Seguidores

Mostrando postagens com marcador impunidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador impunidade. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 26 de março de 2013

STF irá julgar caso em que 24 mil presos poderão ser soltos, por falta de vagas


Clique aqui e assista no jornal do SBT

O Supremo Tribunal Federal vai julgar uma decisão do Rio Grande do Sul que deu a um preso o direito de cumprir o resto da pena em casa por falta de vagas nas cadeias de regime semiaberto. Se o STF mantiver a decisão da Justiça gaúcha, o efeito será imediato e 24 mil presos de todo o país serão colocados na rua.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

HOMEM É LINCHADO NA PRESENÇA DE POLICIAIS (segurança no país da Copa...piada)



É lamentável que a polícia por tantas vezes seja vista como vilã, algumas por incompreensão da responsabilidade que carregamos, outras  por falhas imperdoáveis que nós cometemos. São esses dois caminhos que dividem as opiniões acerca do vídeo que você irá acompanhar adiante.

Moradores do Pará invadiram um hospital e arrancaram de lá um acusado de ter matado um líder comunitário durante uma briga. Temendo uma carnificina, seis policiais que custodiavam o criminoso decidiram não intervir:

Quando eu falo em incompreensão, não pretendo ser conivente com a violência praticada, mas fazer uma alerta contra a tendência em julgar uma possível omissão pelo fato de os policiais estarem armados "com pistolas e fuzis", como diz a reportagem. Pra variar, os direitos humanos são a favor da punição dos policiais.

Na verdade, se a PM acaba atingindo alguém, seja por qual modo fosse (até mesmo por bala perdida) e evitado o linchamento em favor de um homicida, outras acusações seriam feitas, talvez apontando despreparo. Polícia é isso aí, tem vezes que não tem como agradar de jeito nenhum.

Fonte: Blog Amigos do Ronda

sábado, 22 de outubro de 2011

Homem é preso pela 19ª vez em Uberlândia


Cristiano Aparecido Ferreira de Lima, 25 anos, vulgo “Peixe frito”, foi preso pela 19ª vez no início da tarde desta sexta-feira (21). Ele é suspeito de ter entrado em uma casa na companhia de outro homem não identificado, na rua Boa Esperança no bairro Granada, zona sul de Uberlândia, e furtado eletrônicos, dinheiro, joias e documentos pessoais.
Após furtar o material, Peixe frito e o comparsa fugiram em uma moto com um televisor de 29 polegadas e um monitor de computador, ambos de LCD. Um policial que fazia a patrulha na região achou estranha a atitude dos dois e tentou abordá-los, porém eles abandonaram a moto e os objetos em uma rua de terra atrás do Parque de Exposições Camaru.
O segundo suspeito conseguiu fugir entrando em um matagal e não foi localizado. Cristiano Lima foi achado em uma área conhecida como “favelinha” do bairro Lagoinha, também zona sul. Segundo o tenente Izaías Cardoso, todo material foi recuperado. “O Cristiano também é suspeito de ser autor de uma série de roubos nos bairros Carajás, Pampulha e Jardim Finoti. As vítimas o reconheceram por meio de fotos”, disse.
Lima já é velho conhecido da PM. Na última vez em que foi preso quebrou o vidro de uma das viaturas. Na tarde de hoje, enquanto aguardava para ser levado para a Delegacia de Polícia Civil tentou fazer o mesmo, mas foi contido pelos militares. A reportagem tentou falar com ele, mas ele não quis responder aos questionamentos. “Fale com os policiais, não tenho nada a dizer”, disse.

Número de roubos aumentou

As marcas da invasão estavam no muro da casa que em 10 anos foi furtada cinco vezes. O proprietário disse estar desanimado e pensa em se mudar do local. “Já reformei, aumentei o muro, mas não adiantou. Voltaram a entrar aqui”, disse.
De janeiro a setembro deste ano 2,4 mil residências foram furtadas em Uberlândia. O número é 20,1% mais baixo se comparado com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados 3006. O número de furtos reduziu, porém o de roubo a mão armada cresceu. Em 2010, foram 113 e neste ano já foram registrados 125, o que revela que os crimes ficaram mais violentos neste ano.
A Polícia Militar reconhece o fato, mas acredita que o motivo não é a falta de policiamento e tem implantado projetos como “Vizinhança Solidária”, para que os moradores denunciem na tentativa de reduzir os índices de criminalidade em Uberlândia.
Renata Tavares Repórter
Correio de Uberlândia