Seguidores

Mostrando postagens com marcador pm excluído. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pm excluído. Mostrar todas as postagens

domingo, 11 de novembro de 2012

CAPITÃO É EXPULSO DA PM NO RIO DE JANEIRO!


O secretario de segurança do RJ, José Mariano Beltrame, no uso de suas atribuições, decide acatar a decisão do conselho de justificação da PMERJ e do corregedor geral das polícias do estado do RJ, desembargador Giuseppe Vitagliano, o qual considerou INCAPAZ e INDIGNO de permanecer nos quadros da PMERJ (Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro), o Capitão PM ADJALDO LUIZ PIEDADE JUNIOR (foto), preso após escutas telefônicas da polícia federal, que comprovaram que o mencionado capitão estava recebendo propina de traficantes para facilitar a venda de drogas no morro do São Carlos após sua "pacificação". O capitão comandava a UPP do morro do São Carlos. *LEIA MAIS SOBRE O CASO AQUIÉH AMIGOS... SE O "BICHO ESTÁ PEGANDO" ATÉ PARA OFICIAL, IMAGINEM PARA O POBRE DO PRAÇA... A EXCLUSÃO DO CAPITÃO LUIZ PIEDADE FOI PUBLICADA NESTA SEXTA-FEIRA (09-11-2012) NO BOLETIM RESERVADO DA CORPORAÇÃO Nº 209. AGORA ME DIZ: VALEU A PENA TER PÊGO ARRÊGO DE TRAFICANTES? SE NÃO FICOU RICO COM AS PROPINAS QUE RECEBEU, PROVAVELMENTE SERÁ MAIS INTEGRANTE DE MILÍCIA. O CAPITÃO LUIZ PIEDADE É SÓ MAIS UMA PROVA DE QUE NÃO É SÓ OS PRAÇAS QUE SE ENVOLVEM EM SACANAGENS. OS OFICIAIS FALAM MAL DOS PRAÇAS, QUANDO UM SE ENVOLVE EM SUJEIRA, MAS QUEM É PM NO RJ SABE QUE NÃO É BEM ASSIM. O QUE TEM DE OFICIAL BANDIDO NA PMERJ, NÃO CABERÁ NO "BEP" SE TODOS FOREM PRESOS. A PMERJ ESTÁ CHEIA DE OFICIAIS SAFADOS, VERDADEIROS BANDIDOS, DE 2º TENENTE A CORONEL, QUE POR TRÁS DAQUELA POSE TODA DE HONESTOS, FICAM SENTADOS EM SUAS MESAS, COM A GAVETA ABERTA, RECEBENDO PROPINA DE TRAFICANTES, JOGO-DO-BICHO E ATÉ MESMO DOS PRÓPRIOS POLICIAIS, QUE INSISTEM NESSA PRÁTICA BURRA DE PAGAR PARA TRABALHAR NUM LUGARZINHO ONDE RENDA UMA "PRATA". VALEU A PENA O CAPITÃO LUIZ PIEDADE JOGAR UMA CARREIRA DE OFICIAL DA PM PRO ALTO EM TROCA DE PROPINA? MAS FAZER O QUÊ NÉ AMIGOS... FOI A ESCOLHA QUE ELE FEZ, PORÉM, SE DEU MAL. POR FALAR EM OFICIAL BANDIDO, COMO ANDA A SITUAÇÃO DO TENENTE SAMUEL FARIA, PRESO POR INTEGRAR A MILÍCIA "FAMÍLIA É NÓS" EM D. DE CAXIAS, APÓS OPERAÇÃO DA DRACO? COM ABSOLUTA CERTEZA, SERÁ MAIS UM, O QUAL O CORREGEDOR GERAL NÃO TERÁ PENA DE COLOCAR NA RUA. LUGAR DE BANDIDO É NA CADEIA, E NÃO NA PM. NÓS DO BlogDaVerdadeRJ SOMOS DEFENSORES DOS POLICIAIS, PORÉM, SOMENTE DOS BONS. NÃO PASSAMOS AS MÃOS NA CABEÇA DE POLICIAL BANDIDO! POLICIAL BANDIDO AQUI É ESCRACHADO. POIS, É POR CAUSA DESTES, QUE OS BONS ACABAM PAGANDO O PREÇO E SENDO ESCULACHADO NAS RUAS PELA SOCIEDADE. NESTE ASPECTO, NÓS CONCORDAMOS COM A DECISÃO DO CORREGEDOR; SEJA PRAÇA OU OFICIAL, FEZ MERDA, COLOCA-O NA RUA! ESPERAMOS QUE ESTA IMPARCIALIDADE DO CORREGEDOR E DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA CONTINUE, POIS, SABEMOS QUE O CORPORATIVISMO ROLA SOLTO, TANTO NA PM, POR PARTE DOS OFICIAIS, QUANTO NA POLÍCIA CIVIL, POR PARTE DOS DELEGADOS; E QUE TODA QUE VEZ QUE UM OFICIAL ESTIVER ENVOLVIDO COM A SACANAGEM, QUE SEJA EXPULSO, ASSIM COMO FAZEM COM OS PRAÇAS. TAMBÉM SOMOS A FAVOR DE QUE SEJA CRIADO UM ÓRGÃO NEUTRO, PARA JULGAR SE POLICIAIS CIVIS E MILITARES, TANTO OFICIAIS E DELEGADOS, QUANTO PRAÇAS E INSPETORES, ENVOLVIDOS EM CRIMES, TÊM CONDIÇÕES DE PERMANECER NAS INSTITUIÇÕES. AÍ SIM, ESTAREMOS NO CAMINHO CERTO PARA LIMPAR A SUJEIRA DAS POLÍCIAS.

