Seguidores

Mostrando postagens com marcador prefeito. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador prefeito. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 7 de março de 2014

Enquanto os garis protestam no centro do Rio, prefeito joga lixo no chão


Abaixo o prefeito Eduardo Paes jogando lixo no chão e ainda fazendo cara de deboche...

Lixo acumulado nas ruas somado às chuvas a enchente é certa...como na foto abaixo tirada na noite de 07/03/2014 no bairro de Bento Ribeiro, subúrbio do Rio de Janeiro. Depois virá dengue, malária...e por aí vai...parabéns prefeito do Rio!!!
IMAGEM ENVIADA VIA INBOX:

"Foto retirada agora no Bairro Bento Ribeiro."

domingo, 7 de outubro de 2012

CORONEL RAMALHO É ELEITO VICE EM IPATINGA MG




Se em algumas cidades os militares permaneceram desunidos, noutras houve unidade, como no município do Vale do Aço, IPATINGA, o Coronel Ramalho, que comandou o 32°BPM foi eleito VICE PREFEITO, com 61,54% dos votos válidos. PARABÉNS CORONEL!!!

sexta-feira, 29 de junho de 2012

PREFEITO DE UBERABA PRESTA DEPOIMENTO NA POLÍCIA FEDERAL

O Prefeito de Uberaba, Anderson Adauto, prestou depoimento nesta quinta-feira (28) na Delegacia da Polícia Federal, que investiga denúncias de fraude em licitações envolvendo a Prefeitura Municipal de Uberaba e a empresa farmacêutica Home Care. O Ministério Público pede na justiça a devolução de R$ 5 milhões aos cofres públicos, que seria o valor desviado em 2006.
Anderson Adauto disse que procurou responder aos questionamentos durante o depoimento na delegacia. Segundo o Prefeito, ele espera que o caso seja esclarecido. Anderson Adauto e o ex-secretário de Saúde e de governo, além de duas funcionárias foram acusados de participação em um esquema fraudulento na contratação da empresa Home Care para gerenciar a compra e a distribuição de medicamentos em Uberaba, em novembro de 2006. Continue lendo no G1

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Prefeito de cidade no Espírito Santo é preso por desviar cerca de R$ 50 milhões

Divulgação
O prefeito da cidade de Presidente Kennedy (ES), Reginaldo dos Santos Quinta (PTB), foi preso nesta quinta-feira (19) durante a operação Lee Oswald, deflagrada pela Polícia Federal com apoio da Controladoria Geral da União e do Ministério Público Estadual no Espírito Santo.


O prefeito de Presidente Kennedy, no Espírito Santo, Reginaldo dos Santos Quinta, acusado de desviar R$ 50 milhões

A operação busca desarticular uma organização criminosa responsável por fraudes em licitações, superfaturamentos, desvio de verbas, além de pagamentos indevidos em contratos de serviços e compra de materiais no Estado. Ao todo, 28 pessoas foram presas na operação e os agentes cumprem 51 mandados de busca e apreensão.

A investigação, iniciada há seis meses, verificou que o líder da quadrilha era o prefeito de Presidente Kennedy. A cidade é a campeã de créditos em royalties do Estado, com quase 20% de todo o valor recebido pelo Espírito Santo. No entanto, o município é o lanterna do ranking educacional no Estado e apresenta o quarto pior índice de desenvolvimento humano entre as cidades capixabas, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PUND.

A grande quantidade de recursos municipais era desviada para os membros da quadrilha. As licitações eram montadas a partir de editais que restringiam a concorrência e eram direcionadas para grupos econômicos previamente escolhidos, que simulavam legalidade do processo. Foi identificado, até o momento, o desvio de cerca de R$ 50 milhões.


A quadrilha era formada pela sobrinha do prefeito, que acumulava a chefia de três secretarias municipais, além do Procurador Geral do Município, integrantes da comissão de licitação, empresários e dois policiais militares, sendo um deles o Comandante da Guarda Municipal. Um membro da executiva estadual do partido político do prefeito também participava do esquema criminoso.

