Seguidores

Mostrando postagens com marcador orçamento. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador orçamento. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Jetinho brasileiro: Governo Federal gasta mais do que pode e tenta mudar meta de gastos públicos


Governo quer usar PAC e desonerações tributárias para favorecer resultado primário
Governo tenta aprovar projeto de lei que permite driblar (de novo) meta fiscal

Proposta encaminhada ao Congresso acaba com limite de R$ 67 bi para o abatimento de desonerações tributárias e investimentos do PAC

O governo vai ganhar flexibilidade para administrar a meta de superávit primário das contas do setor público, caso seja aprovado o projeto de lei enviado nesta terça-feira ao Congresso Nacional. A proposta altera, em última hora, as regras da política fiscal brasileira em 2014 acabando com o limite fixo de 67 bilhões de reais para o abatimento das desonerações tributárias e os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ou seja, o governo ganha liberdade para abater da meta todo o volume de investimentos do PAC e de desonerações que forem feitos até o final do ano.
Até setembro, as desonerações e os gastos com o PAC já somam 122,9 bilhões de reais. Esse valor deve aumentar substancialmente até dezembro, o que pode garantir margem para o governo reverter até mesmo um resultado desfavorável nas contas públicas. Até setembro, as contas do setor público acumulam um déficit de 15,3 bilhões de reais. Continue lendo Veja

domingo, 5 de maio de 2013

Dívida do Brasil passou de R$ 600 Bilhões para R$ 2,2 Trilhões em 10 anos de PT

Você ouve falar em "DÍVIDA EXTERNA e DÍVIDA INTERNA",em jornais e TV e não entende direito vamos explicar a seguir:
DIVIDA EXTERNA é uma dívida com os Bancos, Mundial,FMI e outras Instituições, no exterior em moeda externa. DIVIDA INTERNA é uma dívida com Bancos em R$ (moeda nacional) no país.
Então, quando LULA assumiu o Brasil,Em 2002, devíamos:
Dívida externa = 212 Bilhões Dívida interna = 640 Bilhões Total da Dívida = 851 Bilhões
Em 2007 Lula disse que tinha pago a dívida externa.
E é verdade, só que ele não explicou que,para pagar a dívida externa,ele aumentou a dívida interna:
Em 2007 no governo Lula:
Dívida Externa = 0 Bilhões Dívida Interna = 1.400 Trilhão Total da Dívida = 1.400 Trilhão
Ou seja, a Dívida Externa foi paga, mas a dívida interna mais que dobrou. Agora, em 2010, você pode perceber que não se vê mais na TV e em jornais algo dito que seja convincente sobre a Dívida Externa quitada. Sabe por que?
É que ela voltou...
Em 2010 no governo Lula:
Dívida Externa = 240 Bilhões Dívida Interna = 1.650 Trilhão Total DA Dívida = 1.890 Trilhão
Ou seja, no governo LULA, a dívida do Brasil aumentou em 1 Trilhão.Daí é que vem o dinheiro que o Lula está gastando no PAC,Bolsa família, bolsa educação, bolsa faculdade, bolsa cultura,Bolsa para presos, dentre outras mais bolsas... E de onde tirou 30 milhões de brasileiros da pobreza?
E não é com dinheiro do crescimento, Mas sim, com dinheiro de ENDIVIDAMENTO.
Os brasileiros, vão pagar muito caro pela atitude perdulária do governo Lula, Que não está conseguindo pagar Os juros dessa "Dívida trilhardária",Tendo que engolir um "spread"(taxa de Juros)Muito caro para refinanciar os "papagaios", Sem deixar nenhum benefício para o povo,Mas apenas DIVIDAS A PAGAR Por todos os brasileiros,Que pagam seus impostos...!!!
A pergunta que não quer calar é:
Dilma Vai continuar esta gastança? REPASSE PELO BEM DO PAÍS ! ACORDA BRASIL !!!
Pepinão do Governo Dilma: dívida superior a R$ 2 trilhões.
As contas do governo vão ficar mais "no vermelho" em 2013. Segundo a Secretaria do Tesouro Nacional, após atingir a marca inédita de R$ 2 trilhões no ano passado, a dívida pública (que inclui as dívidas externa e interna) vai continuar crescendo este ano, e pode chegar a R$ 2,24 trilhões – R$ 232 bilhões a mais em relação a 2012, e mais do dobro do que o governo federal arrecadou com impostos e tributos no ano passado (R$ 1,02 trilhão, valor que foi recorde histórico).
Segundo os dados do Tesouro, nos últimos oito anos a dívida pública dobrou: em 2004, o estoque de dívida estava em R$ 1,01 trilhão, subindo para R$ 2 trilhões no fechamento do ano passado – um crescimento de 98,8%. Os dados constam no Plano Anual de Financiamento (PAF) do Tesouro Nacionalx para o ano de 2012, divulgado nesta quinta-feira (21). O documento prevê um patamar entre R$ 2,1 trilhões, o que representaria um crescimento de R$ 92 bilhões, e R$ 2,24 trilhões, para a dívida pública brasileira no fim deste ano. Deste modo, a estimativa de expansão da dívida pública, em 2013, é de 4,58% a 11,55%.
Os vencimentos da dívida pública acontecem entre 2013 e 2041, segundo a Secretaria do Tesouro Nacional. A maior parte está concentrada nos primeiros doze meses (24,38% - patamar de dezembro do ano passado). Outros 20% vencem de um a dois anos, ao mesmo tempo em que 15,3% vencem entre dois e três anos. Deste modo, que 59,7% da dívida está prevista para vencer até o final de 2015.
Operações com o BNDES
Da expansão da dívida pública de cerca de R$ 1 trilhão nos últimos oito anos, R$ 280 bihões referem-se a emissões de títulos públicos para capitalizar do BNDES, ou 28% da alta total. Em 2009, o Tesouro emitiu R$ 100 bilhões para o banco público, valor que passou para R$ 80 bilhões em 2010, para R$ 45 bilhões em 2011 e para R$ 55 bilhões no ano passado.
"Dentro das bandas do PAF [mínima e máxima para crescimento da dívida pública], estão contidas emissões que o governo venha a fazer para o BNDES [captação de recursos para injetar no banco]. Não definimos o valor ainda. Ano a ano a gente tem definido este valor. Está prevista [emissão para o BNDES], mas o governo não divulga neste momento porque o governo não definiu isso", declarou o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin. Em 2012, o Tesouro Nacional emitiu R$ 55 bilhões para o BNDES – impactando para cima a dívida pública em igual proporção.
CADA cidadão brasileiro tem uma dívida , feita pelo Governo Petista, de quase 1.0 MILHÃO DE REAIS.
Entenderam porque querem ressuscitar a CPMF?
Economista Waldir Serafim.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