domingo, 22 de julho de 2012

Dois oficiais da PM são expulsos na corporação

O Governo do Estado do Rio de Janeiro demitiu esta semana dois oficiais da Polícia Militar, considerados culpados em Processos Administrativos Disciplinares instaurados pela Secretaria de Estado de Segurança e encaminhados ao Tribunal de Justiça.

Os demitidos são o primeiro-tenente Daniel Gomes Lima, do Batalhão de Macaé (32º BPM) e o capitão reformado Marozan Francisco Santos. O decreto com as duas demissões foi assinado em 17 de julho.

Em março de 2007, o tenente Daniel foi preso pela Polícia Federal em Macaé sob acusação de integrar a quadrilha do traficante de drogas Rogério Rios Mosqueira, o Roupinol, morto em confronto com policiais civis no Morro São Carlos, no bairro do Estácio, em março de 2010.

Já o capitão Marozan matou Cláudia Márcia da Silva Nascimento, com quem havia saído de uma casa noturna no Leblon, em 17 de janeiro de 1997. Depois de atirar nela, ele ocultou o corpo da vítima, atirando-o num despenhadeiro na Estrada do Sumaré, nas Paineiras.

Blog SOS PM

domingo, 15 de julho de 2012

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Oficial da PM que atirou contra dois tenentes da Aeronáutica será demitido da corporação

O oficial da Polícia Militar que atirou, por engano, contra um carro em que estavam dois oficiais da Aeronáutica em junho de 2007 será demitido da corporação. Na ocasião, uma tenente Larissa Carolina morreu. A informação é da Secretaria de Estado de Segurança.