Os envolvidos poderão responder pelos crimes de corrupção ativa e passiva, advocacia administrativa, prevaricação, peculato, falsidade ideológica, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, além de crimes específicos previsto na Lei de Licitações (lei 8.666/93).

segunda-feira, 5 de março de 2012

PREFEITO ESMAGA MÃO DE MILITAR NO INTERIOR DE MINAS


O prefeito da cidade de Lagoa Dourada, no Campo das Vertentes, Antônio Carlos Chaves de Resende esmagou a mão de um policial militar ao fechar a porta de um carro envolvido em uma ocorrência de perturbação do sossego. O soldado lotado na 190ª Cia foi impedido de realizar a ocorrência após interferência do prefeito da cidade. 


Por volta das 23h de sábado(03/03), policiais militares foram chamados por moradores que estariam incomodados com o barulho de fogos de artifícios. Os artefatos estavam sendo lançados por indivíduos dentro de um carro que circulava pelas ruas da cidade. Ao chegar no local, os policias encontraram dentro do veículo várias caixas de foguetes. Após a apreensão do carro e dos indivíduos, sendo o motorista inabilitado, os militares foram surpreendidos com a chegada do prefeito que disse que a ação estava sob seu consentimento. E, mais, Antônio Carlos Chaves de Resende disse, ainda, que o lançamento dos foguetes continuaria, tendo apoio de amigos e de outros moradores que se aglomeraram no local. 
Naquele momento, o soldado, que estava com as mãos na coluna da porta direita do carro, teve os dedos esmagados, com o fechamento brusco da porta do veículo, feito pelo prefeito. O policial foi levado para o hospital onde realizou exames de raio-X. 
A movimentação não só impediu que os policiais terminassem a ocorrência, por causa obstrução do prefeito, como também, permitiu que os autores da infração evadissem do local, sob ameaça do prefeito da cidade de Lagoa Dourada.
REDS 2012 000459813-001

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Denuncia de Improbidade, contra prefeitura de Uberlândia

A Secretária Municipal do Meio Ambiente, Senhora Raquel Mendes Carvalho,
 foi contratada pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos para dar um parecer favorável sobre a viabilidade do novo cemitério de Uberlândia nas terras que não tem dono perto do Ceasa. Vale relembrar que no ano passado essas terras foram ocupadas pelo movimento dos sem teto. A Secretaria Sra Raquel Mendes embolsou R$ 10.000,00 para dar CARTA BRANCA para serem iniciadas as obras do novo cemitério, e cometendo crime de improbidade administrativa... É assim que essa quadrilha que administra Uberlândia age, cometendo crime atrás de crime, e o Ministério Publico a imprensa todos comprados pelo grupo do atual prefeito faz mais uma vez o seu papel, ficam quietinhos comendo dentro do bolso do chefe, leia-se Odelmo. Click na imagem para ampliá-la:

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Soldado da PM MG é espancado por prefeito VERGONHA!!!


O Incidente aconteceu ontem , no momento de uma reinauguração de quadra de esportes, quando sem motivação o atual prefeito da cidade  e seu irmão  agrediram  e espancaram
um SD/PMMG. O curioso é que o Cap De supervisão a mando do Major, além de não prender os autores, determinou que a guarnição conduzisse o SD envolvido a delegacia., recolhendo sua arma pois este a tinha sacado. O coordenador do Copom pediu ainda que fizesse a comunicação do sd pois este havia exibido arma de fogo em publico. Pasmem senhores...O Sd está muito machucado pois foi covardemente agredido por esses dois cidadãos.

NOTA DO BLOG DA RENATA: A prefeitura paga o aluguel do quartel e acredito que para não indispor com o prefeito e perder a boquinha do aluguel esse circo contra o Sd foi armado, chega de politico mandar em polícia, que o Estado tome vergonha na cara e assuma a sua responsabilidade de manter suas viaturas e quartéis, para que seus profissionais não sejam humilhados por politico que acham que além de mandar na cidade ainda mandam na policia, a Policia é uma instituição Estadual, patrimônio do povo, subordinada ao Cmd Geral e ao Estado e não a prefeitos, que vergonha prefeito.