PRIORIDADES DO GOVERNO DILMA, PELO VALOR NO ORÇAMENTO

 CLIQUE NA IMAGEM PARA AUMENTÁ-LA

Comentário: Só descobriremos o que é o PT quando este sair das tetas do Estado. Ainda tem muita gente que acredita nas pesquisas fajutas que são divulgadas sobre a suposta popularidade da Dilma. Usando o mesmo método que ajudou a projetar o Lula, as pesquisas são divulgadas, (se é que são feitas), em locais onde não se sabe o nível cultural, econômico, faixa etária, e principalmente o local exato onde a pesquisa se deu, se nos redutos eleitorais do PT, onde reina as bolsas...ou se vem de Marte. Como acreditar nessas pesquisas? Só não enxerga quem não quer...primeiro ato da Dilma foi aumentar o próprio salário, em mais de 60%, depois foi dizer para o povão que não tinha dinheiro para dar aumento para o funcionalismo, depois veio a constatação da mentira ao apoio à PEC 300, depois  veio a greve dos técnicos e professores universitários, agora a Polícia Federal ameaça entrar em greve, então aonde estariam esses altos índices de popularidade da Dilma? Muitos acreditam no discurso moralista do PT, dizendo que Dilma fez a "faxina", mas, todos os demitidos tiveram que ser denunciados pela imprensa. O máximo da mentira são os esportes, onde temos um desempenho pífio nas Olimpíadas de Londres, enquanto o país sonha em sediar uma copa e olimpíada. Isso pra agradar as empreiteiras...já que o povão não vai passar nem perto, com os ingressos caríssimos. Viva o Brasil, o campeão da corrupção, da mentira e os péssimos políticos. O PT, assim como o PSDB tem projeto de poder, não projeto político a médio e longo prazo. "Vendemos o almoço pra comprar a janta"...como diz o ditado. Nossa economia já está estagnada, e as reduções constantes do IPI, a redução nos juros tentam reaquecer a economia.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

20% DO FUNDO SOCIAL DO PRÉ-SAL PARA DEFESA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

R$ 7 BI CARIMBADOS PARA QUARTÉIS

Relator na Câmara do projeto de lei aprovado no Senado que trata das novas regras de distribuição dos royalties do petróleo, o deputado Carlos Zarattini (PT-SP) esteve na quinta-feira no Fórum de Segurança da Firjan. Na reunião com empresários e militares, discutiu a necessidade de garantir destinação de verbas para os quartéis das Forças Armadas.