Conforme informou o secretário José Mariano Beltrame, o processo administrativo para efetivar a demissão e a perda da patente do capitão PM André Luiz de Oliveira Milares, do Batalhão de Três Rios (38º BPM), conforme decisão do Tribunal de Justiça do Rio, foi encaminhado nesta quarta-feira para a Casa Civil. CONTINUE LENDO NO BLOG SOSPM

terça-feira, 26 de junho de 2012

TENENTE EXPULSO DA PMERJ, VAI RECEBER MIL POR MÊS

Para juiz, manutenção de tenente na PM é absolutamente incompatível



Policial desde 2001, iniciou a carreira no 8º BPM (Campos dos Goytacazes) e foi para o 32º BPM (Macaé). O 1º tenente, de 28 anos, foi preso em 14 de março de 2007 pela Delegacia de Polícia Federal de Macaé. Ele é acusado de integrar, sob o codinome Diretor, a quadrilha do traficante de drogas Rogério Rios Mosqueira, o Roupinol, morto em 23 de março deste ano num confronto com policiais civis no Morro São Carlos, no Rio. Segundo as investigações da Polícia Federal, Daniel também teria ligação com Cristiano Rocha Clemente, o Gordo, de 30 anos, apontado como chefe do tráfico na favela das Malvinas, em Macaé, e Marcus Vinícius da Costa, o Kiko, de 41 anos, chefe do tráfico da Favela do Tira-Gosto, em Campos.

Em 31 de julho de 2008, o juiz Rodrigo Moreira Alves, da Comarca de Macaé, condenou o tenente e decretou a perda de seu cargo público. Para Rodrigo, o PM se valeu claramente das prerrogativas de suas funções e contribuiu de forma determinante para o desenvolvimento de uma facção criminosa, traindo a confiança depositada pelo Estado e pela população. Em sua decisão, o juiz afirma que o bando do qual Daniel faria parte "mantinha seus pontos de venda de drogas concentrados em áreas carentes e subjugava os moradores pela força, valendo-se de pesado e vasto arsenal bélico, sendo absolutamente incompatível a sua manutenção no exercício da função policial".

Por conta da prisão preventiva, Daniel Gomes fez um pedido de habeas corpus, negado pela 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, em 2008. No ano passado, conseguiu sair da cadeia. Em 7 de outubro de 2009, o ministro Eros Grau, do Superior Tribunal Federal (STF), concedeu liminar para que o tenente aguarde em liberdade até o julgamento definitivo do habeas corpus.

Mesmo se for expulso, tenente receberá R$ 1.000 por mês Continue lendo no BLOG DA RENATA

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Juiz manda reintegrar PMs expulsos depois da greve

DIÁRIO DO VALE:

O juiz da 1ª Vara Cível de Volta Redonda, Flávio Pimentel, concedeu na tarde desta quinta-feira, uma liminar suspendendo os efeitos da exclusão de três dos 11 policiais militares que foram expulsos pela corporação no dia 20 de março. O comandante geral da PM, Erir Ribeiro, entendeu que eles participaram de um movimento grevista durante a paralisação da categoria deflagrada no dia 10 de fevereiro desde ano.

Foram beneficiados com a decisão judicial, os soldados Leandro Azevedo Magalhães, Carlos Albertro Campos, e Marcos Vinícius da Cruz. A advogada dos três policiais, Daniela Côrrea Grégio Leite, disse que entrou com um mandado de segurança, na Justiça, para que seus clientes expulsos fossem reintegrados na corporação.

— O Estado poderá recorrer da decisão judicial. Os advogados dos outros 8 policiais militares expulsos podem entrar na Justiça, solicitando a extensão do mesmo benefício que foi concedido aos três PMs, para os clientes deles — disse Daniela.

Segundo a assessoria de imprensa da PM, não cabe à corporação comentar a decisão judicial e sim acatá-la. Somente após serem reintegrados aos quadros da PM é que seus destinos serão decididos.

Juntos Somos Fortes!

terça-feira, 22 de maio de 2012

RIO: MP E JUDICIÁRIO ANULAM PAD CONTRA MILITARES EXCLUÍDOS NA GREVE

As primeiras vitórias dos Policiais Militares que lutavam por salários justos e por adequadas condições de trabalho, os quais foram submetidos a várias arbitrariedades e ilegalidades, começam a ocorrer pelas mãos do Ministério Público e do Poder Judiciário.

