Seguidores

Mostrando postagens com marcador pf assassinado. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pf assassinado. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Policial Federal leva tiro na cabeça durante assalto em São Paulo


Um policial federal levou um tiro na cabeça durante uma tentativa de assalto na região do Morumbi, na Zona Sul de São Paulo, na noite de domingo (9). O estado de saúde dele é gravíssimo. No momento do crime, ele estava com a mulher e a filha de 4 anos.
O policial Marcelo luis de Miranda, 46 anos, passava pela Rua Dr. Flávio Américo Maurano, conhecida como Ladeirão do Morumbi, quando observou um criminoso a pé abordar um outro motorista, por volta das 21h. 

Pouco depois, o criminoso se dirigiu até o carro do policial. A mulher dele se abaixou para pegar a bolsa quando começou a troca de tiros. O policial levou um tiro na nuca e foi levado para o Pronto-Socorro Albert Einstein.

Mais tarde, a polícia localizou um homem de 22 anos que recebia atendimento na Assistência Médica Ambulatorial (AMA) Paraisópolis, que pode ter trocado tiros com o policial. A perícia já foi feita. Haverá um confronto balístico para comprovar se a bala saiu da arma do policial.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

CARRO DE PF MORTO EM CEMITÉRIO É ENCONTRADO NA CAMPANHA DE CANDIDATO A VEREADORA


A Polícia Federal encontrou na cidade de Tabocas do Brejo Velho, Oeste da Bahia, distante 794 KM de Salvador, o veículo Gol Branco de placa policial, NKQ-3680 de Aparecida de Goiânia/GO, pertencente ao policial federal Tapajós Macedo, 54 anos, assassinado com diversos disparos quando visitava o túmulo de seus pais, no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília/DF.

Wilton Macedo era peça central e trabalhava no núcleo de inteligência da PF que investigou a operação Monte Carlo, e prendeu o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

A PF/DF soube do destino do veículo após prender três suspeitos de participação no crime. Eles foram detidos na manhã de ontem, 14, na cidade Ocidental/GO.

O carro estava a serviço da campanha da vereadora Sara do Zé Rico e do candidato a prefeito Beto (22).

O carro, que custa aproximadamente R$ 30 mil, estava com a documentação adulterada e foi comprado como alienado pelo valor de R$ 5 mil.

De acordo com informações policiais, no momento da abordagem o carro era conduzido por Alex Silva, que alegou ser o veículo de propriedade de José Olavo. Este, por sua vez, afirma ter adquirido o carro Vanderley Soares.

Os três pessoas presas foram transferidas para a Delegacia da Polícia Federal em Barreiras onde estão prestando depoimento.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

POLICIAL FEDERAL QUE INVESTIGOU CARLINHOS CACHOEIRA É ASSASSINADO EM CEMITÉRIO







Um agente da Polícia Federal foi assassinado com dois tiros na cabeça na tarde desta terça-feira (17) no cemitério Campo da Esperança, em Brasília. O agente Wilton Tapajós Macedo visitava o túmulo dos pais, por volta das 15h, quando um homem se aproximou e efetuou os disparos.




Macedo trabalhava no núcleo de inteligência da PF que investigou a operação Monte Carlo, que resultou na prisão do bicheiro Carlinhos CachoeiraO chefe da operação, delegado Matheus Rodrigues, disse que Macedo participou das investigações desde o início, em 2009.

Em nota, a empresa Campo da Esperança informou que não pode restringir o acesso ao cemitério e que os visitantes não são revistados. A empresa informou ainda que quatro equipes com quatro seguranças armados trabalham, em escala, 24 horas no local.




Segundo a empresa, as oito câmeras de vigilância instaladas nas áreas edificadas do cemitério estão funcionando e o material gravado nesta terça já foi disponibilizado para a polícia.




Também por meio de nota, a Polícia Civil disse que a 1ª Delegacia de Polícia está apurando o caso. Um jardineiro que trabalha no local viu o crime e informou à direção do cemitério. A polícia informou que ele já prestou depoimento e investiga se o homem que cometeu o crime agiu sozinho.


A Polícia Federal, que também participa das investigações, informou estar trabalhando com a possibilidade de latrocínio simples, quando ocorre homicídio com a finalidade de roubar. Segundo a polícia, não há informações de que o agente morto tenha sofrido ameaças recentemente.


De acordo com a PF, Macedo estava armado no momento do assassinato, mas não chegou a reagir. O assassino levou o carro que estava com o policial, um Gol branco que era do filho de Macedo.
A arma que o policial portava – uma Glock 9 milímetros – e a carteira não foram roubadas.

Macedo, de 54 anos, era casado e tinha sete filhos. Enquanto a polícia realizava a perícia no local do assassinato, quatro filhos chegaram ao cemitério. A esposa da vítima também esteve no local e precisou ser atendida por bombeiros após passar mal.
O presidente do Sindicato dos Policiais Federais do DF, Jones Borges Leal, não descartou que o crime pode ter sido queima de arquivo. "Pode ser uma série de coisas, ainda não dá para dizer com certeza o que motivou. Mas é estranho que tenham deixado a arma que estava na cintura dele", declarou.

Macedo estava na PF desde 1987. Leal disse que além do núcleo de inteligência da PF, o agente assassinado já tinha passado pelos serviços de proteção a testemunhas e de repressão a entorpecentes.




A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) divulgou nota de pesar pela morte de Macedo e se solidarizando com a família do agente.


G1/Record/Blog Combate Policial/Patrulha Do RN