Fonte: Blog da Renata

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Prefeito de Uberaba é condenado por improbidade administrativa

Anderson Adauto Pereira teria usado verba pública para confeccionar informes que fazia a sua promoção pessoal
O prefeito de Uberaba, região do Triângulo Mineiro, Anderson Adauto (PMDB), e o chefe de gabinete da prefeitura durante os anos de 2006 e 2007, Antônio Sebastião de Oliveira, foram condenados pela 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), por improbidade administrativa. De acordo com o Ministério Público (MP), o prefeito Anderson Adauto Pereira teria usado verba pública para confeccionar informes que fazia a sua promoção pessoal, e o ex-chefe de gabinete autorizou a disponibilização da verba.

Ainda segundo o MP, o prefeito produziu dois informes publicitários, um para divulgar a programação natalina na cidade, e outra o aniversário do município, sendo que, em ambas apresentava obras e melhorias feitas na cidade, com a imagem do prefeito e uma mensagem pessoal aos cidadãos. Isso tudo, com a autorização do pagamento da despesa pela chefe de gabinete.

Os réus não afirmam que as alegações do MP são improcedentes e que não há provas de que ele teria cometido o ato de improbidade administrativa. No entanto, o desembargador Vieira de Brito afirmou que "muitos políticos utilizam as publicações de maneira sutil para enaltecer a pessoa do administrador, vinculando as obras e as iniciativas da prefeitura à figura da pessoa do prefeito". O desembargador acredita que os informes tiveram a intenção de realizar marketing político, e que a publicação da imagem do prefeito não teve fim educativo, informativo ou de orientação, como determina a lei. 

sábado, 28 de janeiro de 2012

Justiça expede mandado contra Prefeito de Caratinga-MG

O juiz da 2ª Vara Cível da comarca de Caratinga, Alexandre Ferreira, deferiu liminar pedida pelo Ministério Público (MP) e determinou expedição de mandado de busca e apreensão contra o prefeito de Caratinga, a Secretaria Municipal da Fazenda, o ex-chefe de gabinete do prefeito, o ex-secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo e mais cinco vereadores da Câmara Municipal de Caratinga. O mandado foi cumprido em 24 de janeiro na residência e no gabinete dos réus e visa apreender documentos (públicos ou particulares), computadores, entre outros objetos necessários para comprovar atos de improbidade administrativa dos acusados. 

O MP alegou a possível ocorrência de atos de corrupção e de improbidade administrativa praticados pelos réus baseado em denúncia de um ex-servidor, que afirmou ter sido responsável pela entrega, na 2ª Promotoria de Justiça da comarca de Caratinga, de um DVD com imagens que demonstram o esquema de “mensalão” existente no município. Segundo relatou, eram pagos de R$ 15 mil a R$ 20 mil a cada vereador envolvido na aprovação de projetos de lei de interesse do Poder Executivo. Ele acrescentou que o esquema envolvia a secretária da Fazenda e era executado pelo secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo para conseguir a maioria de votos do Poder Legislativo de Caratinga.

Para o juiz, os documentos juntados ao processo “evidenciam a possível prática de graves ilícitos pelos requeridos”. O magistrado entendeu que os arquivos de mídia que também foram juntados demonstram que alguns vereadores de Caratinga estariam recebendo dinheiro do secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo e do então chefe de gabinete do município. O magistrado levou em consideração também as declarações do ex-servidor que denunciou os fatos ao MP.

Quanto ao prefeito de Caratinga e à secretária municipal da Fazenda, o juiz, a partir de documentos no processo, considerou que há “indícios da participação de ambos nos fatos”. O magistrado frisou ainda a relação de proximidade entre alguns dos acusados, ligados diretamente ao prefeito, sendo perfeitamente possível que ele e a secretária de Fazenda “estejam envolvidos ou ao menos tenham conhecimento dos atos ímprobos”, ou seja, das desonestidades em questão.