Decisão:

"Trata-se de mandado de segurança através do qual se pretende a suspensão dos atos colegiados até o restabelecimento do devido processo legal. O Ministério Público manifestou-se sobre a liminar nos seguintes termos: ´... ainda que o acusado fosse reconhecido em fotografias no ´ front´ do grupo que se manifestava em espaço público, e ainda que a inteligência da PMERJ o tivesse identificado, indubitavelmente, como um dos líderes do movimento, não se pode conceber a realização de um processo disciplinar coletivo como este, em que não há descrição de conduta individualizada e que não se permite mais do que 72 horas para apresentação de defesa.´ A questão foi bem apreciada pelo Ministério Público, sem merecer retoque. A Constituição assegura aos litigantes no âmbito administrativo e judicial o contraditório e ampla defesa. O contraditório só é possível quando se respeita o binômio ciência-e-possibilidade de resistência. A garantia do devido processo legal não se satisfaz com uma mera formalidade, com sucessões de atos que não assegurem efetivamente a defesa. Os documentos dão conta de que os prazos fixados não permitem a materialização das referidas garantias fundamentais. Entre o libelo e a reunião deliberativa há praticamente 09 dias, sendo que toda a instrução e postulação ocorreu no intervalo entre estes dois termos o que se mostra um julgamento sumaríssimo, incompatível com o Estado Democrático de Direito que assegura a todos, a duração razoável do processo. A discussão e deliberação sobre os destinos funcionais de um servidor público não pode ocorrer sumariamente, em 09 dias, pois, apesar da crença de que Deus criou o mundo em prazo semelhante, nós os mortais, estamos longe da perfeição divida e, portanto, exercemos nossos poderes com os limites legais impostos. Por sua vez, esta garantia de duração razoável significa não só um processo sem dilações indevidas, mas também um processo sem correrias e atropelos, que permita a apuração da verdade dentro dos pilares do Estado de Direito, isto é, com respeito às garantias fundamentais. Assim, mostra-se temerária a realização da reunião deliberativa sem que sejam apreciadas as questões discutidas na presente impetração. Com efeito, presente o risco, consubstanciado no potencial prejuízo a defesa, e a verossimilhança, evidenciada nos documentos mormente os de fls. 25, 26 e 38, impõe-se acolher a manifestação do Ministério Público e conceder a liminar pretendida. Isto posto, defiro a liminar para ANULAR os efeitos do PAD em discussão com relação ao impetrante. Intime-se a autoridade coatora da presente decisão. Notifique-se e dê ciência ao ente" (Fonte).

Juntos Somos Fortes!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

JUSTIÇA DETERMINA RETORNO DE MARCOS PRISCO À PM BAHIANA


O desembargador José Edivaldo Rocha Rotondano, do Tribunal de Justiça da Bahia, determinou no último dia 03 que Marcos Prisco deve retornar à Polícia Militar até o fim de duas ações que tramitam na Justiça envolvendo o ex-policial. 


Uma das ações é um mandado de segurança, impetrado pelo ex-policial no Tribunal de Justiça da Bahia, com base na lei da anistia (lei federal nº12.191/2010). Em função de recursos de parte a parte, tal ação já tem tramitação no Superior Tribunal de Justiça e no Superior Tribunal Federal. 

A Procuradoria Geral do Estado da Bahia foi comunicada sobre a decisão do desembargador na última terça-feira (08) e, em nota, informa que analisará o cabimento e a viabilidade de medidas suspensivas passiveis de interromper o caráter provisório da decisão.

O outro processo é uma ação ordinária, proposta à Vara da Auditoria Militar, cuja sentença, proferida em março deste ano, limitou-se a anular o ato administrativo de demissão dele. 