Zarattini detalhou sua proposta que destina 20% do Fundo Social do pré-sal às áreas de Defesa, Ciência e Tecnologia. Ele anunciou, ainda, que sua outra frente de ação é fazer com que esses recursos não sejam contingenciados, a exemplo das verbas do Programa de Aceleração do Crescimento. Daí vem o apelido de sua proposta: PAC da Defesa.

Com uma planilha em mãos, Zarattini revelou a previsão de orçamento do Fundo Social do pré-sal para os próximos anos: R$ 7,322 bilhões (2012), R$ 7 bi (2013) e, numa projeção mais à frente, R$ 12 bilhões (2020). Os valores animaram os industriais do Fórum da Firjan e também os militares presentes. A verba carimbada sinaliza uma folga de caixa para o reaparelhamento dos quartéis, reduzindo a pressão sobre os cofres públicos de modo de garantir recuperação de vencimentos dos soldos militares, um problema que já mobiliza congressistas na Câmara e no Senado. 

No Rio, Zarattini pediu aos industriais de defesa mobilização e ajuda para fazer pressão na Presidência da República e na Casa Civil para que suas propostas de destinação dos royalties sejam aceitas.

ZARATTINI 2

PAC DA DEFESA

Zaratini saiu do encontro da Firjan com o apoio do Coordenador do Fórum, Carlos Erane Aguiar. Segundo o industrial, Firjan e Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) se engajarão na luta pelo PAC da Defesa. Continue lendo a FORÇA MILITAR

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

STF anula ato do CNJ que suspendeu concurso para juízes em Minas

O Supremo Tribunal Federal, por 7 votos a 1, anulou os efeitos de decisão do Conselho Nacional de Justiça que desclassificara de concurso para juiz substituto aberto pelo governo de Minas Gerais e pelo Tribunal de Justiça estadual os candidatos que obtiveram notas 75 e 76 na prova classificatória objetiva, elevando depois para 77 a nota de corte nas provas escritas.



Assim, o concurso — cujo edital foi publicado em 2009 - vai ser retomado. A maioria do plenário — vencida a ministra-relatora, Cármen Lúcia — entendeu que o CNJ violou o “princípio do contraditório”, ao tomar a decisão em processo administrativo sem intimar os candidatos que poderiam vir a ser prejudicados.



O voto condutor foi o do ministro Luiz Fux, que pedira vista dos autos do mandado de segurança contra o CNJ em julgamento, em maio último. Segundo Fux, não houve nenhuma ilegalidade no ato dos responsáveis pelo concurso, em face do princípio de impessoabilidade, e que “não é nenhum prejuízo competir com os melhores”. Além disso — como já tinha ressaltado o ministro Marco Aurélio, na sessão plenária anterior — não se pode “conceber que se assente que alguém possa ter uma situação subtraída, uma situação aperfeiçoada, sem que seja intimado a se defender no processo respectivo”.



Os demais ministros presentes também votaram nesse sentido, com exceção da relatora. Segundo Cármen Lúcia, a atuação do CNJ no caso foi “legítima”, já que apenas determinara “a observância obrigatória do edital do certame, o qual, segundo entendimento da jurisprudência, é a lei do concurso”.
 
Jornal do Brasil

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Revolta do STF por aumento faz Dilma rever Orçamento, (só a PEC 300 que não tem vez...)


1° vídeo comentário

Uma revolta dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) levou ontem o governo a rever a proposta orçamentária para 2012 e estudar a inclusão de uma previsão de aumento salarial para o Poder Judiciário. Anteontem, ao enviar ao Congresso as previsões de receitas e gastos para o ano que vem, o governo não incluiu a proposta do Judiciário que previa aumento de 14,7% aos ministros do Supremo.

O percentual elevaria o teto do funcionalismo de R$ 26,7 mil para R$ 30,6 mil. A proposta do Orçamento da União também deixou de fora reajustes de até 56% para servidores do Judiciário. O impacto destes aumentos aos cofres públicos é estimado em R$ 8 bilhões. Diante do risco de crise institucional, ministros de Dilma foram enviados ontem à noite para uma reunião de emergência com o presidente do STF, Cezar Peluso.

Segundo a Folha apurou com integrantes do Supremo, o Planalto ficou de enviar ao Congresso adendo ao Orçamento com a nova despesa, mas sem compromisso de que a base trabalhará para aprová-lo. A equipe econômica de Dilma considera a demanda do Judiciário impraticável por três razões: onera os cofres públicos, provoca efeito cascata em outras categorias e aumenta a pressão de servidores não contemplados. Um aumento desta magnitude contraria o discurso do governo de austeridade nos gastos públicos.

Fonte: Folha de São Paulo

Video Comentário, o primeiro, por isso mesmo com baixa qualidade de som. Deixe o seu comentário, a sua impressão.