma crise nervosa e precisou ser retirada da sala de aula após pegar uma faca em reação ao comportamento dos alunos da Escola Estadual Maria Elias de Carvalho, no bairro Jardim Riacho, em Contagem, na região metropolitana.

O fato ocorreu na manhã de anteontem, quando a educadora pediu para que alunos do primeiro ano do ensino médio fizessem uma redação descrevendo como eles se imaginavam daqui a cinco anos. Segundo a diretora da escola, Juliana Alves de Araújo, os estudantes teriam dito que "gostariam de ser bandidos para matar pessoas e beber o sangue delas".

A diretora afirma que, diante da situação, a professora ficou transtornada, foi até a cantina e pediu uma faca para uma colega. A professora teria voltado à sala de aula e, segurando a faca, questionado os estudantes se realmente eles queriam ser criminosos no futuro. "Rapidamente, eu fui acionada, tomei a faca da mão dela e a levei para a diretoria. Ela estava transtornada e teve uma crise de risos quando foi perguntada sobre a situação", explicou.

A diretora chamou a polícia para registrar um boletim de ocorrência e levou a professora para o Hospital Espírita André Luiz, em Belo Horizonte, para receber atendimento psiquiátrico.

Essa é a segunda crise emocional da servidora somente neste ano. Segundo a vice-diretora, Fernanda Figueiredo, há cerca de cinco meses, a servidora foi afastada do trabalho para tratar de problemas psiquiátricos. A professora estaria novamente passando por um tratamento médico, mas teria omitido a situação dos colegas de trabalho. "Aparentemente, ela estava normal. Deve ter escondido que estava doente porque é designada, e, quando esse tipo de profissional tira licença médica, cai no INSS e recebe salário mínimo", explica a vice-diretora.

A funcionária está há cinco anos na escola e, segundo a direção, é uma professora dedicada e que tem um ótimo relacionamento com os alunos e colegas de trabalho.

Investigação. Conforme a secretária de Educação, Ana Lúcia Gazzola, o Estado está apurando os fatos e vai aguardar o laudo médico. A secretária ratificou que a servidora é uma ótima profissional, mas, caso ela não tenha condições clínicas para trabalhar, pode ser retirada da função. "Vamos proteger a profissional e os alunos", argumentou Ana Lúcia Gazzola.
 
CLÁUDIA GIÚZA

Especial para O TemPO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Aluno atira na professora, depois comete suicídio

Aluno que atirou em professora era quieto e não dava trabalho, diz policial.


R7

A arma utilizada por um menino de 10 anos para atirar em uma professora e em seguida contra a própria cabeça era do seu pai, que é guarda civil municipal da cidade, informou nesta quinta-feira (22) o secretário municipal de Segurança Pública, Moacyr Rodrigues. O revólver, entretanto, não é da Guarda Civil, mas de uso particular do pai do garoto.

O aluno, da 4º série, entrou na sala de aula e atirou na professora Rosileide Queiros de Oliveira, 38 anos, por volta das 15h50. Em seguida, ele saiu da aula e disparou dois tiros contra a própria cabeça. No momento estavam na sala de aula 25 alunos. Tanto o estudante quanto a professora foram socorridos com vida, mas o garoto não resistiu e morreu. As informações são da prefeitura local.

O estado de saúde de professora baleada, que foi levada por um helicóptero da polícia para o Hospital das Clínicas, é estável e moderado, informou também a prefeitura. O tiro a atingiu por trá na altura do quadril.

De acordo com o capitão da PM Robson Castropil, o garoto era considerado quieto e não dava trabalho para os professores.


As investigações da polícia mostraram que a mochila onde estaria a arma do crime, a sala de aula e o uniforme do garoto foram lavados. Dessa forma, não foi encontrado vestígio de pólvora, chumbo ou qualquer outra sujeira.