Líder grevista
Marco Prisco Caldas Nascimento ficou conhecido por ser o principal líder do movimento grevista de parte da Polícia Militar ocorrido em fevereiro deste ano. Coordenador da Associação dos Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra-BA), ele virou uma das peças chaves na negociação entre o grupo da corporação e o governo estadual. 

A vida de servidor público, entretanto, começou no ano de 1999, quando ingressou na Polícia.  

Dois anos depois de atuação na PM, Prisco foi um dos protagonistas da greve de 2001, ocasião em que a PM suspendeu completamente as atividades reivindicando melhores condições de trabalho e melhores salários e causou pânico total em toda a capital baiana. 

Por conta da repercussão ocasionadas pelo episódio e pela tentativa de aquartelamento na sede do 8º BPM/São Joaquim, ele foi demitido em nove de janeiro de 2002 e, com a exoneração, iniciou uma campanha junto a outro membros da categoria para a readmissão.

Fonte: Rota Policial
Blog da Força Tática 

SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DOOU R$7.500,00 PARA OS POLICIAIS EXCLUÍDOS TEXTO RETIRADO DO FACEBOOK DO PABLO RAFAEL

Bom dia a todos do Facebook a reunião de ontem na Alerj foi muito proveitosa, fizemos panfletagem na Alerj em prol dos excluídos para que os deputados estaduais , assessores , funcionários estivessem ajudando com depósitos em dinheiro na conta dos excluídos.

Recebemos também uma doação e gostaríamos de agradecer ao Sindicato dos Policiais Civis na pessoa do sr. Bandeira por terem doado a quantia de R$ 7.500,00.

Esse dinheiro se juntará ao que já foi doado até agora , e será dividido em partes iguais para todos os que foram expulsos da Policiai Militar por lutar por melhores salários.

Será disponibilizado na internet o extrato bancário com os valores que entraram na conta poupança , para que possam ser conferido por todos quanto quiserem.

Tudo esta sendo feito de forma transparente e clara com intuito somente de ajudar aqueles que pecisam.

Gostaríamos também de agradecer ao Deputado Paulo Ramos por ter ajudado a pagar a van que transportou os Policiais e ex Policiais de Volta Redonda para a Alerj doando a quantia de R$ 400,00. 

Os valores dessa doação de 7.500,00 devem ser transferidos na data de hoje para a conta de ajuda aos excluídos:

ITAÚ
nº da agência:6504
conta: 10652 - 4
DAC: 500

FAVORECIDO: Wagner Luís Fonseca e Silva

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Cresce número de policiais expulsos no Ceará