Após o cumprimento dos mandados, os réus vão ser citados para apresentarem contestação no prazo legal. 


Assessoria de Comunicação Institucional - Ascom
Fórum Lafayette
(31) 3330-2123
ascomfor@tjmg.jus.br 

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Prefeito piauiense é condenado à prisão por abusar de criança

O prefeito piauiense Geraldo Eustáquio Machado (sem partido), do município de Sebastião Barros (970 km de Teresina), foi condenado nesta quinta-feira a oito anos de prisão por abusar sexualmente de uma criança de dez anos. Cabe recurso.

Em outubro, ele já havia sido condenado a oito anos de prisão, em regime semiaberto, pela mesma acusação contra uma menina de oito anos que tinha leucemia.

Esse abuso ocorreu, segundo o processo, durante uma viagem para Teresina, onde a criança fazia tratamento médico. A menina viajava ao lado do prefeito, que colocou a mão dela sobre seu pênis e pediu que ela apertasse.

Na decisão desta quinta, o Tribunal de Justiça do Piauí determinou a prisão imediata do prefeito.

Nas duas decisões, os desembargadores determinaram a perda do mandato, que ocorrerá assim que o acórdão for publicado --não há previsão para isso acontecer.
O advogado Francisco da Silva Filho, que defende o prefeito, disse que seu cliente é vítima de uma perseguição política, orquestrada por adversários que querem afastá-lo da prefeitura.

Segundo o advogado, as crianças são filhas de políticos que se beneficiariam com a saída dele.

O defensor diz que irá apresentar um pedido de habeas corpus assim que a decisão for publicada e que vai recorrer da condenação ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Segundo Silva Filho, não há razão para o prefeito ser preso nem perder o cargo, já que a condenação não é definitiva.

O desembargador Joaquim Santana disse que as crianças foram ouvidas nos processos, acompanhadas dos pais, psicólogos e representantes do Ministério Público, e que deram detalhes dos abusos.


SILVIA FREIRE
DE SÃO PAULO
FOLHA.COM

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Justiça condena prefeito de Uberaba a pagar R$ 29,5 mil aos cofres públicos

O prefeito de Uberaba, no Triângulo Mineiro, Anderson Adauto (PMDB), foi condenado à perda de função pública e à suspensão de direitos políticos por seis anos, além de ter que ressarcir R$ 29,5 mil aos cofres públicos, somados a juros e a correção monetária. Segundo a decisão divulgada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) na noite dessa sexta-feira, o prefeito e o secretário de administração do município contrataram, em junho de 2005, a empresa Magnus Auditores e Consultores Associados sem realizarem licitação. Segundo o TJ, houve ato de improbidade por abuso do dinheiro público.

A sentença, dada pelo juiz Fabiano Rubinger de Queiroz, da 2ª Vara Cível de Uberaba, determinou a anulação do contrato firmado entre o município de Uberaba e a empresa de consultoria, além de proibir, por cinco anos, que o prefeito e o secretário envolvido no caso recebam benefícios ou incentivos fiscais. De acordo com o magistrado, a dispensa do processo licitatório é caso excepcional e precisa respeitar a formalidade de justificação da escolha do fornecedor e do preço a ser pago. “Se não obedecer aos ditames legais, o administrador infringe o princípio da legalidade e da motivação dos atos administrativos”, afirmou, no documento.


A Magnus Auditores e Consultores Associados alegou, em defesa, que o trabalho é de notória especialização e singularidade, hipótese que não foi confirmada, segundo o juiz.Já os agentes públicos argumentaram não ter agido com intenção de ocasionar prejuízo ao erário ou de cometer ato ilícito. A decisão é de 1ª Instância e, portanto, cabe recurso.


Patrícia Scofield -Estado de Minas

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

STF vai decidir se prefeito tem direito a férias e a 13º salário

 Prefeitos e vice-prefeitos podem ter direito a gratificação de férias, 13º salário e verba de representação? A pergunta vai ser respondida proximamente pelo Supremo Tribunal Federal, quando julgar recurso extraordinário do município de Alecrim contra decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul que declarou inconstitucional lei municipal que concedeu tais benefícios. Sete dos 10 atuais ministros do STF decidiram dar “repercussão geral” ao recurso, cujo acórdão, depois do julgamento do mérito, deverá ser aplicado pelas instâncias inferiores, em todo o país.

O TJ gaúcho considerou que a lei municipal de Alecrim - pequena cidade de menos de 10 mil habitantes, na fronteira fluvial com a Argentina — “afrontou” o parágrafo 4º do artigo 39 da Constituição Federal, segundo o qual o “detentor de mandato eletivo”  será “remunerado exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória”.
O ministro-relator do recurso extraordinário, Marco Aurélio, ao reconhecer a existência de repercussão geral na matéria, destacou que o STF, inicialmente, terá de resolver se um Tribunal de Justiça estadual pode decidir sobre conflito entre lei municipal e a Constituição Federal, e não com a Constituição estadual. Em seguida, “também cabe examinar a questão alusiva à possibilidade, ou não, de haver satisfação do subsídio acompanhada do pagamento de outra espécie remuneratória”. E concluiu: “Em síntese, cumpre definir se o subsídio é, ou não, parcela única devida àqueles que estão alcançados pelo instituto constitucional”.
No recurso, o município de Alecrim aponta a impossibilidade de o Tribunal estadual cassar lei municipal por afronta à Constituição Federal. Outro argumento é o de que, no caso, a remuneração dos agentes políticos está vinculada à autonomia municipal, e que as verbas em questão não possuem “natureza remuneratória”, podendo ser pagas aos agentes públicos que recebem “subsídio”.  
Jornal do Brasil
Luiz Orlando Carneiro, Brasília
Comentário do blog: Se existe a bolsa-reclusão, bolsa noiado, então porquê os prefeitos não podem ter o direito ao 13° e férias. Coitados...quanta injustiça...

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Prefeito alagoano tem prisão decretada e é alvo de operação da PF

O prefeito de Traipu, Marco Antônio dos Santos (PTB), a primeira-dama do município, Juliana Kummer, e dois secretários municipais tiveram a prisão preventiva decretada e são alvo de uma operação da Polícia Federal deflagrada nesta terça-feira (20).

Segundo informação da CGU (Controladoria-Geral da União), eles são suspeitos de desvio de dinheiro federal destinados à educação.

Também tiveram a prisão decretada o tesoureiro do município, um ex-secretário municipal e três seguranças do prefeito. A PF de Alagoas não confirmou a realização da operação nem quantos mandados de prisão já foram cumpridos.

A Operação Tabanga também tem como objetivo o cumprimento de 16 mandados de busca e apreensão.

Fiscalização feita pela CGU (Controladoria-Geral da União) em Traipu encontrou indícios de desvio de R$ 8,2 milhões entre 2007 e 2010. O dinheiro foi repassado ao município para financiar o transporte escolar de estudantes e o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação). Investigações apontaram o prefeito como o suposto chefe do esquema criminoso montado na prefeitura.

Segundo a CGU, há suspeitas de licitações simuladas para escolha de fornecedores, pagamento por serviços não executados, fraudes em prestações de contas entre outras irregularidades.

A Operação, desencadeada pela PF em parceria com o Ministério Público Federal e a GCU, é um desdobramento das investigações que identificaram possível uso de dinheiro público destinado à merenda escolar na compra de ração de cachorro e uísque entre outros gastos domésticos da casa de prefeitos e secretários em 13 municípios alagoanos.

A primeira-dama de Traipu já havia sido presa na operação anterior, realizada em março deste ano.

As investigações em Traipu foram possíveis a partir da colaboração de um ex-aliado do prefeito, que teve o nome usado por ele para montagem de uma empresa fantasma para fraudar licitações.

O colaborador e a mulher foram ameaçados de morte e entraram para o programa de proteção à testemunha do governo federal.

A reportagem ainda não conseguiu falar com o advogado do prefeito e da primeira-dama.

SILVIA FREIRE

DE SÃO PAULO
Folha.com