Pelo menos 27 policiais foram expulsos da PM este ano (até o dia 3 de abril). O número de expulsões aumentou 50%, quando comparado ao mesmo período de 2011 Com o rosto coberto pelo capacete, o assaltante entra no local onde é feito o pagamento aos garis do município de Croatá, a 355 quilômetros de Fortaleza. Na companhia de um outro homem armado, rouba cerca de R$ 12 mil. Tenta fugir de moto, mas acaba sendo preso em flagrante. Um tipo de assalto que tem se tornado comum, não fosse por um detalhe: o criminoso era um soldado da PM.   Ele acabou sendo expulso da Polícia após responder a processo administrativo. O combate ao envolvimento de policiais com o crime é um desafio para a segurança pública. Somente este ano (até o dia 3 de abril), pelo menos 27 militares do Ceará foram expulsos da corporação - a média é de um a cada três dias. Comparando com o mesmo período do ano passado, quando 18 foram expulsos, o aumento foi de 50% no número de expulsões. O levantamento foi feito a partir de documentos oficiais a que O POVO teve acesso com exclusividade. Os policiais punidos foram alvos de processos administrativos que apontaram o cometimento de transgressões disciplinares graves. A lista de crimes inclui homicídio, abuso sexual, tráfico de drogas, venda de armas, extorsão, roubo e envolvimento com quadrilhas organizadas. Também há casos de PMs expulsos por dormir na viatura, praticar racha com as Hilux e falsificar atestado médico para faltar ao trabalho. Em todo o ano passado, foram expulsos 61 policiais, 23 a mais do que em 2010 - um acréscimo de 63%. “Aumentou muito. Está havendo um exagero. O comandante (da PM) quer ficar conhecido como o homem que mais expulsou policiais”, comenta o soldado Pedro Queiroz, presidente da Associação de Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros do Ceará (Aspramece). Para Pedro Queiroz, nem todos os casos de expulsão são justos. Ele cita o exemplo de um policial que foi demitido por ter faltado ao serviço durante a Operação Carnaval de 2011, para a qual havia se voluntariado. Escalado para trabalhar em Crateús, o soldado não compareceu ao local “mesmo tendo recebido as diárias de pousada e alimentação pelo deslocamento ao Interior”, informa o documento da PM. O policial não teria devolvido a quantia recebida. “Nesse caso, ele não cometeu um crime. Foi uma transgressão disciplinar”, argumenta Queiroz. Desde a última quinta-feira, O POVO tenta entrevistar o comandante da Polícia Militar, coronel Werisleik Pontes Matias. Ele chegou a atender algumas ligações, mas sempre pedia para retornar depois por estar em reunião. A reportagem também não conseguiu falar com o titular da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Ceará (CGD), Servilho Paiva. Segundo a assessoria de imprensa, ele havia viajado e só poderia receber a equipe do O POVO esta semana.   Como ENTENDA A NOTÍCIA O levantamento dos dados para esta reportagem foi feito a partir de documentos da Polícia Militar obtidos pelo O POVO com exclusividade. Os documentos informam o resultado de processos administrativos instaurados pela PM.   Serviço   A população pode fazer denúncias na sede da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública Onde: avenida Pessoa Anta, 69, Praia de Iracema   Saiba mais   Em junho do ano passado, o Governo criou a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Ceará (CGD), substituindo a antiga corregedoria.   O novo órgão tem status e autonomia de secretaria. É vinculado diretamente ao governador Cid Gomes e tem competência para a instauração, processamento e julgamento de servidores submetidos a procedimentos disciplinares civis e militares. A controladoria também tem competência para aplicar punições.   Apesar da nova controladoria ter sido criada, muitos dos processos contra militares continuam sendo apurados no Comando Geral da PM. Isso porque o novo órgão ainda está sendo estruturado.   Em dezembro do ano passado, O POVO tpublicou matéria sobre a atuação da controladoria. Na época, a média era de 40 denúncias recebidas por mês.   Para entender   Na esfera administrativa, há três tipos de processo para investigar desvios de conduta: Procedimento Administrativo Disciplinar (para os praças com menos de 10 anos de serviço militar); Conselho de Disciplina (para os praças com 10 ou mais anos de serviço); e Conselho de Justificação (para oficiais).   Para cada processo, é formada uma comissão composta por três oficiais da ativa. Eles ouvem acusados, testemunhas e colhem provas.   No relatório final, a comissão decide se o policial é ou não culpado das acusações e se está ou não capacitado para permanecer na Polícia. A decisão é submetida ao comandante geral da PM ou ao titular da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Ceará (CGD).   Os prazos para conclusão do processo variam de 30 a 60 dias, podendo ser prorrogados. As sanções disciplinares variam desde uma advertência até a expulsão.   Os policiais expulsos pela PM podem recorrer da decisão. Uma das possibilidades é acionar a Justiça em busca de liminar de reintegração ao cargo.   As investigações iniciam a pedido dos comandantes de companhia, quando a Central de Inteligência da Secretaria da Segurança detecta desvios de conduta ou em caso de denúncia.   27 È o número de policiais expulsos da PM no Ceará este ano (até o dia 3 de abril)   61 É o número de policiais militares expulsos da corporação em 2011   38 É o número de policiais militares expulsos da PM em 2010.